Category Archives: Igreja Católica

Eu odiava a simples ideia de algum dia virar católico

A história de um evangélico batista que encontrou a plenitude da fé no catolicismo

No dia seguinte à quarta-feira de cinzas de 2012, eu liguei para a minha mãe do meu dormitório no Seminário Teológico Batista do Sul e contei a ela que estava pensando em me tornar católico.

“Você não vai se tornar católico, você só sabe que não é batista“, disse ela.

“Não, mãe, eu acho que não é só isso”.

Pausa. “Ah, meu Deus”, ela suspirou.

Eu comecei a chorar.

Não tenho como enfatizar o suficiente o quanto eu odiava a simples ideia de algum dia virar católico. Fui reticente até o último instante. Poucos dias antes de abandonar a Igreja batista, eu cheguei a enviar um sermão para um concurso; estava decorando o Salmo 119 para me convencer da “sola scriptura”; marcava reuniões com professores para ouvir os melhores argumentos contrários ao catolicismo; lia livros protestantes sobre o catolicismo, de propósito, em vez de livros de autores católicos.

Além disso, eu sabia que ia perder o subsídio para moradia e teria que devolver o valor da bolsa se abandonasse o seminário, sem falar da decepção para a minha família, amigos e para a dedicada comunidade da igreja.

Mas quando eu tentava estudar, desabava na cama. Tudo o que eu queria era gritar com o livro: “Quem disse?”.

Eu tinha vivido uma grande mudança de paradigma na minha maneira de pensar sobre a fé. E a questão da autoridade apostólica surgia mais forte do que nunca.

Mas vamos voltar alguns anos no tempo.

Eu cresci num lar protestante evangélico. Meu pai se tornou pastor quando eu estava na quarta série. Durante o ensino médio, eu me apaixonei por Jesus Cristo e pelo seu precioso Evangelho e decidi me tornar pastor também.

Foi nessa época que eu endureci a minha convicção de que a Igreja Católica Romana não seguia a Bíblia. Quando perguntei a um amigo pastor por que os católicos diziam que Maria permaneceu virgem depois do nascimento de Jesus, se a Bíblia diz claramente que Jesus teve “irmãos”, ele simplesmente fez uma careta: “Porque eles não leem a Bíblia”.

O livro “Don’t Waste Your Life” [Não desperdice a vida], de John Piper, me fez enxergar um chamamento ao trabalho missionário. Passei o verão seguinte evangelizando os católicos na Polônia.

Fiquei surpreso quando visitei os meus pais, depois disso, e encontrei um livro intitulado “Born Fundamentalist, Born Again Catholic” [Nascido fundamentalista, renascido católico] em cima da mesa do meu pai. Por que o meu pai estaria lendo uma coisa dessas? Fiquei curioso e, como não tinha trazido nada para ler em casa, dei uma olhada no livro.

As memórias de David Currie, que abandonou a sua formação e o seus ministérios evangélicos, foram desconfortáveis para mim. Sua defesa sem remorsos de doutrinas controversas sobre Maria e o papado eram chocantes; eu nunca tinha pensado seriamente que os católicos tivessem argumentos sensatos e embasados para defender essas crenças.

A presença do livro na mesa do meu pai foi explicada com mais detalhes alguns meses depois, quando ele me ligou e disse que estava retornando ao catolicismo da sua juventude. Minha resposta? “Mas você não pode simplesmente ser luterano ou algo assim?”. Eu me senti traído, indignado e furioso. Nos meses seguintes, servi como pastor de jovens na minha igreja local e, nos tempos livres, lia sobre o porquê de o catolicismo estar errado.

Foi quando encontrei um artigo que falava de uma “crise de identidade evangélica“. O autor pintava um retrato de jovens evangélicos crescendo num mundo pós-moderno, desejosos de encontrar as suas raízes na história e sedentos do testemunho motivador de quem permaneceu firme em Cristo durante épocas cambiantes e conturbadas. Mas, na minha experiência, a maioria das igrejas evangélicas não observava o calendário litúrgico, o credo dos Apóstolos nunca era mencionado, muitos cantos só foram escritos a partir de 1997 e, quando se contava algum relato sobre um herói da história da Igreja, invariavelmente se tratava de alguém posterior à Reforma. A maior parte da história cristã, portanto, passava em branco.

Pela primeira vez, eu entrei em pânico. Encontrei uma cópia do catecismo católico e comecei a folheá-lo, encontrando as doutrinas mais polêmicas e rindo das tolices da Igreja católica. Indulgências? Infalibilidade papal? Esses disparates, tão obviamente errados, me tranquilizaram no meu protestantismo. A missa me soava bonita e a ideia de uma Igreja visível e unificada era atraente, mas… à custa do Evangelho? Parecia óbvio que o demônio construía uma grande organização para afastar muita gente do céu.

Sacudi a maioria das minhas dúvidas e aproveitei o restante do meu tempo me divertindo com o grupo de jovens e compartilhando a minha fé com os alunos. Qualquer dúvida, resolvi, seria tratada no seminário.

Comecei as minhas aulas em janeiro, com a mesma emoção de um fanático roxo por futebol indo para a final da Copa do Mundo. As aulas eram fantásticas e eu pensei que tinha finalmente me livrado de todos aqueles problemas católicos.

Mas, poucas semanas depois, mais dúvidas me assaltaram. Estávamos estudando as disciplinas espirituais, como a oração e o jejum, e eu fiquei cismado com a frequência com que o professor pulava de São Paulo para Martinho Lutero ou Jonathan Edwards ao descrever vidas admiráveis ​​de piedade. Será possível que não aconteceu nada que valesse a pena nos primeiros 1500 anos do cristianismo? Este salto na história continuaria me incomodando em muitas outras aulas e leituras propostas. A maior parte da história da Igreja anterior à Reforma era simplesmente ignorada.

Eu logo descobri que tinha menos em comum com os padres da Igreja primitiva do que eu pensava. Diferentemente da maioria dos cristãos na história, a comunhão sempre tinha sido, para mim, apenas um pouco de pão e suco de uva ocasionais e o batismo só me parecia importante depois que alguém tinha sido “salvo”. Esses pontos de vista não apenas contradiziam grande parte da história da Igreja, mas, cada vez mais, evocavam passagens desconfortáveis da Bíblia que eu sempre tinha desdenhado (João 6, Romanos 6, etc.).

Outras perguntas que eu tinha enterrado começaram a reaparecer, mais ferozes, exigindo uma resposta. De onde foi que veio a Bíblia? Por que a Bíblia não se autoproclamava “suficiente”? As respostas protestantes, que tinham me bastado no passado, já não eram satisfatórias.

Foi lançado nesse tempo um vídeo viral de Jefferson Bethke no YouTube, “Por que eu odeio a religião, mas amo Jesus”. O jovem tinha boas intenções, mas, para mim, ele apenas validava o que o Wall Street Journal tinha chamado de “perigosa anarquia teológica dos jovens evangélicos”, tentando separar Jesus da religião e perdendo muito no processo.

O ponto de inflexão foi a quarta-feira de cinzas. Uma igreja batista em Louisville realizou uma cerimônia matutina e muitos estudantes compareceram às aulas com as cinzas ainda na testa. Na capela, naquela tarde, um professor famoso pelo empenho apologético anticatólico expôs a beleza dessa tradição milenar.

Depois disso, eu perguntei a um amigo do seminário por que a maioria dos evangélicos tinha rejeitado essa linda tradição. Ele respondeu com alguma coisa sobre fariseus e “tradições meramente humanas”.

Eu balancei a cabeça. “Não, eu não consigo mais”.

A minha resistência ao catolicismo começou a se desvanecer. Eu me sentia atraído pelos sacramentos, pelos sacramentais, pelas manifestações físicas da graça de Deus, pela Igreja una, santa, católica e apostólica. Não havia mais como negar.

Foi no dia seguinte que eu liguei para a minha mãe e contei a ela que estava pensando em me tornar católico.

Faltei às aulas da sexta-feira. Fui para a biblioteca do seminário e olhei os livros que eu tinha me proibido de olhar, como o catecismo e os últimos textos do papa Bento XVI. Eu me sentia como se estivesse vendo pornografia. No sábado, fui à missa das cinco da tarde. O grandioso crucifixo da igreja me fez lembrar de quando eu considerava os crucifixos um prova de que os católicos não tinham mesmo entendido a ressurreição.

Mas desta vez eu vi o crucifixo de modo diferente e comecei a chorar. “Jesus, meu Salvador sofredor, Tu estás aqui!”.

A paz tomou conta de mim até a terça-feira, quando a realidade me atropelou. Fico ou vou? Fiz vários telefonemas em pânico: “Eu literalmente não tenho ideia do que eu vou fazer amanhã de manhã”.

Na quarta-feira de manhã, eu acordei, abri meu laptop e digitei “77 razões pelas quais estou deixando de ser evangélico”. A lista incluía coisas como a “sola scriptura”, a justificação, a autoridade, a Eucaristia, a história, a beleza e a continuidade entre o Antigo e o Novo Testamento. Os títulos e os parágrafos fluíam dos meus dedos como a fúria das águas que explodem uma represa secular.

Poucas horas depois, em 29 de fevereiro de 2012, eu saí de Louisville para evitar confundir mais alguém e esperando que eu próprio não estivesse cometendo um erro.

Os meses seguintes foram dolorosos. Mais do que qualquer outra coisa, eu me sentia envergonhado e na defensiva, indagando de mim mesmo como é que a minha identidade e o meu plano de carreira tinham se deixado abalar tão rapidamente. Mesmo assim, eu entrei para a Igreja no dia de Pentecostes com o apoio da minha família e comecei a procurar trabalho.

Muita coisa mudou desde então. Eu conheci Jackie no site CatholicMatch.com naquele mesmo junho. Casei com ela um ano depois e comemoramos o nascimento da nossa filha Evelyn em 3 de março de 2014. Vivemos agora no Estado de Indiana e eu estou feliz no meu novo trabalho.

Ainda sou novato nesta jornada católica. Para todos os que ainda se questionam, eu posso dizer que o meu relacionamento com Deus só tem se aprofundado e fortalecido. Enquanto vou me envolvendo com a paróquia, me vejo muito grato pelo amor à evangelização e à Bíblia que aprendi no protestantismo.

Não acho que eu tenha abandonado a minha fé anterior, mas sim que eu consegui preencher as suas lacunas. Hoje eu dou graças a Deus por ter recebido a plenitude da fé católica.

Natal não deve ser de festas e compras, diz o papa

Cidade do Vaticano – O papa Francisco pediu nesta segunda-feira (23) que as pessoas usem o Natal como uma oportunidade para se colocar “no lugar de Jesus”, e não para “fazer festas, compras e rumores”.

O Pontífice fez a declaração durante uma missa celebrada nesta manhã na residência de Santa Marta, no Vaticano. “O Natal geralmente é uma fez barulhenta, mas fará bem ficar um pouco em silêncio para ouvir a voz do amor”, comentou.

Esse será o primeiro ano de Francisco à frente das celebrações de Natal da Igreja Católica.

Ele presidirá amanhã uma missa na Basílica de São Pedro e, na quarta-feira, fará a benção “Urbi et Orbi” no Vaticano.

Fonte: Revista Exame

Jovens sacerdotes: padres levam missão de aproximar Igreja aos fiéis

O sacerdote Helano Samy é vigário paroquial no distrito de Capuan, localizado no município de Caucaia, e visita mensalmente 36 pequenos distritos naquela área

Padre Zacarias trabalha com as comunidades em Chorozinho fotos: natinho rodrigues 

Dentro da estrutura da Igreja Católica atual, o sacerdote exerce múltiplos e complexos papéis. O primeiro e mais fundamental é o de transmissor e alimentador da fé cristã junto aos fiéis, com a propagação dos evangelhos e preceitos da religião. Segundo, o de atuar como um verdadeiro “pastor”, dedicando sua vida por inteiro a ajudar, aconselhar e orientar os que procuram seu auxílio. Terceiro, o de missionário. Como afirmou o papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) deste ano, não basta abrir a porta para acolher, deve-se sair pela porta e ir ao encontro das pessoas.

No contexto renovação da Igreja, os padres mais jovens e recém-ordenados adquirem, ainda, outras funções. Detentores de experiências e olhares diferenciados, os novos presbíteros são, agora, os encarregados diretos de proporcionar o maior diálogo entre a Igreja e seus fiéis proposto pelo papa Francisco. Desafio grande que contrasta com a pouca idade da nova geração sacerdotal.

Não suficiente, precisam acompanhar a evolução mundial, estar em sintonia com as ciências e os meios de comunicação, e, ao mesmo tempo, disseminar os ensinamentos do Evangelho para uma sociedade que tende a ver o catolicismo em seus velhos moldes como uma religião ultrapassada.

Missionários

Neste mês de dezembro, completa-se um ano que Helano Samy da Silva e Zacarias Virgílio Araújo, 28, foram ordenados sacerdotes pela Arquidiocese de Fortaleza. A vocação sacerdotal aflorou ainda na adolescência e, após oito anos de estudo e preparação em seminários do Estado, eles se tornaram dois dos mais jovens presbíteros da Capital. O primeiro foi nomeado vigário paroquial no distrito de Capuan, município de Caucaia. Já o segundo serve à Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus, em Chorozinho, também na Região Metropolitana de Fortaleza.

Ao longo do ano de sacerdócio, a meta e o desejo de ambos sempre foram os mesmos. “Estar próximo ao povo, ajudando no que for preciso e necessário. A nossa vida é inteiramente de disposição para as pessoas”, diz Zacarias. Mas em cidades nas quais a religião católica perdeu espaço para outros cultos, do evangélico ao ateísmo, os jovens padres perceberam que o “estar próximo” significa, verdadeiramente, ir até a população, resgatando o ideal de uma igreja missionária.

Nas duas regiões onde estão alocados, da mesma forma que em muitas cidades do Interior do Estado, a imagem do padre ainda é vista como sinal de status, característica que ficou marcada em outros momentos da Igreja Católica e acabou por reforçar o distanciamento entre a liderança da entidade e seus seguidores. Para se aproximar, foi preciso colocar os pés no chão, quebrar o estigma, e trabalhar de perto, junto à comunidade.

Além do centro urbano de Capuan, sede da Igreja Matriz, Padre Helano Samy visita mensalmente 36 pequenos distritos situados nas redondezas. Locais pobres, carentes de fé e de assistência, onde a única presença de organização social é religiosa. Lá, ele faz o papel não só de evangelizador, celebrando missas, batismos e casamentos.

Trabalho social

O sacerdote é também o articulador dos habitantes na busca de direitos, seja por saúde, educação ou ajuda para combater os prejuízos causados pela seca que atingiu o Ceará neste ano. O sacerdote participa, ainda, de projetos sociais, a exemplo do Centro de Pesquisa Vivência Ecológica (Cepe Viva), em Caucaia, que oferece aulas de reforço e atividades físicas a 45 crianças e adolescentes pertencentes a famílias sem recursos.

“Encontramos muito essa realidade de ver pessoas que precisam do básico. Foi uma experiência que causou muito impacto. Percebi que, onde eu estou, posso ajudar a deixar as pessoas mais conscientes a respeito de seus direitos e a formar numa nova cultura que consiste em ver todas as comunidades como uma família, se ajudando nos problemas e caminhando nas alegrias”, confessa o sacerdote.

No município de Chorozinho, também castigado pela estiagem, no qual boa parcela da população vive sob condições precárias em assentamentos, Zacarias é um dos coordenadores da Pastoral da Criança. A ação do grupo, formado por voluntários, tem foco no combate da desnutrição e da desidratação infantil. “Faz parte da Igreja se envolver nisso, estar ao lado dos necessitados. Estamos voltando a nos centrar nisso. São coisas que, muitas vezes, as pessoas que estão lá fora não veem”, ele conta.

A partir de esforços como esse, os dois sacerdotes tentam renovar a Igreja resgatando atitudes e valores que remontam aos reais princípios da fé. Porém, na caminhada desde o dia em que se tornaram padres, os desafios e dificuldades continuam se apresentando em vários aspectos, a maioria ligados à modernidade e transformações sociais.

Desafios

Um deles é o de reverter a ideia de que a Igreja e a religião católica representam uma visão antiga do mundo, não correspondente com a realidade. “Quando a gente fala em Igreja, acham que é algo ultrapassado. O religioso vê o mundo com uma visão de esperança, como um agente que transforma. Tentamos mostrar que esse modo de encarar as coisas também é válido e contribui com a sociedade ainda hoje”, ressalta padre Helano.

Para ambos os sacerdotes, em tempos marcados pelo individualismo e pelo relativismo, também lhes é imposta a difícil tarefa de fazer com que a população vivencie a fé e se identifique com o evangelho. “As pessoas acreditam, às vezes, que o Evangelho não tem mais nada a ver com a sociedade, mas isso não é verdade. O Evangelho ainda fala muito para as pessoas hoje, e nós precisamos passar isso”, afirma Helano Samy.

Mas talvez o maior desafio seja o de dar respostas à sociedade em relação aos temas que abalam os dogmas da religião católica. Na visão de Zacarias Virgílio, a Igreja acompanha as mudanças nos tempos, mas não há como a instituição fugir dos princípios que a fundamentam. “A sociedade vive em uma realidade em que tudo é relativo, inclusive a fé. As pessoas pensam que a religião deve ser do jeito que elas querem, do jeito que elas acreditam. Mas a Igreja só pode dar respostas a partir do que ela se propõe, que é a vivência da fé na prática”, aponta.

Já Helano Samy avalia que, apesar de manter as tradições, a Igreja tem de estar preparada para discutir mais abertamente assuntos considerados polêmicos, como avanços da ciência, a discussão sobre sexualidade, as críticas ao direito à vida, entre outros. Na expectativa de acompanhar as mudanças do mundo contemporâneo, o próprio padre sente a necessidade de estar a par dos novos acontecimentos. Segundo ele, a Igreja precisa lidar com questionamentos levando em conta os preceitos da religião, mas também se mantendo de portas abertas.

“Hoje, a Igreja se vê interpelada de muitas maneiras, por grupos sociais distintos. Existem alguns assuntos que fazem parte de uma tradição e realmente são fechados, mas é preciso saber que o dever da Igreja é acolher. Não é a identidade de uma pessoa que vai excluí-la”, defende.

 

Fonte: Diário do Nordeste

 

Os homossexuais são bem-vindos na Igreja Católica?

Alguns homens e mulheres que lutam com a atração pelo mesmo sexo, me pergunto se há alguma esperança para que sejam recebidos em ou voltar para a igreja. A resposta a essa pergunta é um inequívoco “Sim”. Deus chama cada um de nós, homossexuais ou heterossexuais, à castidade de acordo com as circunstâncias da vida. A igreja está aqui para ajudar todos nós viver na luz da verdade.

Um Ministério eficaz e útil ajudando crentes homossexuais é coragem. Aqui está um trecho de seu Web site:

“São você ou um ente querido experimentar atrações homossexuais e à procura de respostas?

Coragem, um apostolado da Igreja Católica Romana, os ministros para aqueles com a atração pelo mesmo sexo e seus entes queridos. Nós foram aprovadas pelo Conselho Pontifício para a família e nosso amado João Paulo II disse deste ministério, “a coragem é fazer a obra de Deus!”Temos também uma extensão chamada incentivar que os ministros para parentes e amigos de pessoas com a atração pelo mesmo sexo.

No nosso web site, você aprenderá sobre a homossexualidade e a castidade. Desenvolvendo uma vida interior de castidade, que é a chamada universal para todos os cristãos, um pode mover-se além dos limites da identidade homossexual para uma mais completa em Cristo…

Venha ver o que nós somos sobre. Navega em nossas páginas. Conhecer a nossa comunidade.Você será feliz que você fez!”

Para saber mais sobre homossexualidade à luz dos ensinamentos da igreja, por favor, explore os recursos a seguir. Lembre-se, a igreja é modelada depois de Cristo, e obras para compartilhar a verdade e espalhar amor em todo o mundo a cada ser humano. Mas deve demorar para entender por que a Igreja ensina que o que ela faz. Só então podemos abraçar a verdade e viver de acordo com isso.

Por que a Igreja Católica acredita no purgatório?

A crença da Igreja Católica na existência do purgatório é fato bíblico!
Em primeiro lugar, é importante entender o que a Igreja crê que é o purgatório. O catecismo descreve o Purgatório como esta: “todos os que morrem na graça e amizade de Deus, mas ainda imperfeitamente purificados, estão de fato assegurados de sua salvação eterna; Mas após a morte passam a purificação, a fim de alcançar a santidade necessária para entrar a alegria do céu”(CCC 1030).

 

Note que a Igreja acredita que o Purgatório não é um estado eterno, mas sim um estado de purificação antes de entrar na vida eterna com Deus no céu.

 

As Escrituras nos ensinam que nada de impuro pode entrar no céu (Apocalipse 21:27). As Escrituras também descreve um lugar onde um homem vai e sofre a perda, mas é ainda salvou, mas só com fogo (1 Coríntios 03:13-15). O purgatório é neste lugar que purifica-nos de qualquer impureza que nós temos quando nós morremos, permitindo-nos entrar na presença de Deus sem mancha do pecado.

Por que não-católicos não podem receber a sagrada comunhão na Igreja Católica?

Os católicos crêem na presença Real de Jesus na Eucaristia, significando que o que parece ser pão e vinho é realmente corpo e sangue de Jesus — não apenas um símbolo de seu corpo e sangue. Quando os católicos recebem a sagrada comunhão, é uma expressão da unidade entre todos aqueles que, em comunhão com a Igreja Católica em todo o mundo, que mantêm a crença na Real presença eucarística de Cristo. Portanto, somente aqueles que crêem na verdade presença podem participar deste sacramento da unidade com Cristo e sua igreja. “… [T] celebração o sacrifício eucarístico é totalmente voltada para a União íntima dos fiéis com Cristo através da comunhão “(CCC 1382).

 

Em última análise, os católicos crêem que não pode celebrar este sacramento unificadora com outros cristãos enquanto existem divergências sobre a Eucaristia em si. No entanto, os católicos rezam para o dia quando podemos reconciliar-se com outros cristãos e compartilhar a unidade do povo de Deus através da Sagrada Eucaristia.

 

A Conferência dos bispos católicos dos Estados Unidos manifesta esse desejo de unidade:

 

“Rezamos para que nosso batismo comum e a ação do Espírito Santo esta Eucaristia serão desenhar nos aproxima um ao outro e começam a dissipar as divisões tristes que nos separaram. Oramos para que estas irão diminuir e finalmente desaparecer, em consonância com a oração de Cristo por nós ‘que eles todos sejam um’ “(John 17:21).
Texto traduzido de forma automatizada caso haja erros.

Por que a Igreja Católica acredita que Cristo está realmente presente na Eucaristia?

A doutrina católica da presença Real é a crença de que Jesus Cristo é, literalmente, não simbolicamente, presente na Sagrada Eucaristia — corpo, sangue, alma e divindade. Os católicos crêem na presença Real de Cristo na Eucaristia, porque Jesus nos diz que isto é verdade na Bíblia:
“Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do céu, que um homem pode comer e não morrer. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; Se qualquer um come deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne. Os judeus então disputada entre si, dizendo: ‘Como pode este homem nos dar sua carne a comer?’ Então Jesus disse-lhes: “verdadeiramente, verdadeiramente, eu digo a você, se não comerdes a carne do filho do homem e bebe seu sangue, não tereis vida em vós; Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e ele vai levantar no último dia. Para a minha carne é comida com efeito, e meu sangue é bebida de fato. Quem come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”(John 06:48-56).

 

Além disso, os pais de igreja adiantados ou implicam ou diretamente do estado que o pão e o vinho oferecidos na celebração da ceia do senhor é realmente o corpo e o sangue de Jesus Cristo. Em outras palavras, a doutrina da presença Real que os católicos crêem hoje foi acredita pelos primeiros cristãos 2.000 anos atrás!

 

Este milagre da presença física de Deus para nós em todas as missas é o testemunho mais verdadeiro o amor de Cristo por nós e seu desejo para cada um de nós ter um relacionamento pessoal com ele.

 

Mais das escrituras sobre a presença Real de Cristo na Eucaristia
“A menos que você coma a carne do filho do homem e bebe seu sangue”

 

• (John 06:53-56 RSV) Então Jesus disse-lhes, “verdadeiramente, verdadeiramente, eu digo a você, se não comerdes a carne do filho do homem e bebe seu sangue, não tereis vida em vós; {54} ele quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e ele vai levantar no último dia. {55} Para minha carne é comida mesmo, e meu sangue é bebida de fato. {56} Ele quem come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele.

 

• No idioma aramaico que nosso Senhor falou, simbolicamente “comer carne” ou “beber o sangue” de alguém para perseguir ou agredimos. Consulte o seguinte… (Psa 27:2 KJV) Quando os ímpios, nem meus adversários e meus inimigos, vieram até mim para devorar minha carne, Eles tropeçaram e caíram.

 

• (09:18-20 De Isa RSV) pela maldade queima como o fogo, que consome sarças e espinhos; Ele desperta os arvoredos da floresta, e eles rolam para cima em uma coluna de fumaça. {19} Através a ira do Senhor dos exércitos, que a terra está queimada e as pessoas são como combustível para o fogo; nenhum homem não poupa o irmão dele. {20} Arrebatar a direita, mas ainda está com fome, e eles devoram a esquerda, mas não são satisfeitos; cada um devora a carne do seu vizinho,

 

• (Isa 49:26 RSV) vou fazer seus opressores coma sua própria carne, e eles devem estar bêbados com o próprio sangue como com vinho. Em seguida, toda a carne saberá que eu sou o senhor, seu Salvador e o teu Redentor, o poderoso um de Jacó.”

 

• (Miquéias 3:3 RSV) quem comer a carne do meu povo e esfolar sua pele off-los, quebrar seus ossos em pedaços e cortá-las como carne em uma chaleira, como carne em um caldeirão.

 

• (2 Sam 23:17 RSV) “longe seja de mim, Ó Senhor, que eu deveria fazer isso. Eu beberei o sangue dos homens que foi correndo o risco de suas vidas?” Portanto, ele não beberia. Essas coisas que os três homens poderosos.

 

• (Ap 17:6 RSV) e vi a mulher embriagada com o sangue dos Santos e o sangue dos mártires de Jesus. Quando eu vi ela eu se maravilhou grandemente.

 

• (17:16 NVI) a besta e os dez chifres que viste odiarão a prostituta. Eles vão levá-la à ruína e deixá-la nua; Eles vão comer sua carne e queimá-la com o fogo.

 

Assim, se Jesus estavam apenas falando simbolicamente comer sua carne e beber seu sangue, como dizem os protestantes, então o que ele realmente queria dizer era “quem persegue e assalta-me terão a vida eterna” — o que, claro, faz disparates da passagem!

 

Pão e vinho não são símbolos normais ou naturais de carne e osso. Para chamar um homem uma “raposa” é um símbolo compreensível por esperteza. Para chamar um homem de “pão” não é um símbolo compreensível, sem uma explicação. Os símbolos teria sido claramente explicados (que não é o caso), ou Jesus falou literalmente (que é o caso!).
Texto traduzido de forma automatizada caso haja erros.

MASS MEDIA INFLUENCE!

MORTALLY SINFUL MEDIA!

Know also this, that, in the last days, shall come dangerous times. Men shall be lovers of themselves, covetous, haughty, proud, blasphemers, disobedient to parents, ungrateful, wicked, without affection, without peace, slanderers, incontinent, unmerciful, without kindness, Traitors, stubborn, puffed up, and lovers of pleasures more than of God: Having an appearance indeed of godliness, but denying the power thereof. Now these avoid.” (2 Timothy 3:1-5)

Most people of this generation, even those who profess themselves Christian, are so fallen away in morals that even the debauched people who lived a hundred years ago would be ashamed of the many things people today enjoy. And this is exactly what the devil had planned from the start, to step by step lowering the standard of morality in the world through the media until, in fact, one cannot escape to sin mortally by watching it with the intention of enjoying oneself. Yes to watch ungodly media only for enjoyment or pleasure or for to waste time (which could be used for God), as most people do, is mortally sinful.

54 years ago (1956), Elvis Presley had to be filmed above the waist up on a tv-show because of a hip-swiveling movement. Not that it was an acceptable performance, everything tending to sexuality is an abomination, but still it serves to prove how much the decline has come since then, when even the secular press deemed inappropriate what today would be looked upon as nothing. But even at that time, in major Hollywood films like The Ten Commandments, could be seen both women and men that are incredibly immodestly dressed. The fall and decline of morals have been in progress ever since the invention of motion picture. God allowed this deceit to be invented because of people’s sins, especially for sins of the flesh. The media have such power that it preconditions peoples mind in such a way – since people look at TV as reality – that what was shameful yesterday will be the norm today! So if the media shows immodesty as norm, norm it will become!

TV-SERIES, FILMS, CARTOONS

We already know that almost everything on television will have the most abominable impurities and abominations presented in them so that a parent should be appalled by it and refuse his children to even take part of it, but this, sadly, is not the case for most. You will be amazed at how far this goes. Even children cartoons which one could think was acceptable and modest, is far from acceptable or modest but even many times worse then the general media broadcasted for older viewers, which will be dealt with shortly.

Firstly, you will almost always see fornication and adultery or other sexual impurities and sins of the flesh presented throughout the godless media as the norm to live, along with a rejection of the traditional way that people lived in before the beginning of 19thcentury. The sexual suggestions and perversions are endless in these shows. To sit and watch such shows or to allow your children to watch such shows is not only insanity but a clear mortal sin.

Secondly, there is a comedic part on almost every show which seems to hold no sin, but when examined closely will be revealed for what it really is. For gloating (also called disability humor) which is a most abominable and uncharitable sin will most certainly be impossible to escape if you watch TV-series! This odious sin of gloating prevails in every kind of media such as cartoons, films and shows, where people are beating each other or laughing at the different calamities or stupidities that another person will experience. Think about how evil this is: to laugh at another person’s calamity or sorrow! Yet, you cannot escape seeing this when you watch TV! Do to others as you would have them do to you, was one of the commandments of our Lord! (Matthew 7:12) – You would not want someone laughing or making fun of your calamities and miss-happenings, yet we laugh and approve it when sad things happen to others? Then we have the constant jokes about the Christian religion with countless of derogatory words uttered in a most blasphemous spirit by the media when it tries to depict how utterly stupid, foolish, and out of date it is to be a firm Bible believing Christian. The constant ridicule and mockery of God and the Christian religion should be sufficient cause for rejecting this mortally sinful filth entirely! Again, you would not approve of a show that blasphemed you, a friend, child or wife, yet you watch shows making a mockery of God and religion which is worth infinitely more than weak human beings?

Thirdly, we have the specifically evil sin of immodest clothing and make-up which every show holds as law to be followed, and there is no exception in cartoons for children. Most women-characters are half dressed or half naked in these cartoons showing off their whole body in a sexually suggestive way. This, in fact, is what the devil wants, for he preconditions children’s sexuality to grow at a young age. The little mermaid for example, the main character in the Disney movie called “The Little Mermaid”, is completely naked from the waist up except for a small covering of sea shells over her breasts which is outrageous to say the least! Sadly, this is how most characters dress! The woman-character in Aladdin the movie is immodestly dressed showing most parts of her body. She even sexually seduces one of the males in a scene for whatever reason, and this is what our kids are watching and learning, from Satan himself! If you have allowed your children to watch such things, you should be ashamed of yourself!

There is a perfect reason why young children become sexually active at a young age. Young children watching such films and shows imitates the behavior, movements and way of acting by the characters; for example: the eye-rollings, the seducing of men or of women, the hip-swirlings and the seducing way of moving the body and the seducing way of walking, etc.

Tinker bell, a character featured in many Disney shows, is considered to be one of the most important branding icons of Disney, (according to Wikipedia sources).

“Tinker Bell is illustrated as a young (sexy), blonde haired, big blue eyed, white female, with an exaggerated hour-glass (model-shaped) figure. She is clad in a short lime-green (ultra revealing miniskirt) dress with a rigid trim, and green slippers with white puffs. She is trailed by small amounts of pixie dust when she moves, and this dust can help humans fly if they ‘believe’ it will (more of the magic fairy tale crap and ‘belief’ in the occult, all for our children to watch). Some critics have complained that Tinker Bell is too sexually suggestive.” (And this is supposed to be a character for children movies. Outrageous to say the least, even the secular world agrees!)

These are just some of the examples I can come to think of, and my knowledge about children shows is very limited. One with more knowledge could easily fill a number of volumes on the same subject.

The sin of immodest clothing and make-up brings up innumerable impure and lustful thoughts, which is just what the devil wants when he incites people to commit these sins of immodest clothing and painting the face with makeup, as only harlots and heathens did until recently when “Catholics” started to follow this trend. Those who do these things, do them for the sole reason of making others lust at them, or for to make themselves seem more attractive to others. This is sinful to say the least and very displeasing to God.

Billions of souls are burning now as we speak in the excruciating fire of hell since they were tempted to sexual impurities in their thoughts by the media they watched! Will you follow them or let your children follow them and be the cause of your greater sorrow, when on top of being condemned, you must endure to be tormented forevermore by your own child? Absolute madness! You must hinder your child to use makeup and immodest clothing at any cost! You can only hope to save yourself from hell if you do everything in your power to prevent your children going there. Are you? If they refuse to obey you, throw them out! If they are youngsters, why then don’t they obey you? There is a perfect reason why sacred scripture commands chastisement in the education of our children!

“He that loveth his son, frequently chastiseth him, that he may rejoice in his latter end… Give thy son his way, and he shall make thee afraid: play with him, and he shall make thee sorrowful. Laugh not with him, lest thou have sorrow, and at the last thy teeth be set on edge. Give him not liberty in his youth, and wink not at his devices. Bow down his neck while he is young, and beat his sides while he is a child, lest he grow stubborn, and regard thee not, and so be a sorrow of heart to thee. Instruct thy son, and labour about him, lest his lewd behaviour be an offence to thee.” (Ecclesiasticus 30:1-13)

Don’t be fooled by the world. You do no sin whatsoever before God if you chastise your children in the education of righteousness. The world, or in truth, Satan, who rule this world, has made laws that says chastisement of children are wrong. This is one of many reasons he has succeeded to achieve a downfall of society! Remember that rebellious and ungodly children were one of the end times prophecies that the Bible mentioned. (2 Timothy 3:1-5)

Fourthly, there is the abominable and mortal sin of blasphemy which is uttered in almost every TV- show, even going so far as to exchange the name of God, Jesus or Christ for curse words. A few hundred years ago, people would have been horrified to commit this sin since it was then rightly punished by execution. But now, people commit this sin constantly and without fear, without anyone raising an eyebrow. Yet, when death comes, all blasphemers will open their eyes and find that they are in a sea of fire to burn and be tormented for all eternity. If you watch things which contain blasphemy, which would be almost every film or show in this age, then you are literally sick and despicable and Hell will be long for you unless you repent immediately and resolve to never do so again. Death will come and grab you whether you like it or not.

Fifthly, there is the universal acceptance of false religions, magic and occultism which was rightly punishable by death earlier in our history but which now is norm in the media. You will see the horrible sin of magic and occultism in every kind of TV-show; for example, in animated cartoons it’s almost ‘always’ the norm; it is also a frequent occurrence on other shows broadcasted for the general public such as Buffy the vampire slayer, Charmed, Sabrina the Teenage Witch, etc! Many famous comedies are also making this evil filth seem fun and acceptable. But then again, the norm of comedian shows is to make fun of things that are abominable and sinful. A person cannot watch comedy-shows without being guilty of grave sin, for how can a person take delight and laugh about things which displease God?

Just to show you how far the sin of idolatry, magic, new age and occultism have come in the media, the following will be presented about the major blockbuster movie hit, Avatar.

This article will prove that a person watching media will be forced to agree or disagree with a number of events that unfolds throughout the storyline, and every time a person agrees with or fails to disagree with that which is against God, he in fact commits a grave sin. This is what makes the watching of media so deadly. People nowadays don’t fathom the severity of this crime but it is easily understood to be a most evil crime when one realizes that God will judge our every thought as a deed.

“James Cameron’s, Avatar, is a movie where worshipping a tree and communing with spirits are not only acceptable; they are attractive. Avatar is also markedly pantheistic and essentially, the gospel according to James Cameron. This pantheistic theme that equates God with the forces and laws of the universe is outwardly depicted by the heroes and heroine in the movie who all worship Eywa, the “All Mother” Goddess, who is described as “a network of energy” that “flows through all living things.”

Overall, the movie is strewn with ritualistic magic, communion with spirits, shamanism, and blatant idolatry as it conditions the audience to believe these pagan occult lies. In addition, the audience is led to sympathize with the Avatar and even ends up pulling for him as he is initiated into pagan rituals. Even the lead scientist becomes a pagan in the end, proclaiming that she is “with Eywa, she’s real,” and goes to be with her upon her death.”

People nowadays don’t fathom the severity of this crime of magic, idolatry and paganism but it is easily understood to be a most evil crime when one realizes that magicians and occultists are communing with the devil when they do their magical rituals or offerings, whether it be worshipping a tree or stone, or something made by human hand. We are constantly being bombarded throughout the media to accept, magic, paganism, spiritualism, occultists, etc, in other words, false religions, which clearly shows that Satan is involved here.

Psalms 95:5- “For all the gods of the Gentiles are devils…”

1 Cor. 10:20- “But the things which the heathens sacrifice, they sacrifice to devils, and not to God. And I would not that you should be made partakers with devils.”

If someone were to make a show that presented child perversion paedophilia as a good and normal thing to do, everyone would be appalled, but now the worldly media present the communing with demons as something good and allowable and no one raises an eyebrow. To watch such filth is mortally sinful and your torment in hell will be eternal if you watch such things or allow your children to watch such things.

Sixthly, there is the most evil sin of greed and love of possessions which is showed universally on TV as something good and praiseworthy to follow. You will see the most extravagant displays of worldly excesses! This is abominable first off, since every kind of excess is an affront against the many poor people who don’t have enough money to even feed themselves with, and secondly since it tempts people to seek these useless and unnecessary things such as expensive cars, houses, and golden necklaces etc… instead of being content with food, clothing and shelter as the Apostle tells us to be. If God judges even every thought that you will have, how much more will He not judge deeds which is what watching ungodly media is!

It should also be understood that media gives the person who watches it a drug-like experience, an experience of false and unholy fire. The most dangerous effect from media is the dream state it puts a person into. After watching something worldly which made an impression, this is what will occupy your mind and your feelings for most part of the day or even weeks to come. From the blockbuster movie Avatar, this demonstration can be seen clearer. A news article published in the Economic Times reads as following:

‘Avatar’ driving us to suicide, say fans

LOS ANGELES: ‘Avatar’ may have enthralled worldwide audiences with its imagery of an utopian alien world but movie-goers have complained of depression and even suicidal thoughts after watching the sci-fi hit.

Fans of James Cameron’s 3D magnum opus are seemingly finding it hard to separate fact from fiction and Internet forums have been flooded with posts by movie-goers plagued with suicidal thoughts about not being able to visit the planet Pandora, reported CNN online. North American fan site ‘Avatar Forums’ has received 2,000 posts under a thread entitled ‘Ways to cope with the depression of the dream of Pandora being intangible’.

Forum administrator Philippe Baghdassarian said, “The movie was so beautiful and it showed something we don’t have here on earth. I think people saw we could be living in a completely different world and that caused them to be depressed.”

Forum user ‘Okoi’ writes, “After I watched ‘Avatar’ at the first time, I truly felt depressed as I ‘wake’ up in this world again.”

It should be understood that this depression arise from a lack of faith in God. The world they really long for is not a fairy tale dream world as depicted in the movie Avatar, but in fact the realm of Heaven and the eternal vision of God – for this is where all humanity were destined to come to had they abstained from sinning and loving the world through their five senses. No one can be happy without God, for God is happiness. Depression arises from a guilty conscience when a person refuses to do what he should to achieve salvation and the eternal vision of God. Satan is exchanging a longing of the real Heaven in people’s minds for a longing of fairy-tale-dreams in the media. Saddening to say the least!

A Christian should be spending his time on growing in his faith by praying, reading, and other good works, but most people do instead the contrary, and wastes most of their time on useless tales and fables, which will occupy their minds instead of God. That is why evil media leads countless souls to eternal damnation and the torments of hell. And this is also a clear fulfillment of end times prophecies, which said many would turn from God unto fables and fairy tales. Are you one of those prophesied about?

“For there shall be a time, when they will not endure sound doctrine; but, according to their own desires, they will heap to themselves teachers, having itching ears: And will indeed turn away their hearing from the truth, but will be turned unto fables.” (2 Timothy 4:3-4)

This prophecy also predicted the false theory of evolution which a Christian, of course, cannot believe in since it contradicts the biblical story of creation, with death entering into the world first after sin.

CARTOONS

The second greatest evil after the sexuality and immodesty in children’s shows is the constant bullying and fun making of the weaker characters, and the violence in both magazines, shows, films (and video games of course). Even the secular press acknowledges that children’s shows oftentimes are more violent than other programs broadcasted for the general public! This article below was taken from the Daily Mail and clearly proves this point further.

“High levels of violence in cartoons such as Scooby-Doo can make children more aggressive, researchers claimed yesterday. They found that animated shows aimed at youngsters often have more brutality than programs broadcast for general audiences. And they said children copied and identified with fantasy characters just as much as they would with screen actors.

The study also found that youngsters tended to mimic the negative behaviour they saw on TV such as rumour-spreading, gossiping and eye-rolling. The U.S. psychologists quizzed 95 girls aged ten and 11 about their favourite TV shows, rating them for violent content and verbal and indirect aggression. The shows included Lost, Buffy the Vampire Slayer, American Idol, Scooby-Doo and Pokemon.

The researchers found that output aimed at children as young as seven, which included a number of cartoons, had the highest levels of violence. They recorded 26 acts of aggression an hour compared with just five in shows aimed at general audiences and nine in programmes deemed unsuitable for under-14s. ‘Results indicated that there are higher levels of physical aggression in children’s programmes than in programmes for general audiences,’ the study said.”

The following story was taken from a Chinese newspaper further proving the point on how bullying, rebellion, disobedience, etc. is taught to children through anime/cartoons/magazines.

Educators Worry About Influence of Cartoons on Children

“Like many other eight-year-olds, Liu Yimin’s favorite heroes aren’t great scientists, or the national soccer team, or popular Chinese icons like Lei Feng. (According to the worldly norm, one should idolize weak human beings.)

His heroes are two Japanese animated characters who defy their parents and teachers. Local educators are worried and say that some of characters may be a bad influence on youngsters.

Xin San, an arrogant kindergarten student, bullies the weak, battles the strong, and constantly lusts after women – lots of women.

“I think the content of these shows is too mature for children,” said Zhang Jinlian, director of the Shanghai Children and Juvenile Psychological Guidance Center. She said many students like to imitate the actions of these cartoon kids, causing trouble in the classroom and at home. Zhang would like to see steps taken to prevent children from reading books and watching videos and VCDs about Xin San, but the cartoon kid is just too popular to be avoided.

But today’s kids don’t want to be instructed, they want innovative cartoons with characters who are rebellious, Xu pointed out. Sales of books and VCDs of the two cartoon series, plus viewer ship levels of the “Chibi Maruko Chan” on Shanghai TV prove that rebellion is very popular with local youngsters.

Unfortunately, children are picking up those rebellious attitudes. Zhang said that many children now bully their parents into buying them a new toy – a trick that they picked up from Chibi Maruko Chan (undoubtedly they also bully their weaker classmates as they have been taught). Even worse, she said, some young boys lustfully gaze at their girl classmates.”

A while ago, when the Catholic Church had a great impact on morality in the Christian society, people looked up to and adored our divine savior Jesus Christ, the blessed Virgin Mary, and the fame and virtues of the Saints. Every Catholic child had a patron Saint of his choosing to look up to and follow. What better examples in virtues and good manners can there possibly be?

Satan has in fact exchanged an adoration of God for man through the media. This is why children nowadays look up to actors, artists, heroes or characters mainly found in media. What child today would not want to be as Superman, Spiderman or any other Superhero, who is depicted in the media as invincible, adored, and beloved by all? Why are both grownups and children nowadays so prideful and violent, unloving, disobedient, lustful and arrogant, etc., if not because we through media have been conditioned to act and behave in this way? With the devil as an example through his debauched actors and animated characters, it will always end badly.

With holy examples, such as of our Savior himself and of the Saints, virtues such as humility, patience, charity and love flourish and is found. Therefore, learn to educate your children in the knowledge of Christ and of His Saints, give them Catholic books about Saints so that they can learn about virtues, and good Catholic films about the Saints. You can find a lot of different Catholic books from Saints at this site below, and more is added frequently!

http://www.catholic-saints.net/

You cannot allow your children to watch anything unless you are 100% certain that the film, show or audio, they are viewing, have nothing in it that are against God’s law. Unless you keep this standard, you will have your children tormenting you for all eternity in hell since you allowed evil influences and sins to effect them at an early age. You are responsible for their spiritual well being as long as they live under your roof. This, of course, should make every parent very nervous. For if you had a real live tiger in your bedroom, you would never allow your child in there since the animal could kill them and eat them. The TV or media is far more dangerous than a tiger ever will be since it kills the immortal soul of your precious child! Yet, most people allow their children to watch TV without any supervision. If you say that you cannot supervise their viewing of media, then throw out the TV and other media appliances that they use to access sinful things or prepare yourself to suffer the eternal consequences in the fire of Hell for your actions!

NOW A FURTHER EXAMINATION WILL BE MADE ON THE DIFFERENT KINDS OF PROGRAMS THAT ARE PRESENTED THROUGHOUT THE MEDIA.

Now, you might ask: “So are you forbidding all media as wrong and sinful to watch?” The answer is no. Not all media is bad, but almost everything on television is however. You might have to watch less at what the box has to offer for you. There are for example numerous great religious films and series which is totally acceptable and good for the Spirit to watch (even though, in many films, especially newer ones, there will be immodest scenes or scenes of impurity. A Christian must not look on films or series which they know have bad scenes that can tempt them). Religious films are the best since they direct your mind toward spiritual things and God, which cannot be said of worldly films. When I am talking about Religious films, I am not referring to these worldly films disguised as religious films, which really has nothing at all to do about spirituality but really about the world, for example, stories about a man falling in love with a woman or a woman falling in love with a man, or other worldly motives, with jokes, much vain talk, etc. This is complete and utter nonsense and serves nothing at all for the edifying of soul, mind or body, and should be totally avoided as the trash it really is!

Most documentaries for example, (regarding on what documentaries you watch) can be watched even if most of them aren’t good or edifying to the soul. Documentaries on prophecies, end times or doomsday, is acceptable since it draws your mind toward the end, death and coming judgment. Documentaries on animals, nature, space, etc. are in themselves not evil or sinful or contrary to God, and can be watched. However, they will many times be the beginning of great evil and sin. Whatever you watch or listen to, it is always a danger if you get too attached to it and allow too much time to be spent on it every day. As a rule, if you cannot stand a single day without visual and audible media, (television and music) this is a clear sign that you are addicted to media. So if you must watch something and if you can’t abstain, you need to learn to watch programs that are not against God or Christian morals. But, the danger still of watching these are the same as with other bad shows since they will direct your mind toward worldly things, but at least it draws your mind towards God’s creation which one may contemplate and draw fruit from, which cannot be said of fables and fairy-tale, pro-evolution anti-God films.

People however, that always prioritize worldly activities before spiritual ones will most assuredly lose their souls. A person must be able to make a resolution to leave worldly activities for hours per day and offer up those hours for God in solitude by praying and reading his words. Many people have time, but they spend it badly and chose to watch media or doing other fruitless works of damnation.

You would be a Saint if you had the same desire and longing for God as you have for worldly things. You can only receive a desire, love and longing for God as you have for worldly things when He is whom you desire and strive for above all other things. This will not happen as long as you are over-attached to worldly things. You must also be able – or at least have a desire to be able to – to come to the point were you want to give up watching media completely. For if a person doesn’t even desire the better part, how then can he grow? God is the better and best part!

All films and series that leads your mind toward fantasies and fables such as Lord of the rings, Heroes, Smallville, Avatar, etc, even if we were to say, for the sake of argument, that they have nothing in them against God (which is not true), should still be avoided, since they direct our minds from God, from the natural world we live in, toward fantasies and all kinds of thoughts referring thereto. This is the main cause for it being so dangerous and the reason why so many persons watching these shows have unwholesome unrealistic desires or depressions. For a person that spends much time on finding God, will evidently dream and long much for God and come close to Him. In contrast, a person that spends much time on the world, is far from God and dead before God!

Now you might ask: “May I then watch other worldly films or series if the story is fixed on realistic things or the creation of God?” The answer to this question is that it depends on what movie or show you want to watch. I would say that one can watch movies and series about the end of the world, the afterlife and the paranormal, etc, since it leads your mind toward the judgment and the death of the body to come which is a good thing. From this can be understood that it depends on what fruit can be drawn out from it to begin with. “Every tree therefore that bringeth not forth good fruit, shall be cut down and cast into the fire.” (Luke 3:9)

You will without a doubt bring forth bad fruit if you spend much time on bad things. So if the film or show is about worldly and vain things, then one should not watch such shows since the fruit thereof is empty and vain. This point can be further proved from sacred scripture.

Beware lest any man cheat you by philosophy, and vain deceit; according to the tradition of men, according to the elements of the world, and not according to Christ…” (Colossians 2:8)

This pretty much rules out all the films, shows and series (anime series and video games as well) that has ever been made in the entire world.

News in itself isn’t evil or contrary to God or morals, but most newspapers today have totally unacceptable pictures which make them extremely unsuitable to read. To read newspapers which you know will contain many unchaste, immodest and sexual pictures and useless stories about sex, etc., is complete idiocy and will lead to sins of the flesh if you cannot guard yourself. We advice you to never watch news on television or the like since it is so filled with sins that it is almost impossible to watch without seeing things that will injure your virtue like immodesty, make-up, blasphemy, gloating, lust, adultery etc… continuing in infinity. However, to watch news daily is hardly necessary and St. Alphonsus clearly rebukes people for this in his most excellent work, The True Spouse of Christ:

“St. Dorotheus says: “Beware of too much speaking, for it banishes from the soul holy thoughts and recollection with God.” Speaking of religious that cannot abstain from inquiring after worldly news, St. Joseph Calasanctius said: “The curious religious shows that he has forgotten himself.” It is certain that he who speaks too much with men converses but little with God, for the Lord says: I will lead her into the wilderness, and I will speak to her heart. If, then, the soul wishes that God speak to its heart, it must seek after solitude; but this solitude will never be found by religious who do not love silence.” If,” said the Venerable Margaret of the Cross, “we remain silent, we shall find solitude.” And how will the Lord ever condescend to speak to the religious, who, by seeking after the conversation of creatures, shows that the conversation of God is not sufficient to make her happy? Hence, for a nun that delights in receiving visits and letters, in reading the newspapers, and in speaking frequently of the things of the world, it is impossible to be a good religious. Every time that she unnecessarily holds intercourse with seculars, she will suffer a diminution of fervor.”

You might ask: “Could not this way of viewing media then be applied to all shows?” The answer is no! Most shows are evil in themselves whether or not you fix your eyes on bad scenes. And the objects of discussion on those shows are often the cause of it being sinful, for it is vain, foolish or against God. News on the other hand is not unless you deliberately choose to delve in bad news or shows, such as celebrity news or celebrity shows such as ‘Idol’ and the like which is mortally sinful and complete and utter foolishness to watch and take delight in. For it is idol making of weak human beings. It’s truly sickening to behold how people worship worldly fame along with sinful and weak human beings!

I will not make much mention of films or shows like Prison break, Heroes, 24, Matrix, Terminator, 300, X-men, Transformers, Spiderman and the like, etc. For there should be no need of explanation about these shows. They are all against God, they are all based on breaking God’s commandments and doing evil or violence, or enjoying others doing evil or violence. Whether or not the world or you claim it’s about good vs evil doesn’t matter, for these shows in themselves are totally fruitless, often extremely violent, condoning crimes and sins, and often compels the viewer to agree or disagree with the actions of the characters, which more then often are more bad actions then ‘good’ if it is even possible to call them good. Every time you agree with or fail to disagree with something which obviously is against God, you committed sin!When you watch films or shows for pleasure which have the characters doing crimes and sins, you do in fact agree with them by your continual deed of watching and by your failure in renouncing it in the very same way a politician that is speaking against abortion would be a pro-abortionist when continually voting for allowing abortion. Thus, you are in fact in favor of evil by not denouncing and renouncing it completely!

Ask yourself, is it fitting for a child of God to take delight in such nonsense? Would God approve of these evil shows? Watching shows like this will only serve to stir you up towards wanting to watch more worldly and ungodly shows. Shows with much violence, superpowers, magic and fighting are the most dangerous since they excite our flesh and body in a false sensation or thrill exceedingly much. A person who does not cut this off from himself will lose his soul!

There are so much blasphemy, adultery, lust, pride, vanity, immodest clothing, idol-making of mortal human beings, greed, gluttony and sinful deeds and speech among countless other sins in today’s media, that it is a real abomination and sickening to behold! It is in fact a real and eternal spiritual slaughter of billions of people – which is far more horrifying and lamentable than any physical slaughter will ever be – which we observe happening in real time without anyone lifting an eyebrow! However, their laughter will turn into an eternal sorrow after the very moment their death will come! Then every word of mockery and blasphemy will have its special torment in hell for all eternity to come. Learn to meditate on Hell daily and you will not hesitate one second to quit watching evil and ungodly media!

VIDEO GAMES

Almost every kind of game that exists in our sad time has numerous mortally sinful things in them which make them impossible to play without going to hell. The younger generation especially, but also older people, is so perverted and drugged by these new games that they seem to live for nothing else!

Firstly, there are the countless games who have a person going around killing or hurting other humans or creatures for fun; for example, Counter-Strike, Halo, Grand Theft Auto, Starcraft, Modern Warfare, Gears of Wars, Tekken, etc. To play such a game is not only sick but abominable. Think about it: to play a game for fun or pleasure which is constituted of the murder or hurt of another being!

God solemnly declares that he will judge our every thought, how much more then will he judge our deeds? When we in our mind take delight and enjoy killing or hurting other beings, God takes this as an act in the very same way as he judges us as murderers if we hate our brother, or, as an adulterer if we look at a woman with lust in our heart. What then will God judge you to be when you in your heart love abominable things?

Secondly, there is the constant danger of hate, uncontrollable wrath, and pride in games when it doesn’t go as people would like it to go, and this is more true when playing games online. For when people think of themselves that they are good in the game they play, they are puffed up and deceived into thinking that this victory in a worthless game actually makes them someone. This is truly pathetic! But if someone then beats them, their pride and arrogance gets hurt, and they get mad, angry and wroth. Who have not had experience of this in online-gaming? Sure, these things happen on single player games as well but it isn’t as common. Online games are by far the worst and sinful of all the games, since they not only affects you, but the others you play with as well. Do you understand now why online games are the most dangerous of all the games? Do you realize now that every person you have affected by your gaming will demand just vengeance over you, unless you blot these sins out by penance, repentance and confession? Giving others a bad example and being the cause or accessory of another person’s damnation is the worst of all the sins one can be guilty of in this life. Every single thought, word, and deed will be carefully judged and avenged the moment you die. You cannot hide from death.

Thirdly, there are countless of games who try to display magic and the occult as not only acceptable but even good and praiseworthy; for example, World of Warcraft, Diablo, Oblivion, etc. Yes in those games, one is even awarded by magic and occult themes for murdering or hurting the opponent. Eternal Hell will be the home of all you who plays such games, for they are all against God, they are all based on breaking God’s commandments and doing evil and violence, or enjoying others doing evil and violence. Whether or not you or the world say its good vs evil, or whether it be humans or monsters you are murdering or hurting, does not change the fact that the games in themselves are totally evil and fruitless, often extremely violent, and as with movies, often compels the player to take actions, agree or disagree with occurrences, which in godly terms are unacceptable and abominable. Playing these games will only serve to stir you up towards wanting to play more. Games with much violence and fighting, or with the ability of sinning in pride by show-offs, or with much usage of magic-powers of the occult, or with the ability to achieve personal fame in a fantasy land, or the show-off with skills, as with online-games, are all the most dangerous since they serve to stir up the flesh and body the most in a false and unholy fire of pleasure and thrill. A person that doesn’t cut this off from himself will in fact lose his soul!

PRO-SPORTS

Pro-sports may seem to have no sin in it, but countless of mortal sins will be exposed when one examines it carefully:

First, almost every kind of pro-sports supports the mortal sin of gambling, and it is just a fact that these teams or players get a large portion of their pay-check from gambling. Pro-sports is in fact one of the biggest, if not the biggest generator of the mortal sin of gambling, which has destroyed countless of families and lead millions of poor souls to despair, suicide and hell. Thus, those who watch these games, watch people who are getting paid for supporting and making the mortal sin of gambling exist. To enjoy the eternal soul killing of other human beings is a clear cut mortal sin.

Second, almost every kind of pro-sport is played on Sundays which is a clear mortal sin since it is a work for these players and they get a pay-check from it. Therefore, they are breaking one of God’s Ten Commandments, and there is no excuse for such things. It is a clear mortal sin to enjoy someone committing mortal sin.

Third, as we can see from the Book of the Machabees, the Jewish people neglected the divine worship in order to attend to different sport festivities at the arena. This is now prophetically fulfilled in many people who call themselves Catholic. For instead of praying the Rosary, reading the word of God and playing with and educating their children in good Christian morals as the Sunday is intended for, they watch these sinful games while placing their children in front of another TV set, neglecting their spiritual well being. Many saints teach that sports in of itself is no sin – which it of course isn’t – but when it becomes too serious and more than a fun game between friends or when one take too much delight in it or makes too big thing of that which has no value, then they unanimously teach that it becomes sinful.

St. Francis de Sales- “Sports, plays, festivities, etc, are not in themselves evil, but rather indifferent matters, capable of being used for good or ill; but nevertheless they are dangerous, and it is still more dangerous to take great delight in them.”

St. Francis de Sales- “Walking, harmless games, music, instrumental or vocal, field sports, etc., are such entirely lawful recreations that they need no rules beyond those of ordinary discretion, which keep every thing within due limits of time, place, and degree. So again games of skill, which exercise and strengthen body or mind, such as tennis, rackets, running at the ring, chess, and the like, are in themselves both lawful and good. Only one must avoid excess, either in the time given to them, or the amount of interest they absorb; for if too much time be given up to such things, they cease to be a recreation and become an occupation; and so far from resting and restoring mind or body, they have precisely the contrary effect. After five or six hours spent over chess, one’s mind is spent and weary, and too long a time given to tennis results in physical exhaustion; or if people play for a high stake, they get anxious and discomposed, and such unimportant objects are unworthy of so much care and thought. But, above all, beware of setting your heart upon any of these things, for however lawful an amusement may be, it is wrong to give one’s heart up to it. Not that I would not have you take pleasure in what you are doing,—it were no recreation else,—but I would not have you engrossed by it, or become eager or over fond of any of these things.”

Fourthly, people are spending billions of dollars on something that is supposed to be a game of fun. They have made a worthless game which holds no significance whatsoever, to become something serious. Think about it. People say: This or that person runs so and so fast or won this or that game. And people think about it as though it is some kind of achievement worthy of praise, when it in fact is saddening and abominable since it leads souls to hell. It is grown people valuing a worthless game or sport as something that holds significance or value: it is truly pathetic. They waste their money and time on this filth when they could be trying to help souls that are falling daily to the eternal fire in hell.

“And so the human heart which is cumbered with useless, superfluous, dangerous clingings becomes incapacitated for that earnest following after God which is the true life of devotion. No one blames children for running after butterflies, because they are children, but is it not ridiculous and pitiful to see full-grown men eager about such worthless trifles as the worldly amusements before named, (SPORTS, balls, plays, festivities, pomps), which are likely to throw them off their balance and disturb their spiritual life.” (St. Francis de Sales, Introduction into the Devout Life)

Fifthly, most of the different athletes or players are very immodestly dressed in clothes that are absolutely abominable for God since they are tight and reveal so much flesh. Only a few hundred years ago, women would have been arrested and jailed for wearing the clothes that athletes or players wear now. To watch any game or sport that supports or condones the five reasons mentioned above is totally sinful and any honest person who has not refused to meditate on hell and who realizes that it is possible that he or she may go to hell will agree as long as he thinks about this issue in a rational and calm manner. Don’t allow your dependency on sports to trivialize clear cut mortal sins that are acted out in front of everyone. Repent before it is too late!

ON MUSIC

It is just a fact that all kinds of popular music are mortally sinful trash that is made by the Devil for the sole reason to drag your soul to an eternal hell fire. There will be countless of impure suggestions toward sin along with a rejection of any kind of morality and decency. Popular music praises sin, and oftentimes speak against God and morality. In short, it contains the same errors and sins that worldly media have, such as: immodest clothing, adultery, blasphemy, foul language and cursing, greed, fornication, make-up, vanity, gloating, magic, occultism, acceptance of false religions, idol-making of mortal humans etc… and are many times even worse. Popular songs that doesn’t praise the idolatry and worship of man is hard to find today, and its even harder today to find popular songs which does not praise or worship sin and worldliness as norm. But worse still are the music-videos. A person cannot even listen to these songs without grave sin, but how much more then does a person sin when watching these sinful music-videos with half naked women/men worshiping sin and the occult by deed and example? This is sadly what many of your children are watching daily on the TV you have given them! You must reject this evil music entirely and not accept this to be played in your home.

Not all music are bad or sinful, you can for example listen to religious music, instrumental music, classical music or other music in line with decency and morals. But the highest good is of course not to listen to music at all. Giving up one’s own will is always the highest good.

The best music which one may listen to is of course religious music, since it draws your mind and heart toward our Lord Jesus Christ, Mary, the joy of Heaven, etc.

The next best music which one may listen to is classical music and instrumental music where no singing is involved, for this will not affect your mind toward worldly things as worldly songs always otherwise do.

The worst kind of music one could listen to is music which sings about worldly affairs. A person that listens much to music should avoid listening to worldly songs, otherwise he or she will be drawn toward these worldly things and affairs which are sung about. It is also very necessary to test yourself if you are addicted to music in any way, even totally acceptable music. This is easily done by going a few days without music so that you can test if some withdrawal symptoms effect you. All addictions of earthly things are evil and effect the soul in a harmful way. Just because you don’t see or understand the effect doesn’t mean that it isn’t happening. Spiritual sloth and depression among other things are common attributes of an addiction to media or music.

The effects from the wrong kind of music, and secular songs are very dangerous. There are numerous quotes from the secular world that can be brought forth to prove this point.

“Music directly represents the passions of states of the soul-gentleness, anger, courage, temperance…if one listens to the wrong kind of music he will become the wrong kind of person…” (Quote from Aristotle)

Brain specialists, Dr. Richard Pellegrino declared that music has the uncanny power to “…trigger a flood of human emotions and images that have the ability to instantaneously produce very powerful changes in emotional states.” He went on to say: “Take it from a brain guy. In 25 years of working with the brain, I still cannot affect a person’s state of mind the way that one simple song can.”

Dr. Allan Bloom is quite correct when he asserts that “popular music has one appeal only, a barbaric appeal, to sexual desire… but sexual desire undeveloped and untutored … popular music gives children, on a silver plate, with all the public authority of the entertainment industry, everything their parents always used to tell them they had to wait for until they grew up … Young people know that rock and popular music has the beat of sexual intercourse … Never was there such an art form directed so exclusively to children…(Every Catholic should understand that masturbation is a clear mortal sin!) The words implicitly and explicitly describe bodily acts that satisfy sexual desire and treat them as its only natural and routine culmination for children who do not yet have the slightest imagination of marriage or family.” (Dr. Allan Bloom, Closing of the American Mind, pp. 73-74).

Dr. Allan Bloom: “Today, a very large proportion of young people between the ages of 10 and 20 live for music. It is their passion; nothing else excites them as it does; they cannot take seriously anything alien to music. When they are in school and with their families, they are longing to plug themselves back into their music. Nothing surrounding them – school, family, church – has anything to do with their musical world. At best that ordinary life is neutral, but mostly it is an impediment, drained of vital…”

Dr. Paul King, medical director of the adolescent program at Charter Lakeside Hospital, in Memphis, TN, says more than 80% of his teen patients are there because of rock music. Dr. King says, “the lyrics become a philosophy of life, a religion.”

To allow yourself or your children to have any kind of music like rock, pop, rap, techno, trance, or any kind of music that is even remotely similar to this is mortally sinful and really idiotic when presented with these facts. Billions of souls are burning now as we speak in the excruciating fire of hell since they refused to stop listening to bad and sinful music! You will have your children eating your heart out for all eternity in hell, because of the violent hatred they will have against you, since you could have hindered them in their sin, but refused to do so.

ON BOOKS

“Bad books will abound over the earth, and the spirits of darkness will everywhere spread universal relaxation in everything concerning God’s service…” (Prophecy of La Salette, 19th of September 1846)

According to Catholic Prophecy, bad books would dominate in the end, and we can now see this happening right in front of our eyes with the worldly school system and with worldly evil books like the Harry Potter series which teaches kids that magic and the occult is something good and praiseworthy to do or enjoy. Magic is an abominable mortal sin which was rightly punished by execution when the Catholic Faith was in control of Europe and South America. But now, blinded “Catholics” not only tell their kids that being a magician or an occultist is fine, they also buy these books to their kids. Think about it: If someone made a game on how to make contact with demons and on top of this sold this for your children to play with in stores, then every Christian would be appalled, for every Christian know that making contact with demonic spirits are possible. Yet, many parents let their children read filth or watch movies which portray magic and channeling with demonic spirits as normal and good.

Believe it or not, the example used has now in fact become a reality because of parents as yourself, whom says that bad is good and good is bad. Satan has no limit, he would do even worse if the world or God would allow him. Sadly, as time goes on however, worse things will become a norm.

Ouija board a controversial toy for tots

Toys R Us is selling Ouija boards, promoting them as acceptable for children as young as eight years old.

The pink edition of the Ouija board is listed for girls eight-years-old and up while the regular version is designated for all children eight and up. Stephen Phelan, communications manager of Human Life International, checked the website and reports that the findings are disturbing.

“It is just troubling that these things are treated as casually as any other game, like Monopoly or anything else on this Toys R Us site — and I think it’s something Christians should be aware of and really not support,” he states.

“If you go to the comments section on the Toys R Us [web]site, you’ll read comments from people who talk about being obsessed with it, talk about missing school for it, talk about the spirits they spoke to on the other side and how creepy it was,” Phelan describes.

The communications manager adds that the primary groups that deny the evils of the Ouija board are the ones who deny the spirit world entirely. He goes on to say Christians have a biblical mandate.

“We’re supposed to deal with the truth only,” he notes. “We’re supposed to have nothing to do with dark spirits. We’re not supposed to dabble in anything that would compromise our souls, and that’s exactly what this does.” The manufacturer of the product is Hasbro.

Lord of the Rings is another famous book series which presents magic, occultism, fairy tales and fables as something good and praiseworthy but is in reality just another abomination before the Lord. Sadly, many “Catholics” refuses to accept these facts and still believes that Lord of the Rings is good or even Catholic. You can fool yourself, but you cannot fool God!

“For there shall be a time, when they will not endure sound doctrine; but, according to their own desires, they will heap to themselves teachers, having itching ears: And will indeed turn away their hearing from the truth, but will be turned unto fables.” (2 Timothy 4:3-4)

St. Teresa even confessed that reading books which in themselves was not evil, was still a beginning of great harm and lukewarmness on her part. What then are one to say about evil media, evil video games and sinful stinking books? A person cannot do these things without becoming completely lukewarm and cold in the service of God exactly as it also happened to the glorious St. Theresa, for those who always seek after worldly things are in fact diminishing in the fervor of God!

The following quote further proving this point was taken from the Life of St. Teresa- “What I shall now speak of was, I believe, the beginning of great harm to me. I contracted a habit of reading books; and this little fault which I observed was the beginning of lukewarmness in my good desires, and the occasion of my falling away in other respects. I thought there was no harm in it when I wasted many hours night and day in so vain an occupation, even when I kept it a secret from my father. So completely was I mastered by this passion, that I thought I could never be happy without a new book.”

Doesn’t this sound familiar? Don’t we all think as Teresa did, that we cannot be happy without our daily media, our evil movies and series, our bad video games or bad books? If the effect on this Saint was the start of a great harm, what then will it be for you, when what you do in comparison with her is infinitely more damaging and dangerous to your soul? How utterly stupid and foolish is it not to spend one’s time reading bad worldly books, when one can spend time reading good Catholic books about virtue that would edify soul, mind and body? You will find innumerable good Catholic books if you just look for them, one good place to start is here:http://www.catholic-saints.net/

“To a spiritual life the reading of holy books is perhaps not less useful than mental prayer. St. Bernard says reading instructs us at once in prayer, and in the practice of virtue. Hence he concluded that spiritual reading and prayer are the arms by which hell is conquered and paradise won…” St. Alphonsus

Burn every book, film or music album immediately which can be accounted to be sinful, and repent, do penance, and confess of this evil. As you would throw away poison in order that it may not be able to hurt yourself or your child, do the same here. Think about pleasing God first and not yourself or your child. Life is too short and Hell is too long and painful to refuse to follow God’s law.

HOME-SCHOOLING

For the Love of God, keep your children away from public school, (if that option is available for you) and the company of other bad men. You must do everything in your power to hinder the worldly school-system from indoctrinating your children, even going so far as moving from your country if your country forces public school on children. The responsibility of an eternal soul that is greater than the universe must not be lightly dealt with. If you can home-school your kids but doesn’t do it, then you really don’t care for the spiritual well being of your children. How can a Catholic parent with good conscience let his kids go to public school where he know they will be exposed to bad influences by other children, and brainwashed by teachings such as evolution and sexual education? Most of the things we learn in school is superfluous anyway and will never be needed. We are bombarded with unnecessary teachings that will occupy much of our time. This will lead souls to forget God and their own spiritual well being! The school system before was very different from today, for back then most states was Christian, and God and the Bible was not banned from school.

Will you allow your children to go to public school and go out with worldly or ungodly friends? Then sadly, you will in fact lose them to the world! God does not tell us as much as to be on guard against demons as with men (Matthew 10:17), for men are oftentimes more harmful to us then the devils are, for demons can be expelled by invoking the most holy names of Jesus and Mary, but man on the other hand cannot be expelled in the same way. And if a man tries to change his life, he will be reviled, despised, and called a most miserable fool, a good for nothing and a man of no education. Many weak souls sadly turn back to the vomit from such and like reproaches out of fear for the loss of human respect!

As Profecias e Revelações de Santa Brígida da Suécia – Livro 3

Avisos e instruções para o bispo sobre como comer e vestir e rezar e como ele deve comportar-se antes de refeições, em refeições, após as refeições e também sobre seu sono e como ele deverá efectuar o ofício do Bispo sempre e em toda parte.

Livro 3 – Capítulo 1

Jesus Cristo, Deus e Homem, que veio à terra para assumir uma natureza humana e salvar almas através de seu sangue, que divulgou o verdadeiro caminho de céu e abriu seus portões, ele próprio enviou-me a todos vós. Ouve, filha, tu a quem foi dado a ouvir verdades espirituais. Se este bispo se propõe a seguir o caminho estreito tomado por poucos e para ser um desses poucos, deixa-o primeiro deixar de lado a carga que o oprime e pesa-lhe para baixo – refiro-me a seus desejos mundanos – usando o mundo apenas para necessidades coerentes com o modesto sustento de um bispo. Trata-se do que esse homem bom Mateus fez quando ele foi chamado por Deus.

Deixando para trás a carga pesada do mundo, ele descobriu um fardo leve. Em segundo lugar, o bispo deve ser cingido, preparado para a viagem, para usar as palavras da escritura. Tobias estava pronto para sua viagem, quando ele descobriu o anjo lá de pé cingido. O que significa dizer que o anjo foi cingido? Isso significa que cada bispo deve ser cingido com o cinto da Justiça e Caridade Divina, pronto para seguir o mesmo caminho daquele que disse: “eu sou o bom pastor e eu entreguei minha vida por minhas ovelhas.” Ele deve estar pronto para falar a verdade nas suas palavras, prontos para executar a justiça em suas acções, tanto sobre si próprio e sobre outros, não negligenciar Justiça devido às ameaças e provocações, ou amizades falsas ou receios vazios. Para bispo assim cingido, Tobias, ou seja, os justos, deverão vir, e eles o seguirão em seu caminho.

Em terceiro lugar, ele deveria comer pão e água antes de ele empreenda a sua jornada, como podemos ler sobre Elias, que, acordado de seu sono, encontrou pão e água à sua cabeceira. O que é este pão dado ao profeta, se não os bens materiais e espirituais que lhe foram concedidos? Porque o pão material foi dado a ele no deserto como uma lição. Embora Deus pudesse ter sustentado o Profeta sem comida material, ele queria que o pão material fosse preparado para ele para que as pessoas pudessem compreender que fosse vontade de Deus que eles utilizassem as dádivas de Deus moderadamente para o alívio das necessidades do corpo. Além disso, uma infusão do espírito inspirou o profeta quando ele prosseguiu por quarenta dias com a força daquele alimento. Porque, se nenhuma unção interior da graça tivesse sido inspirada em sua mente, ele teria certamente desistido durante as dificuldades e tentações daqueles quarenta dias, porque, por si mesmo ele era fraco, mas em Deus, ele teve força para concluir tal viagem.

Por conseguinte, na medida em que o homem vive de cada palavra de Deus,imploramos que o bispo tome o bocado de pão, ou seja, amar a Deus acima de tudo. Ele vai encontrar esta bocado em sua cabeça, no sentido de que sua própria razão diz-lhe que Deus é para ser amado acima de tudo e antes de todas as coisas, tanto devido à criação e redenção e também devido à sua paciência e bondade duradouras. Nós o convidamos também a beber um pouco de água, ou seja, a pensar intimamente sobre a amargura da paixão de Cristo. Quem é digno de poder meditar sobre a agonia da natureza humana de Cristo, que ele estava sofrendo no momento em que ele rezou para o cálice da sua paixão ser afastado d’Ele e quando gotas de Seu sangue estavam escorrendo para o chão? O bispo deve beber desta água juntamente com o pão de caridade e ele será fortalecido para seguir o caminho de Jesus Cristo.

Assim que o bispo partir no caminho da salvação, se ele quiser fazer mais progressos, é útil para ele dar graças a Deus com todo seu coração desde a primeira hora do dia, considerando suas próprias acções cuidadosamente e pedindo ajuda a Deus para cumprir Sua vontade.

Em seguida, quando ele estiver se vestindo, ele deve rezar desta forma: “Cinzas devem ficar com cinzas , poeira com poeira. Porém, porque sou bispo por providência de Deus, eu estou colocando essas roupas feitas a partir do pó da Terra sobre ti, meu corpo, não pelo amor à beleza ou ostentação, mas como uma cobertura, para que sua nudez não possa ser vista. Não me importa se teu vestuário é melhor ou pior, mas apenas que o hábito do Bispo deve ser reconhecido por reverência a Deus e que através de seu hábito possa ser reconhecida a autoridade do Bispo para a correção e instrução dos outros. E, portanto, Deus amável, peço a vós que me deis firmeza de espírito para que eu não me orgulhe de minhas preciosas cinzas e poeiras e nem me glorifique tolamente nas cores de pura poeira . Concedei-me fortaleza para que, assim como o traje de um bispo é mais distinguido e respeitado do que outros devido a sua autoridade divina, o traje da minha alma pode ser aceitável diante de Deus, para eu não seja atirado às profundezas por ter exercido autoridade de maneira indigna e sem valor,para que eu não seja ignominiosamente despido por ter tolamente vestido meu traje venerável para minha própria condenação. »

Depois disso, ele deve ler ou cantar as horas. Quanto mais alta a posição à qual uma pessoa sobe , mais glória ela deve dar a Deus. No entanto, um coração puro apraz a Deus tanto em silêncio como no cantar, desde que uma pessoa esteja ocupada com outras tarefas justas e úteis. Após a missa for rezada, o bispo deve cumprir suas funções episcopais, tendo diligente cuidado não dar mais atenção a coisas materiais do que a espirituais. Quando ele vier à mesa de jantar, este deve ser seu pensamento: “Senhor Jesus Cristo, vós comandais que o corpo corruptível seja sustentado com alimentos materiais, ajudai-me a dar ao meu corpo o que precisa de forma que a carne não cresça vergonhosamente em insolência contra a alma devido ao comer supérfluo nem em preguiça e lerdeza no seu serviço devido a abstinência imprudente.

Inspirai em mim uma moderação adequada para que quando este homem da Terra alimenta-se com coisas da terra, o Senhor da terra não seja provocado à raiva, por sua criatura da Terra. » Enquanto à mesa, ao Bispo é permitido a ter o tipo de recreação moderada e conversa em que vaidade insensata é evitada e nenhuma palavra é proferida ou ouvida que possa oferecer aos ouvintes uma ocasião do pecado. Pelo contrário, deveria todos ser adequada e salutar.

Se pão e vinho estiverem faltando à mesa material, tudo perde seu sabor; da mesma forma, se boa doutrina e exortação estiverem ausentes da mesa episcopal e espiritual, tudo ali posto parece sem gosto para a alma. E assim, para evitar qualquer ocasião de frivolidade, algo deve ser lido ou recitado à mesa que pode ser de proveito para aqueles sentados ali. Quando a refeição é encerrada e a benção de ação de graças tiver sido rezada a Deus, o bispo deve planejar o que ele tem de fazer ou ler livros que podem provocar-lhe em direção à perfeição espiritual. Depois do jantar, porém, ele pode se entreter com os companhias de seu lar. No entanto, exatamente como uma mãe ao dar leite para o bebê unta seus mamilos com cinzas ou alguma outra substância amarga até que ela desmame gradualmente o bebê e o acostume a alimentos sólidos, assim também o bispo deverá colocar os seus companheiros mais próximos a Deus através do tipo de conversa em que eles possam vir a temer e amar a Deus, tornando-se desta forma não só seu pai através da autoridade divina nele, mas também sua mãe através da formação espiritual que lhes dá.

Se ele estiver claramente consciente de que qualquer pessoa em seu lar está no estado de pecado mortal e não se arrependeu apesar de advertências, então, ele deve separar-se dele. Se ele lhe retiver por conveniência e consolação temporais, ele não estará imune do pecado do outro. Quando ele for para cama, ele deve examinar cuidadosamente os atos e impressões do dia que passou, com os pensamentos seguintes: ‘ Ó Deus, criador do meu corpo e alma, assisti-me na sua misericórdia.

Concedei-me vossa graça, para que eu não fique morno e indiferente no seu serviço pelo muito dormir nem fique fraco no seu serviço devido ao sono perturbado, mas concedei-me, para vossa glória, essa medida de sono que prescrevestes para nós para dar o descanso ao corpo. Dai-me fortaleza para que meu inimigo, o diabo, não possa perturbar-me, nem arrastar-me para longe de sua bondade. » Quando ele se levantar do leito, ele deve enxaguar em confissão quaisquer lapsos que pode ter sofrido a carne, para que o sono da noite seguinte não possa começar com os pecados da noite anterior.”

Palavras da Virgem para sua filha sobre a solução oportuna para as dificuldades que o bispo encontrará no caminho estreito, e sobre como a paciência é simbolizada pelo vestuário e os dez mandamentos, por dez dedos, e o desejo de eternidade e a aversão pelas coisas mundanas por dois pés, e sobre três inimigos para o bispo em seu caminho.

Livro 3 – Capítulo 2

Novamente a mãe de Deus fala: “Dize ao bispo que, se ele partir por este caminho, ele irá encontrar-se com três dificuldades. A primeira dificuldade é que é um caminho estreito; o segundo, que não existem espinhos pontiagudos nele; o terceiro, que é um caminho rochoso e desnivelado. Dou-lhe três conselhos nesta matéria. A primeira é que o bispo deverá vestir roupas robustas e firmemente tecidas em preparação para o caminho estreito. A segunda é que ele deveria manter seus dez dedos na frente de seus olhos e olhar através delas, como através de grades para não se ser arranhado pelos espinhos.

A terceira é que ele deve caminhar cautelosamente e testar cada e todo passo que ele der para ver se o seu pé obtém uma posição firme quando ele o firmar no chão, e ele não deve apressadamente pôr ambos os pés ao mesmo tempo sem primeiro assegurar-se das condições do caminho. Este caminho estreito simboliza senão a malícia do povo malvado em relação aos justos, o tipo de pessoas que despreza atos corretos e perverte os caminhos e avisos retos dos justos, que dá pouco valor a qualquer coisa relacionada a humildade e piedade. Para enfrentar essas pessoas, o bispo deve vestir-se em traje de paciência firme, uma vez que paciência torna encargos agradáveis e alegremente aceita os insultos que recebe.

Os espinhos simbolizam nada mais do que as dificuldades do mundo. Para confrontá-los, os dez dedos dos mandamentos e conselhos de Deus e devem ser mantidos para que, quando o espinho de provações e pobreza o arranharem, ele possa lembrar-se do sofrimento e a pobreza de Cristo. Quando o espinho da ira e da inveja o arranharem, ele deve lembrar-se do amor de Deus que nós somos ordenados a guardar. O verdadeiro amor não insiste em obter o que é seu mesmo, mas abre-se inteiramente para a glória de Deus e ao benefício do próximo.

Que o bispo deve caminhar cautelosamente significa que ele deva ter toda uma atitude de prudência inteligente em todo lugar. Porque uma boa pessoa deve ter dois pés, por assim dizer. Um pé é um desejo de eternidade. A outra é uma aversão pelo mundo. Seu desejo de eternidade deve ser cauteloso, no sentido de que ele não deve desejar coisas eternas para si próprio sozinho como se ele fosse digno delas; ao contrário, ele deve colocar todos os seus afetos e desejos, bem como sua recompensa nas mãos de Deus. Sua aversão para o mundo deve ser cautelosa e cheia de temor, no sentido de que esta aversão não deve ser resultado de suas dificuldades no mundo ou impaciência com a vida, nem deve ser pelo amor a uma mais vida calma ou sendo liberado de realizar trabalho benéfico para outros. Pelo contrário, só deverá ser o resultado de seu repúdio pelo pecado e seu desejo de eternidade.

Uma vez que estas três dificuldades forem superadas, eu avisaria o bispo sobre três inimigos no seu caminho. Como vês, o primeiro inimigo tenta assobiar nos ouvidos do Bispo para bloquear a sua audição. O segundo está na sua frente para arrancar seus olhos. O terceiro inimigo está a seus pés, gritando bem alto e segurando um laço para prender seus pés, quando ele os levantar do chão. O primeiro são aquelas pessoas ou aqueles impulsos que tentam afastar o bispo do caminho certo, dizendo: “ por que assumes tanto trabalho sobre ti mesmo e por que razão tornas teu caminho tão estreito? Vai, em vez disso, para o caminho verdejante onde tantas pessoas estão a andar. O que te importa como esta pessoa ou aquelas pessoas se comportam? Por que te incomodas a ofender ou censurar as pessoas que poderiam homenagear-te e gostar de ti ? Se eles não ofenderem a ti e aqueles perto de ti, por que te importas com o modo que vivem ou se ofendem a Deus? Se tu mesmo és um homem bom, por que te incomodas em julgar os outros? Melhor trocar presentes e serviços! Faze uso das amizades humanas para ganhar elogios e uma boa reputação durante tua vida. ”

O segundo inimigo quer cegar-te, como os filisteus fizeram a Sansão. Esse inimigo é beleza e pertences mundanos, vestuário suntuoso, as armadilhas da pompa, privilégios e favores humanos. Quando tais coisas são apresentadas a ti e agradam aos olhos, a razão é cegada, os mandamentos de Deus se tornam fracos e mornos, pecado é cometido livremente e, uma vez cometido, não é levado a sério. Portanto, quando o bispo tem um moderado suprimento de bens necessários, ele deve ficar contente. Pois todas as demais pessoas hoje em dia acham mais agradável a ficar com Sansão com o jugo do desejo em vez de amar a Igreja com uma disposição louvável para o ministério pastoral.

O terceiro inimigo grita bem alto , carrega um laço e diz: “ por que estás andando com tal cuidado e com a cabeça inclinada para baixo? Por que razão te humilhas tanto, tu que deves ser e poderias ser homenageado por muitas pessoas? Sê um sacerdote para te sentares entre aqueles da elite! Sê um bispo para seres homenageado por muitos! Avança a postos superiores para obteres melhor serviço e desfrutares de um maior descanso! Armazena um tesouro com os quais podes ajudar a ti mesmo, bem como a outros, e ser confortado por outros como retribuição, feliz onde quer que estejas! ”

Quando o coração torna-se inclinado a esses sentimentos e sugestões, a mente em breve dirige seus passos na direção de apetites terrenos e mundanos, levantando o pé como se fosse o pé do desejo mais imoral , com o que ele fica tão enredado na armadilha de cuidados mundanos que praticamente não consegue se elevar à consideração da sua própria miséria ou das recompensas e castigos de eternidade. Nem isso é surpreendente, pois a escritura diz que quem aspira à função de bispo deseja uma tarefa nobre para a honra de Deus. Agora, contudo, há muitos que querem as honras mas fogem à tarefa em que é encontrada a eterna salvação da alma. Por isso que este bispo deverá permanecer na posição que ele detém e não procurar uma mais elevada, até que Deus lhe queira dar outra.”

Uma explicação completa da Virgem ao bispo sobre como ele deve exercer o cargo episcopal para dar glória a Deus e sobre a dupla recompensa por ter cumprido sua missão de Bispo de forma verdadeira e sobre a dupla desgraça por tê-la exercido de maneira falsa, e sobre como Jesus Cristo e todos os Santos saúdam um verdadeiro e correto bispo.

Livro 3 – Capítulo 3

A mãe de Deus estava falando: “Gostaria de explicar ao bispo que ele deve fazer por Deus e o que dará glória a Deus. Cada bispo deve guardar sua mitra cuidadosamente em seus braços. Ele não deve vendê-la por dinheiro nem cedê-la a outros por amor a amizades mundanas nem perdê-lo através de negligência e falta de ardor. A mitra do Bispo significa nada mais do que a hierarquia episcopal e o poder de ordenar sacerdotes, para preparar a crisma, para corrigir quem se desvie do caminho e encorajar os negligentes por seu exemplo. Segurar sua mitra cuidadosamente nos seus braços significa que ele deveria refletir cuidadosamente sobre como e por quê ele recebeu seu poder episcopal, como ele o exerce e quais são os seus efeitos e suas finalidades.

Se o bispo examinasse como ele recebeu o seu poder, ele primeiro deverá verificar se ele desejou o episcopado para seu próprio interesse ou de Deus. Se fosse seu próprio interesse, então seu desejo era sem dúvida carnal; se foi por amor a Deus, ou seja, para dar glória a Deus, então seu desejo foi meritório e espiritual.

Se o bispo considerasse para qual finalidade recebeu o episcopado, então certamente era para que ele pudesse se tornar um pai para os pobres e um consolador e intercessor pelas almas, porque os bens do Bispo destinam-se ao bem das almas. Se seus meios são consumidos ineficazmente e desperdiçados de forma pródiga, então essas almas vão clamar por vingança sobre o servo injusto. Eu lhe direi a recompensa que virá por ter exercido o ministério de bispo. Será uma recompensa dupla, como diz Paulo, tanto corporal quanto espiritual.

Será corporal, porque ele é o vigário de Deus na terra e, portanto, é concedido a ele a honra divina por homens como um meio de honrar a Deus. No céu, será corporal e espiritual devido à glorificação do corpo e da alma, porque o servo estará lá com seu Senhor, devido tanto à forma como viveu como um bispo na terra quanto ao seu humilde exemplo pelo qual ele instigou os outros à glória de Deus juntamente consigo próprio. Todo aquele que tem a classificação e as vestes de um bispo, mas abandona o modo de vida episcopal, merecerá uma dupla desgraça.

Que poder do Bispo não deva ser vendido significa que o bispo não deve conscientemente cometer simonia ou exercer seu ministério pelo amor ao dinheiro ou aos favores humanos, ou para promover homens que sabe ser de mau caráter porque pessoas pediram-lhe para fazê-lo. Que a mitra não deva ser cedida a outros por causa de amizade humana significa que o bispo não deve dissimular os pecados dos negligentes ou deixar que aqueles quem ele pode e deve corrigir fiquem impunes, ou passar por cima dos pecados de seus amigos ignorando-os em silêncio devido à amizade mundana, ou tomar os pecados dos seus subordinados sobre as suas próprias costas, pois o bispo é sentinela de Deus.

Que o bispo não deve perder sua mitra por negligência, significa que o bispo não deve delegar a outros o que ele próprio deve e pode fazer mais proveitosamente, que ele não deverá, por amor a sua própria comodidade física, transferir para outros o que ele próprio é mais perfeitamente capaz de realizar, pois o dever do bispo não é descansar, mas trabalhar. Nem o bispo deve ignorar a vida e a conduta de quem ele delega as suas tarefas. Ao contrário disso, ele deve saber e analisar como cumprem a justiça e se eles se conduzem com prudência e sem cupidez em suas atribuições. Quero que saiba, também, que o Bispo, no seu papel como pastor, deve carregar um ramalhete de flores em seus braços para atrair ovelhas, tanto as próximas quanto as distantes, para correrem com prazer atrás de seu aroma.

Este buquê de flores significa as piedosas pregações do bispo. Os dois braços dos quais o buquê de pregação divina pendem são dois tipos de obras necessárias para um bispo, nomeadamente obras boas públicas e obras boas ocultas. Assim, as ovelhas próximas de sua diocese, vendo a caridade do bispo em suas obras e ouvindo-a nas suas palavras, darão glória a Deus através do bispo. Da mesma forma, as ovelhas distantes, ouvindo a reputação do bispo, vão querer segui-lo. Este é o mais doce ramalhete: não deve ter vergonha da verdade e da humildade de Deus, pregar a boa doutrina e praticá-la como se prega, ser humilde quando elogiado e devoto na humilhação de si próprio. Quando o bispo tiver viajado até o final deste caminho e atingir o portão, ele deve ter um presente em suas mãos para apresentar ao Rei das Alturas. Assim, pode ele ter em suas mãos um precioso vaso, um vaso vazio, para oferecer ao Rei das Alturas.

O vaso vazio a ser oferecido é o seu próprio coração. Ele deve lutar a noite e dia para que possa ser esvaziado de todos as vontades e o desejo de elogios efêmeros. Quando tal bispo é levado do Reino da glória, Jesus Cristo, verdadeiro Deus e Homem, virá para encontrá-lo juntamente com toda a legião de Santos. Então ele ouvirá os anjos dizendo: “nosso Deus, nossa alegria e todo o bem! Este bispo era puro no corpo, firme na sua conduta. É benéfico que devamos apresentá-lo a Ti, pois ele ansiava por nossa companhia todos os dias. Satisfaze seu desejo e aumente a nossa alegria pela sua vinda! ” Em seguida, também, outros Santos vão dizer: “ Ó Deus, nossa alegria é tanto de Ti como em Ti, e precisamos de mais nada.

No entanto, nossa alegria é elevada pela alegria da alma deste bispo que ansiava por Ti, enquanto ele estava ainda conseguia ansiar por Ti. As doces flores de seus lábios aumentaram nossos números. As flores de suas obras consolavam aqueles que viviam longe e perto. Portanto, deixa-o alegrar-se conosco, e rejubila-Te por ele, por quem ansiavas-te tanto quando morreste por ele. ” Finalmente, o Rei da glória dirá a ele: “ amigo, vieste apresentar-me teu coração esvaziado de sua vontade egoística. Portanto, irei preencher-te com a minha alegria e glória. Minha felicidade tua e tua glória em mim nunca cessará.”

Palavras da mãe, para sua filha sobre a cobiça dos bispos maus; ela explica em uma parábola longa que muitas pessoas através de suas boas intenções atingem a classificação espiritual que bispos incontinentes rejeitam apesar de terem sido chamados a ele num sentido físico.

Livro 3 – Capítulo 4

A mãe de Deus fala à noiva do Filho, dizendo: “você está chorando porque Deus ama tanto as pessoas, mas as pessoas amam a Deus tão pouco. É por isso. Onde, na verdade, está esse governante ou bispo que não cobiça seu ministério para obter honras mundanas e riqueza, mas, ao contrário, deseja-o para ajudar os pobres com suas próprias mãos? Já que reis e bispos não querem vir para o festim de casamento preparada para todos nos céus, os pobres e os fracos virão em seus lugares, como eu lhe mostrarei por meio de um exemplo.

Em uma determinada cidade vivia um sábio, bonito, e rico bispo, que foi elogiado pela sua sabedoria e bela aparência, mas não, como deveria, render graças a Deus que lhe tinha dado essa própria sabedoria. Ele foi elogiado e homenageado para sua riqueza, também, e ele entregou numerosos presentes visando a favores mundanos. Ele ansiava por mais bens ainda para ser capaz de dar mais presentes e ganhar maior homenagens. Este bispo tinha um sacerdote culto na sua diocese que pensava consigo próprio do seguinte modo: “ este bispo”, disse ele,” ama a Deus menos que ele deveria. Sua vida toda tende em direção ao mundano.

Portanto, se é agradável a Deus, gostaria de ter seu episcopado para dar glória a Deus. Eu não o desejo por razões mundanas, vendo que essa honra mundana é nada mais do que ar vazio, nem por razões de riqueza, que é tão pesada quanto o mais pesado dos fardos, nem por razões de descanso e conforto físicos , pois só preciso de um montante razoável de descanso para manter meu corpo apto para o serviço de Deus. Não, eu o desejo pelo amor de Deus sozinho. E, embora seja indigno de qualquer honra, ainda, para ganhar mais almas para Deus e beneficiar as pessoas mais pela minha palavra e por meu exemplo e para apoiar a mais pessoas através das receitas da Igreja, gostaria de bom grado de assumir a trabalhosa tarefa de ser bispo.

Deus sabe que eu preferiria morrer uma morte dolorosa ou suportar dificuldades amargas do que estar na hierarquia de bispo. Estou tão suscetível a sofrer como meu próximo, mas, ainda assim, quem aspira ao ministério de bispo deseja uma tarefa nobre. Por esta razão, eu prontamente desejo o honroso título de bispo juntamente com as obrigações pesadas de um bispo, embora faço da mesma forma com que desejo a morte. Eu desejo a honra como forma de salvar mais almas. Eu desejo esse encargo para minha própria salvação e para mostrar o meu amor por Deus e as almas. Desejo esse ministério unicamente para poder distribuir os bens da Igreja para os pobres mais generosamente, para instruir as almas mais clara e abertamente , para instruir aqueles no erro com mais coragem, para mortificar minha carne mais completamente, exercer auto-controle mais assiduamente como exemplo a outros. ”

Este cônego, com prudência, reprovou seu bispo em privado. No entanto, o bispo levou-o a mal e envergonhou o sacerdote em público, imprudentemente gabando-se de sua própria competência e a moderação em tudo. O cônego, no entanto, entristecido com as impropriedades do bispo, suportou os insultos com paciência. Mas o bispo ridicularizou a caridade e a paciência do cônego e falou contra ele, tanto que ao cônego foi dada a culpa e foi considerado um tolo mentiroso, enquanto o bispo foi visto como sendo justo e perspicaz.

Depois, com o passar do tempo, o bispo e o cônego faleceram e foram chamados ao julgamento de Deus. À sua vista e na presença dos anjos, um trono dourado apareceu com a mitra e as insígnias de um bispo perto do trono. Um grande número de demônios estavam seguindo o cônego, desejosos de encontrar alguma falha fatal nele. Quanto ao bispo, sentiram certeza de tê-lo como uma baleia que mantém seu filhote no seu ventre no meio as ondas. Houve muitas acusações arrasadoras contra o bispo; por que razão e com que intenção ele assumiu o ministério de bispo, por que ele cresceu em orgulho sobre os bens intencionados para as almas, da forma que ele dirigiu as almas confiadas a ele, de que forma ele havia respondido à graça que Deus lhe dera.

Quando o bispo não pôde dar nenhuma resposta justa para as acusações, o juiz respondeu: “ponha excrementos sobre a cabeça do bispo, em vez de uma mitra e piche em suas mãos em vez de luvas, lama sobre seus pés em vez de sandálias. Ao invés de camisa de bispo e vestuário de linho, coloque os trapos de uma prostituta sobre ele. Deixe-o ter vergonha em vez de honra. Em vez de um comboio de servos, deixe-o ter uma ralé enfurecida de demônios.” Em seguida, o juiz acrescentou: “coloque uma coroa tão radiante como o sol na cabeça do cônego, luvas douradas em suas mãos, calçados em seus pés. Deixe-o vestir as roupas de um bispo com toda honra.”

Vestido de seu traje episcopal, rodeado de uma hoste celestial, ele foi apresentado ao juiz como um bispo honrado. O bispo, no entanto, saiu como um ladrão com uma corda ao redor de seu pescoço. À vista dele, o juiz desviou seus olhos misericordiosos como fizeram todos os seus Santos com ele.

É a forma em que muitas pessoas através de suas boas intenções e em um sentido espiritual atingem a classificação de honra desprezada por aqueles que foram chamados a ele num sentido físico. Tudo isto realizou-se instantaneamente diante de Deus, embora, por amor a ti, foram encenados em palavras, porque mil anos são como uma única hora diante de Deus. Acontece todos os dias que, na medida em que bispos e governantes não querem ter o ministério a que eles foram chamados, Deus escolhe para si próprio pobres sacerdotes e servidores de paróquia que, vivendo de acordo com sua própria e melhor consciência, gostariam de ser benéficos para almas para a glória de Deus se eles pudessem, e fazem o que podem. Por esse motivo, eles tomarão os locais preparados para os bispos.

Deus é como um homem que pendura uma coroa dourada do lado de fora da porta da sua casa e grita ao que passa: “qualquer pessoa de qualquer posição social permanente pode ganhar esta coroa! Quem for mais nobremente vestido em virtude irá obtê-la”. Sei que se bispos e governantes são sábios em sabedoria mundana, Deus é mais sábio do eles num sentido espiritual, porque ele eleva os humildes e não dá a sua aprovação para o orgulhoso. Também sabe tu que este cônego que foi elogiado não teve de enfeitar o seu cavalo quando ele foi para pregar ou realizar as suas funções, nem ele teve que acender o fogo quando ele estava prestes a comer.

Não, ele teve os servidores e os meios que ele necessários para viver em uma forma razoável. Ele tinha dinheiro, também, embora não para uso próprio ganancioso, nem mesmo se ele tivesse toda a riqueza do mundo poderia ele ter dado um único tostão para se tornar bispo. Mas nem por todo o mundo ele se recusaria a se tornar bispo se fosse vontade de Deus. Ele deu sua vontade a Deus, pronta a ser honrado para a honra de Deus e pronto para ser rebaixado por puro amor e temor de Deus.”

Palavras de Ambrósio, para a noiva sobre a oração de pessoas boas pelo o povo; governantes do mundo e a Igreja são comparados com timoneiros, enquanto orgulho e o resto dos vícios são comparados com tempestades, e a passagem para a verdade é comparada a um porto seguro; também, sobre a chamada espiritual da noiva.

Livro 3 – Capítulo 5

Está escrito que os amigos de Deus clamaram uma vez, pedindo a Deus romper os céus e descer para libertar seu povo de Israel. Nestes dias, também, amigos de Deus clamaram dizendo: “Deus bondosíssimo, podemos ver inúmeras pessoas perecendo nas tempestades perigosas, pois seus timoneiros são gananciosos e estão sempre desejosos de desembarcar nos países onde eles pensam que irão obter um lucro maior. Conduzem as pessoas em direção a lugares onde há uma enorme arremeter de ondas, enquanto as próprias pessoas não conhecem qualquer refúgio seguro. Porque este povo incontável está, portanto, em perigo terrível e muitos poucos deles sequer alcançam seu porto seguro adequado. Suplicamos que vós, Rei de toda a glória, graciosamente ilumineis o porto seguro para que vosso povo possa escapar de seu perigo, sem ter que obedecer aos malvados timoneiros mas sendo levado ao refúgio por vossa luz abençoada”.

Por estes timoneiros, quero dizer todos aqueles que exercem poder temporal ou espiritual no mundo. Muitos deles adoram tanto sua própria vontade que eles não se incomodam com as necessidades das almas sob seus cuidados ou com as tempestades violentas do mundo, pois eles estão com seu próprio livre arbítrio apanhado por tempestades de orgulho, ganância e impureza. A população infeliz e miserável imita seus atos, pensando que estão numa via reta. Desta forma, os governantes trazem seus súditos e a si próprios à perdição ao seguirem cada desejo egoísta. Por porto seguro ou refúgio, quero expressar a passagem à verdade.

Para muitas, esta passagem tornou-se tão escura que quando alguém lhes descreve como chegar ao porto da sua pátria celestial pelo caminho do Sagrado Evangelho de Cristo, então o chamam de mentiroso e, em vez disso, seguem os caminhos de quem se atola e refestela em cada pecado, em vez de confiar nas palavras dos que pregam a verdade do Evangelho.

Pela luz suplicada pelos amigos de Deus, quero expressar uma revelação divina feita no mundo a fim de que o amor de Deus seja renovado no coração humano e sua justiça não seja esquecida ou negligenciada. Portanto, devido à sua misericórdia e às orações dos seus amigos, agradou a Deus chamá-lo no Espírito Santo para que você espiritualmente possa ver, ouvir e compreender a fim de que você possa revelar aos outros o que você ouvir no Espírito de acordo com a vontade de Deus.”

Palavras de Ambrósio para a noiva, oferecendo uma alegoria sobre um homem, sua esposa e seu empregada doméstica, e sobre como este adúltero simboliza um bispo perverso enquanto sua esposa simboliza a Igreja e sua empregada doméstica, o amor deste mundo, e sobre a sentença dura sobre os mais ligados ao mundo do que à Igreja.

Livro 3 – Capítulo 6

Sou o bispo Ambrósio. Estou aparecendo para você e falar com você em alegoria, porque o seu coração é incapaz de receber uma mensagem espiritual sem alguma comparação física. Uma vez, havia um homem ,cuja esposa com quem foi legalmente casado, era encantadora e prudente. No entanto, ele gostava mais da empregada doméstica do que sua esposa. Isto teve três consequências. A primeira é que as palavras e gestos da empregada o agradava mais do que as da sua esposa. A segunda é que ele vestia a empregada muito bem com roupas finas sem se importar que sua esposa estivesse vestida de andrajos comuns. O terceiro é que ele estava acostumado a gastar nove horas com a empregada e apenas a décima hora com sua esposa. Ele passou a primeira hora ao lado da empregada, divertindo-se ao olhar para sua beleza. Ele passou da hora segunda dormindo em seus braços. Ele passou a hora terceira fazendo alegremente trabalho manual pelo amor ao conforto da empregada.

Ele passou a hora quarta fazendo descanso físico com ela após exaustivo trabalho físico . Ele passou a hora quinta inquieto em sua mente e preocupando-se sobre como sustentá-la. Ele passou a sexta hora em repouso com ela, vendo agora que ela aprovou totalmente o que ele tinha feito por ela. Na sétima hora, o incêndio de luxúria carnal entrou nele. Ele passou a oitava hora satisfazendo toda sua luxúria com ela. Na hora nona ele negligenciou determinadas tarefas que ele, no entanto, teria gostado de realizar. Ele passou da hora décima fazendo algumas tarefas que ele não quis fazer. E apenas durante esta hora ele ficou com sua esposa. Um dos parentes de sua esposa veio ao adúltero e lhe acusou duramente, dizendo: “converta a afeição de seu coração na direção de sua esposa legítima. Ame-a e vista-a adequadamente e gaste nove horas com ela e apenas a décima hora com a empregada doméstica. Se não, cuidado, porque você morrerá uma morte súbita e horrível.”

Por esse adúltero a que me refiro, é alguém que possua o ministério de bispo para suprir a Igreja, mas, apesar disso, leva uma vida adúltera. Ele está associado à Santa Igreja em união espiritual para que ela seja sua noiva mais preciosa, mas ele retira seus afetos dela e ama o mundo servil muito mais do que sua nobre dama e noiva. Assim, ele faz três coisas. Em primeiro lugar, ele se alegra mais na adulação fraudulenta do mundo do que numa disposição obediente em direção a Santa Igreja. Em segundo lugar, ele ama enfeites mundanos, mas se interessa pouco sobre a falta de enfeites materiais e espirituais da Igreja. Em terceiro lugar, ele gasta nove horas com o mundo e apenas uma das dez com a Igreja Santa. Assim, ele gasta a primeira hora na em boa alegria, contemplando a beleza do mundo com grande satisfação.

Ele gasta a hora segunda dormindo docemente nos braços do mundo, isto é, no meio de suas fortificações elevadas e a vigilância de seus exércitos, alegremente confiante na segurança física por causa dessas coisas. Ele passa a terceira hora alegremente a fazer trabalho manual por amor a vantagens mundanas para que ele possa obter o prazer físico do mundo. Ele passa a quarta hora com prazer tendo descanso físico após seu esforço físico, agora que ele tem meios suficientes. Ele gasta a hora quinta inquieto em sua mente de maneiras diferentes, preocupado com como ele pode parecer ser prudente em matérias mundanas.

Durante a sexta hora que ele experimenta um agradável descanso de alma, vendo que pessoas em todo a parte aprovam o que ele tem feito. Na sétima hora, ele ouve e vê prazeres mundanos e abre sua luxúria para eles. Isso provoca um incêndio a arder impaciente e intoleravelmente no seu coração. Na oitava hora que ele realiza em atos o que antes tinha apenas sido sua ardente vontade. Durante a hora nona, ele omite por negligência determinadas tarefas que ele queria ter feito por motivos mundanos, para não se ofender aqueles para quem tem uma mera natural afeição. Na décima hora, ele executa sem alegria alguns atos bons, com medo de que ele possa cair no desprezo e ganhar má reputação ou receber uma pena severa, se por algum motivo, ele totalmente haja negligenciado em cumpri-los.

Ele é acostumado a gastar apenas esta décima hora com a Santa Igreja fazendo o bem não por amor mas por medo. Ele está, naturalmente, com medo de punição dos incêndios do inferno. Se ele pudesse viver para sempre no conforto físico e com abundância de bens mundanos, ele não se preocuparia em perder a felicidade do céu.

Por conseguinte, juro por Deus ,quem não tem nenhum começo e que vive sem fim, e afirmar com certeza que, a menos que ele retorne para a Santa Igreja em breve e gaste nove horas com ela e apenas a décima com a empregada, ou seja, com o mundo – não o amando, mas possuindo a riqueza e a honra do seu mandato episcopal com relutância e organizando tudo na humildade e razoavelmente para a glória de Deus – então a ferida espiritual em sua alma será tão grave como – fazendo uma comparação física – a ferida de um homem tão horrivelmente atingido na cabeça que seu corpo todo é destruído até a sola dos pés, com suas veias e músculos arrebentando e seus ossos esmagados e a medula fluindo terrivelmente em todas as direções.

Como duramente atormentado como parece o coração num corpo tão violentamente atingido na sua cabeça e as partes do corpo mais próximas à cabeça que as próprias solas de seus pés estarão com dor, embora sejam as mais distantes, igualmente e duramente torturada essa alma miserável aparecerá mais próxima ao impacto da Justiça Divina quando em sua consciência ver-se sendo terrivelmente ferido em cada lado.”

Palavras da Virgem à noiva comparando um bispo amante do mundo com um fole cheio de ar ou um caracol deitado na imundície, e sobre a sentença dada ao bispo, que é o precisamente o oposto do Bispo Ambrósio.

Livro 3 – Capítulo 7

A escritura diz: “Aquele que ama a sua própria alma neste mundo a perderá.” Agora este bispo amava a sua própria alma com todos os seus desejos e não havia nenhuma inclinação espiritual no seu coração. Ele também pode ser comparado a um fole cheio de ar junto de uma forja. Assim como existe ar sobrando no fole uma vez que os carvões são gastos e o metal candente está fluindo, assim também, embora este homem deu à sua natureza de tudo o que ela implora, inutilmente desperdiçando seu tempo, as inclinações mesmas ainda ficam-lhe como o ar no fole. Sua vontade está inclinada ao orgulho mundial e à luxúria. Devido a esses vícios, ele oferece um pretexto e um exemplo pecaminoso mesmo para pessoas com coração endurecido, que, desperdiçado em pecados, são escoados lá em baixo, para o inferno.

Esta não foi a atitude do bom bispo Ambrósio. Seu coração foi preenchido com a vontade de Deus. Ele comeu e dormiu com temperança. Ele expulsou o desejo de pecado e gasta seu tempo útil e moralmente, ele bem poderia ser chamado de um fole de virtudes. Ele curou as feridas do pecado com palavras de verdade. Ele inflamou quem se tornara frio no amor de Deus através do exemplo de suas próprias boas obras. Ele arrefeceu aqueles que estavam se queimando com desejos pecaminosos pela pureza da sua vida. Desta forma, ele ajudou muitas pessoas a evitar entrar na morte do inferno, pois o amor divino viveu nele enquanto viveu.

Este bispo, por outro lado, é como um caracol que se reclina na sua nativa nojeira e arrasta sua cabeça pelo chão. De forma semelhante, este homem se reclina e tem sua alegria na pecaminosa abominação, permitindo sua mente a se arrastar pelo mundano em vez de pelo pensamento de eternidade, eu o faria refletir sobre três coisas: Primeiro, a maneira em que ele tem exercido seu ministério sacerdotal. Segundo, o significado daquela frase do Evangelho: “possuem peles de ovelha mas são lobos ameaçadores no interior”. Terceiro, a razão por que seu coração arde para coisas temporais mas é frio em relação ao Criador de todas as coisas.”

Palavras da Virgem, para a noiva, sobre sua própria perfeição e excelência, e sobre os desejos desordenados de professores modernos e sobre sua falsa resposta à pergunta que lhes foi feita pela Virgem gloriosa.

Livro 3 – Capítulo 8

A mãe fala: “eu sou a mulher que esteve sempre no amor de Deus. Fiquei desde a minha infância inteiramente na companhia do Espírito Santo. Se você quiser um exemplo, pense como uma noz cresce. Sua casca exterior cresce e se alarga, enquanto seu cerne interior também amplia e cresce, para que a noz esteja sempre cheia e não haja espaço nela para nada de estranho. Da mesma forma, também, fiquei preenchida com o Espírito Santo desde a minha infância. Como meu corpo crescia e me tornei mais velha, do Espírito Santo me preencheu com tal abundância que não deixou a nenhum espaço em mim para qualquer pecado entrar. Assim, sou aquela que nunca cometeu o pecado venial ou mortal. Sou tão ardente com amor por Deus que nada mais me agrada do que cumprir a vontade de Deus, pois o fogo do amor divino incendiou meu coração.

Deus, abençoado acima de tudo para sempre, que criou-me através do seu poder e preencheu-me com o poder do seu Espírito Santo, tem um amor ardente por mim. No fervor do seu amor, ele me enviou seu mensageiro e deu-me compreender sua decisão de que eu devia tornar-me a Mãe de Deus . Quando percebi qual era a vontade de Deus, em seguida, através do fogo do amor que eu tinha no meu coração dirigido a Deus, uma palavra de verdadeira obediência imediatamente deixou meus lábios e dei esta resposta ao mensageiro, dizendo: “Possa ser feito a mim de acordo com sua palavra”. Neste mesmo instante, a Palavra se tornou carne em mim. O Filho de Deus tornou-se meu filho.

Nós dois tínhamos um filho que é Deus e Homem ao mesmo tempo, pois sou mãe e virgem ao mesmo tempo. Como meu filho Jesus Cristo, verdadeiro Deus e o mais sábio dos homens, deitou-se no meu útero, recebi essa tão grande sabedoria através dele que compreendo não só a aprendizagem dos acadêmicos, mas também eu mesmo poderia discernir se seus corações eram verdadeiros, se suas palavras procediam do amor a Deus ou de mera inteligência acadêmica. Portanto, quem ouvir as minhas palavras deve informar esse estudioso que tenho três perguntas para ele: primeiro, se ele pretender conquistar o favor e a amizade do bispo num sentido corporal mais do que ele pretender apresentar alma do bispo a Deus em um sentido espiritual. Segundo, se sua mente mais se rejubila em possuir tantos florins em possuir nenhum. Terceiro, qual, das duas opções seguintes, ele prefere: ser chamado um estudioso e tomar seu lugar entre as fileiras honradas pelo amor à glória mundana ou para ser chamado de um simples irmão e tomar seu lugar entre os humildes.

Permitam-lhe a refletir estas três perguntas cuidadosamente. Se seu amor pelo o bispo é corporal em vez da espiritual, daí se segue que ele lhe diz coisas que gosta de ouvir em vez de proibi-lo de fazer todas as coisas pecaminosas que ele gosta de fazer.

Se ele for mais feliz possuindo muitos florins, em vez de nenhum, então ele ama riquezas, mais do que a pobreza. Então, ele dá a impressão de aconselhar os seus amigos para adquirir tanto quanto podem e ao invés de abandonarem o que fosse supérfluo de bom grado. Se, por amor a honra mundana, ele prefere sua reputação de acadêmico e sentar-se em um lugar de honra, então ele ama o orgulho mais do que a humildade e, portanto, parece a Deus mais como um burro do que um estudioso. Nesse caso, ele está mascando sobre palha vazia, o que é o mesmo que conhecimentos acadêmicos sem caridade, e ele não tem o trigo fino da caridade, pois a caridade divina nunca pode se tornar forte em um coração orgulhoso”.

Depois que o estudioso havia se desculpado com o pretexto de que ele tinha uma vontade maior de apresentar a alma do bispo a Deus em um sentido espiritual e que ele preferiria ter nenhum florim e, em terceiro lugar, que ele não se preocupava sobre o título de especialista, a Mãe disse novamente: “Sou aquela que ouviu a verdade dos lábios de Gabriel e acreditou sem duvidar. É por isso que a Verdade tomou para si carne e sangue do meu corpo e permaneceu em mim.

Eu trouxe à luz a essa mesma Verdade que foi Deus e Homem. Na medida em que a Verdade, que é o Filho de Deus, desejava vir a mim, morar em mim e a nascer de mim, sei muito bem se pessoas têm verdade sobre seus lábios ou não. Fiz ao estudioso três perguntas. Eu aprovaria sua resposta se houvesse verdade nas suas palavras. No entanto, não havia nenhuma verdade nelas. Por isso, vou dar-lhe três avisos. A primeira é que existem algumas coisas que ele ama e deseja neste mundo mas que ele não obterá mesmo. A segunda é que ele perderá em breve a coisa que ele tem alegria mundana em possuir. O terceiro é que os pequenos entrarão no céu. Os grandes permanecerão de fora, porque o portão é estreito”.

Palavras da Virgem à noiva sobre como aqueles que podem ver e ouvir, etc. escapam aos perigos em virtude da luz do sol, etc., mas perigos acontecem àqueles que estão cegos e surdos e assim por diante.

Livro 3 – Capítulo 9

A mãe fala: “apesar de um homem cego não vê-lo, o sol ainda brilha claramente no esplendor e beleza mesmo enquanto ele está a cair no fundo do precipício. Os viajantes que têm visão clara são gratos à clara luz que os ajuda a evitar os perigos da sua viagem. Embora o homem surdo não o ouça, ainda assim a violenta avalanche desce sobre ele esmagando-o terrivelmente do alto, mas quem pode ouvi-la vindo escapa para lugares mais seguros. Embora um homem morto não possa provar enquanto ele jaz apodrecendo entre vermes, uma boa bebida ainda tem gosto doce. Um homem vivo pode bebê-lo e se contentar, sentindo-se encorajado para qualquer feito corajoso”.

A Virgem fala para sua filha, oferecendo garantias sobre as palavras proferidas a ela; e sobre o perigo do colapso da Igreja se aproximando, e sobre como, infelizmente, os supervisores zeladores da Igreja em grande parte dedicam-se hoje em dia a uma vida de imoralidade e a ganância, e o desperdício dos bens da Igreja no seu orgulho, e sobre como a fúria de Deus é suscitada contra eles.

Livro 3 – Capítulo 10

A Mãe fala: “não tenhas medo das coisas que estás prestes a veres, pensando que elas vêm o espírito do mal. Tal como luz e calor acompanham a aproximação do sol, mas não segue a uma sombra escura, da mesma forma duas coisas acompanham a chegada do Espírito Santo no coração: ardente amor por Deus e a iluminação completa da Santa fé. Agora estás experimentando essas duas coisas. Essas duas não se seguem ao diabo, a quem nós podemos assemelhar a uma sombra escura. Portanto, envia meu mensageiro ao homem que te mencionei. Apesar de conhecer seu coração e como ele vai responder e o fim iminente da sua vida, deverás ainda enviar-lhe a seguinte mensagem.

Eu o faria saber que o fundamento da Igreja Sagrada está tão fortemente deteriorado em seu lado direito que o seu telhado em arcadas tem muitas fissuras na parte superior, e que isso faz com que as pedras caiam tão perigosamente que muitos daqueles que passam abaixo dela percam as vidas. Várias das colunas que devem ficar eretas estão quase ao nível do solo e até mesmo o piso é tão cheio de buracos que os cegos que entram lá têm quedas perigosas. Às vezes acontece mesmo que, juntamente com os cegos, pessoas com boa acuidade visual têm quedas feias devido aos buracos perigosos no piso. Como resultado de tudo isto, a Igreja de Deus está perigosamente cambaleando e se ela está cambaleando tanto, o que a aguarda em seguida se não seu colapso?

Garanto-vos que, se ela não for ajudada por reparos, seu colapso será tão grande que será ouvida em toda a cristandade. Sou a Virgem cujo ventre o filho de Deus condescendeu em entrar, sem o mínimo traço de luxúria carnal. O filho de Deus nasceu do meu útero fechado, dando-me consolação, mas nenhuma dor. Eu fiquei de pé junto à Cruz quando ele vitoriosamente superou o Inferno por meio de seu paciente sofrimento e abriu o céu com o sangue do seu coração. Fiquei também sobre a montanha quando o filho de Deus, que também é meu filho, subiu aos céus. Tenho o conhecimento mais claro de toda a fé Católica que ele pregou e ensinou a todos que queriam entrar o céu.

Eu sou essa mesma mulher, e agora estou acima do mundo em oração contínua, como um arco-íris acima das nuvens que aparece para se inclinar em direção à terra e tocá-la, em ambas as extremidades. Vejo-me como um arco-íris a arquear para baixo em direção aos habitantes bons e maus da terra através de minhas orações. Curvo-me em direção a pessoas boas para que possam ser firmes nos mandamentos da Santa Igreja, e me curvo em direção a pessoas más para que eles não possam aumentar suas maldades e ficarem ainda piores. Eu faria o homem que mencionei saber que nuvens implacáveis e horríveis sobem em na direção do arco-íris resplandecente. Por essas nuvens, quero simbolizar aqueles que levam uma vida de imoralidades, aqueles que são tão insaciáveis como o abismo do oceano em sua ganância por dinheiro e aqueles que arrogante e irracionalmente gastam seus meios num desperdício como de uma torrente derrama sua água.

Muitos dos supervisores da Igreja são culpados por estas três coisas, e seus pecados terríveis se elevam ao céu à vista de Deus, tão opostas às minhas orações quanto às nuvens obscenas que se opõem ao arco-íris resplandecente. Os homens que deveriam estar aplacando a fúria de Deus juntamente comigo, em vez disso estão provocando fúria de Deus contra si. Esses homens não devem ser promovidos na Igreja de Deus. Eu, a Rainha do céu, chegarei ao auxílio de quem, conhecendo a sua própria insuficiência, esteja disposto a assumir a tarefa de tornar a fundação da Igreja estável e restaurando a vinha abençoada que Deus fundou com seu sangue e, juntamente com os anjos, arrancarei pelas raízes as raízes soltas e arremessarei quaisquer árvores sem fruto para o fogo e plantarei mudas frutíferas . Por esta vinha, quero dizer a Igreja de Deus em que as duas virtudes da humildade e a caridade divina devem ser restauradas.”

Explicação

O Filho de Deus fala dos núncios papais: ” entrastes na companhia de governantes e vos tornareis ainda mais elevados. Digno é aquele que para exalta a humildade, pois o orgulho já se elevou demais. Quem tem a caridade pelas almas também receberão as honras mais altas, pois a ambição e a simonia agora prevalecem entre as muitas pessoas. Feliz é ele que tenta erradicar os vícios do mundo, tanto quanto ele puder, porque agora os vícios se tornam anormalmente fortes.

Também é mais eficiente ter paciência e rezar por ele, pois, nos dias de muitos que ainda vivem, o sol vai ser rasgar em dois, as estrelas serão atiradas à confusão, a sabedoria será considerada tola, os humildes na terra gemerão e prevalecerão os ousados. A compreensão e a interpretação destas coisas pertence aos sábios que sabem como tornar o bruto, suave e prover para o futuro.” A revelação precedente foi para o Cardeal de Albano, que era então um prior.

As Profecias e Revelações de Santa Brígida da Suécia – Livro 2

A instrução do Filho para a esposa sobre o Demônio: a resposta do Filho para a esposa sobre porque ele não remove malfeitores antes de cair em pecado, e sobre como o reino dos céus é dado às pessoas batizadas que morrem antes de atingir a idade do discernimento.

Livro 2 – Capítulo 1

O Filho falou à esposa, dizendo: “Quando o demônio te tenta, dize-lhe estas três coisas: “As palavras de Deus não podem ser nada, mas sim a verdade.”Segundo” : Nada é impossível para Deus, porque Ele pode fazer todas as coisas.” Terceiro: “Você, demônio, não poderia dar-me tão grande fervor de amor como o que Deus me dá”. Novamente o Senhor disse à esposa: Eu olho para as pessoas de três maneiras: primeiro, o seu corpo exterior e como está por dentro; segundo, sua consciência interior, para que direção tende e de que maneira; terceiro, seu coração e aquilo que deseja. Como um pássaro que vê um peixe no mar e avalia a profundidade da água e também toma nota de ventos tempestuosos, Eu também conheço e avalio os caminhos de cada pessoa e tomo nota do que é devido a cada um, pois sou apurado na visão e posso avaliar a situação humana melhor do que uma pessoa que conhece a si próprio.

Então, porque eu vejo e sei todas as coisas, tu poderias perguntar-me porque Eu não tirava os malfeitores antes que eles caíssem nas profundezas do pecado. Eu mesmo fiz a pergunta e Eu mesmo te responderei: Eu sou o Criador de todas as coisas, e todas as coisas são conhecidas de antemão por mim. Eu sei e vejo tudo o que foi, e tudo o que será. Mas, embora eu saiba e possa fazer todas as coisas, ainda, por razões de justiça, eu não interfiro na constituição natural do corpo mais do que na inclinação da alma. Cada ser humano continua a existir, de acordo com a constituição natural do corpo, como ele é e foi, desde toda a eternidade, na minha presciência. O fato de uma pessoa ter uma vida mais longa ou mais curta, tem a ver com a força ou fraqueza natural e está relacionado com a constituição física da pessoa. Não é devido à minha presciência que uma pessoa perde a visão ou outra se torna manca ou algo parecido, já que a minha presciência de todas as coisas é tal que ninguém, para ela, é o pior, nem é ela prejudicial a ninguém.

Além disso, estas coisas acontecem não por causa do curso e posição dos elementos celestiais, mas devido a alguns princípios de justiça ocultos na constituição e conservação da natureza. Por causa do pecado e da desordem natural, vêm a deformidade do corpo de muitas maneiras. Isto não acontece porque eu desejo isso diretamente, mas porque eu permito que aconteça por uma questão de justiça. Mesmo que eu possa fazer todas as coisas, eu ainda não obstruo a justiça. Assim, a extensão ou a brevidade da vida da pessoa está relacionada com a força ou fraqueza de sua constituição física, segundo minha presciência que ninguém pode violar.

Tu podes compreender isto por meio de uma comparação. Imagine que havia duas estradas com uma estrada que conduz até elas. Havia um grande número de sepulturas em ambas as estradas e cruzamentos se sobrepondo uma à outra. O fim de uma das duas estradas caia diretamente para baixo; o fim da outra tendia para cima. Na encruzilhada estava escrito: “Todo aquele que percorre esta estrada começa com prazer e deleite, e o termina em grande miséria e vergonha. Quem toma a outra estrada começa com esforço moderado e suportável, mas chega ao fim com grande alegria e consolação”. Uma pessoa caminhando na estrada única estava completamente cega. No entanto, quando ela chegou na encruzilhada, seus olhos se abriram, e ela viu o que estava escrito sobre como as duas estradas terminavam.

Enquanto ela estava estudando o aviso e pensando sobre isso, ali apareceu, de repente, ao lado dela, dois homens aos quais foi confiada a guarda das duas estradas. Como eles observaram o viajante na encruzilhada, disseram um ao outro: ‘Vamos observar atentamente que estrada ele escolhe para tomar e, em seguida, ele vai pertencer a um de nós conforme o caminho que ele escolhe. O viajante, no entanto, estava considerando consigo mesmo as extremidades e as vantagens de cada estrada. Ele fez a prudente decisão de selecionar a estrada cujo início envolvia alguma dor, mas que teria alegria no final, ao invés da estrada que começava com alegria, mas terminava com dor. Ele decidiu que era mais razoável e suportável cansar devido um pouco de esforço no início, mas ter segurança no final.

Tu entendes o que tudo isso significa? Vou te explicar. Essas duas estradas são o bem e o mal dentro do alcance humano. Isso reside no poder e livre arbítrio de uma pessoa escolher o que a ele ou ela apetece de tomar para chegar à idade do discernimento. Uma única estrada leva até as duas estradas da escolha entre o bem e o mal; em outras palavras, o tempo da infância leva até a idade do discernimento. O homem andando sobre esta primeira estrada é como um cego, pois ele é, por assim dizer, cego em sua infância, até atingir a idade do discernimento, não sabendo distinguir entre o bem e o mal, entre o pecado e a virtude, entre o que é ordenado, e o que é proibido.

O homem caminhando nesta primeira estrada, ou seja, na época da infância, é como um homem cego. No entanto, quando ele atinge a encruzilhada, ou seja, a idade do discernimento, os olhos de seu entendimento são abertos. Ele então, sabe como decidir se é melhor experimentar um pouco de dor, mas alegria eterna, ou um pouco de alegria e dor eterna. Qualquer que seja o caminho que ele escolha, ele não vai deixar de ter quem cuidadosamente conte seus passos. Existem muitas sepulturas nessas estradas, uma após a outra, uma contra a outra, porque, na juventude e na velhice, uma pessoa pode morrer mais cedo, outra mais tarde; uma na juventude, outra na terceira idade. O fim desta vida é apropriadamente simbolizado por sepulturas: ele virá para todos, de uma forma, ou de outra, de acordo com cada constituição natural e exatamente como Eu tenha previsto.

Se eu levasse alguém embora, contrariando a constituição natural do organismo, o demônio teria motivos de acusação contra mim. Consequentemente, a fim de que o demônio não possa encontrar nada em mim que vá, no mínimo, contra a justiça e Eu não interfiro na constituição natural do corpo mais do que na constituição da alma. Mas considere minha bondade e misericórdia! Assim, como diz o professor, dou virtude àqueles que não tem nenhuma virtude. Devido ao meu grande amor, eu dou o reino dos céus a todos os batizados que morrem antes de atingirem a idade do discernimento. Como está escrito: É do agrado do meu Pai conceder o Reino dos Céus a tais como estes. Devido ao meu terno amor, Eu mostro misericórdia até mesmo às crianças dos pagãos.

Se qualquer um deles morre antes de atingir a idade do discernimento, eles não podem me conhecer face a face, e vão para um lugar que não é permitido que se saiba, mas onde eles viverão sem sofrimento. Aqueles que já passaram pela estrada única, atingem aquelas duas estradas, ou seja, a idade do discernimento entre o bem e o mal. Está então, em seu poder, escolher o que mais lhes agrada. Sua recompensa seguirá a inclinação de sua vontade, já que nessa época eles sabem como ler o aviso escrito no cruzamento dizendo-lhes que é melhor suportar uma pequena dor no início e alegria esperando por eles no final, do que obter alegria no início e dor no final.

Algumas vezes, acontece que uma pessoa é levada mais cedo do que normalmente permitiria sua constituição física natural, por exemplo, através de um homicídio, embriaguez e coisas desse tipo. Isto é porque a maldade do demônio é tal que o pecador neste caso receberia uma punição extremamente duradoura se ele continuasse vivo por um longo período. Portanto, algumas pessoas são levadas mais cedo do que sua condição física natural permitiria devido à demanda de justiça e por causa de seus pecados. Sua retirada do mundo foi prevista por mim desde a toda eternidade, e é impossível a qualquer um opor-se à minha previsão. Algumas vezes, boas pessoas também são levadas mais cedo do que sua condição física natural permitiria. Por causa do grande amor que eu tenho por elas, e por causa de seu amor ardente e seus esforços em disciplinar o corpo pelo meu bem, a justiça algumas vezes requer que eles sejam levados embora, como previsto por mim desde toda a eternidade. Assim, Eu não interfiro na constituição natural do corpo mais do que na constituição da alma.

A acusação do Filho a uma certa alma que seria condenada na presença da esposa, e a resposta de Cristo ao demônio sobre por que permitiu a essa alma e permite que outros malfeitores toquem e tomem ou recebam seu próprio verdadeiro corpo.

Livro 2 – Capítulo 2

Deus apareceu irado, e disse: “Esta obra das minhas mãos, a quem destinei grande glória, me tem em muito desprezo. Esta alma, a quem ofereci todo o meu amoroso cuidado, me fez três coisas: Desviou seus olhos de mim e os voltou na direção do inimigo. Ela fixou sua vontade no mundo. Pôs sua confiança em si mesmo, porque ela era livre para pecar contra mim. Por esta razão, como não se preocupou em ter nenhuma consideração por mim, Eu executo minha justiça repentinamente sobre ela. Porque ela fixou sua vontade contra mim e pôs falsa confiança em si mesmo, Eu afasto dela o objeto de seu desejo.”

Então, um demônio gritou: “Juiz, esta alma é minha” O Juiz respondeu: “Que razões você traz contra ela?” Ele respondeu: “Minha acusação é a sua própria declaração de que ela lhe desprezou, seu Criador, e por isso sua alma tornou-se minha criada. Além disso, já que ela foi repentinamente levada, como ela poderia, repentinamente, agradar-lhe? Pois quando seu corpo era sadio e vivia no mundo, ela não lhe serviu com sincero coração, já que amava mais fervorosamente as coisas criadas, e nem mesmo suportou a doença pacientemente ou refletiu sobre as suas obras como deveria. No final, ele não esteve ardendo no fogo da caridade. Ela é minha, porque você a levou embora repentinamente.”

O Juiz respondeu: “Um fim repentino não condena uma alma, a menos que haja inconsistência em suas ações. Pela escolha de uma pessoa ela não é condenada para sempre sem deliberação cautelosa.” Então a Mãe de Deus veio e disse: “Meu Filho, se um criado preguiçoso tem um amigo que tem uma boa relação com seu mestre, seu amigo não deveria defendê-lo? Ele não deveria ser salvo, se pedisse por isso, pelo bem do outro?” O Juiz respondeu: “Cada ato de justiça deve ser acompanhado pela misericórdia e sabedoria – misericórdia para diminuir a severidade, sabedoria para garantir que a equidade seja mantida. Mas, se a transgressão for de tal tipo que não merece perdão, a sentença pode, ainda, ser mitigada em consideração da amizade sem infringir a justiça.” Então a Mãe disse: “Meu abençoado Filho, esta alma pensava em mim constantemente, e me mostrou reverencia, e varias vezes celebrava a grande solenidade em minha consideração, mesmo que fosse fria em relação a ti. Então, tenha piedade dela!”

O Filho respondeu: “Abençoada Mãe, tu conheces e vê todas as coisas em mim. Mesmo que esta alma a tivesse em sua mente, ela fazia isso mais em atenção à felicidade temporal do que à espiritual. Não tratou meu puríssimo corpo como deveria. Sua boca suja a afastou de desfrutar minha caridade. O amor mundano e a dissolução encobriram o sofrimento que tive para com ela. Sua morte foi acelerada quando considerou meu perdão como certo e quando não pensou em seu fim. Embora tenha me recebido continuamente, isto não a fez melhorar, pois ela não se preparou de forma adequada. Uma pessoa que deseja receber seu nobre Senhor e hóspede não deve apenas preparar o quarto, como também os utensílios. Este homem não fez assim, já que, embora tenha limpado a casa, não a varreu com cuidado reverente. Ele não espalhou pelo chão as flores de suas virtudes ou preencheu os utensílios de seus membros com abstinência. Então, tu vês muito bem que o que precisa ser feito para ele é o que ele merece”.

“Embora Eu possa ser invulnerável e além da compreensão possa estar em todos os lugares devido a minha divindade, minha alegria está naquele que é puro, mesmo se Eu, da mesma forma, entrar no bom e no condenado. O bom recebe meu corpo, que foi crucificado e subiu ao céu, e que foi prefigurado pelo maná e pela farinha da viúva. O mau também o faz, mas, enquanto para o bom isso leva a maior força e consolação, para o mau isso leva a uma condenação ainda mais justa, na medida em que ele, em sua indignidade, não tem medo de se aproximar de tão digno sacramento”.

O demônio respondeu: “Se ele se aproximou de ti indignamente e sua sentença foi mais severa por causa disso, por que permitiste que ele se aproximasse e te tocasse apesar de sua indignidade?” O Juiz respondeu: “Você não está perguntando isto com amor, já que não o tem, mas o meu poder o obriga a perguntar por causa de minha esposa que está escutando. Da mesma forma que, tanto o bom quanto o mau, tocam minha natureza humana para provar a realidade da mesma, assim, com minha paciente humildade, também o bom e o mau comem o meu corpo no altar – o bom para sua maior perfeição, o mau para que não possa acreditar que já esteja condenado e assim, tendo recebido meu corpo, ele possa ser convertido, desde que decida corrigir sua intenção. Que maior amor posso mostrar-lhes do que aquele em que Eu, o mais puro, entro até mesmo nos mais impuros vasos (posto que, assim como o raio do sol, não posso ser sujo)? Você e seus companheiros desprezam este amor, pois vocês se endureceram contra o amor”.

Então, a Mãe falou novamente: “Meu bom Filho, toda vez que ele se aproximou de ti ele te foi reverente, embora não como deveria ter sido. Ele também se arrepende de ter-te ofendido, embora não perfeitamente. Meu Filho, em minha intenção, considere isto em seu favor”. O Filho respondeu: “Como disse o profeta, Eu sou o verdadeiro sol, embora eu seja muito melhor que o sol. O raio do sol não penetra montanhas ou mentes, mas eu posso fazer ambos.

Uma montanha pode ficar no caminho do raio do sol e assim a luz do sol não alcançar a terra próxima, mas o que pode bloquear meu caminho exceto o pecado que impede esta alma de ser atingida por meu amor? Mesmo se uma parte da montanha for removida, a terra próxima ainda não receberia o calor do sol. E se eu entrasse em parte de uma mente pura, que consolo seria para mim se Eu pudesse sentir o mau cheiro vindo de outra parte? Portanto, uma pessoa deve livrar-se de tudo o que é sujo e então desta limpeza, resultará doce alegria”. Sua Mãe respondeu: “Seja feita sua vontade, com toda misericórdia!

EXPLICAÇÃO

Este foi um sacerdote que frequentemente recebia avisos relacionados a seu comportamento incontinente e não quis escutar a razão. Um dia, quando ele saiu ao campo para cuidar de seu cavalo, veio um trovão e um raio que o atingiu o matou. Seu corpo ficou ileso exceto por suas partes íntimas, que puderam ser vistas completamente queimadas. Então o Espírito de Deus disse: “Filha, aqueles que se envolvem em tais desprezíveis prazeres merecem sofrer em suas almas o que este homem sofreu em seu corpo”.

Palavras de espanto da Mãe de Deus à esposa, e sobre cinco casas no mundo cujos habitantes representam cinco estados de pessoas, chamados cristãos infiéis, judeus obstinados, pagãos em separado, judeus e pagãos juntos, e os amigos de Deus. Este capítulo contém muitas observações úteis.

Livro 2 – Capítulo 3

Maria disse: “É um terrível fato que o Senhor de todas as coisas e o Rei da glória, seja desprezado”. Ele foi como um peregrino na terra, vagando de um lugar para outro, batendo em muitas portas, como um viajante buscando boas-vindas. O mundo era como uma propriedade com cinco casas. Quando meu Filho apareceu vestido como um peregrino na primeira casa, ele bateu na porta e disse: ‘Amigo, abra a porta e deixe-me entrar para descansar e ficar contigo, para que os animais selvagens não me façam mal, para que as tempestades e chuvas não caiam sobre mim! Dê-me algumas de tuas roupas para aquecer-me do frio, para cobrir-me de minha nudez! Dê-me um pouco de tua comida para aliviar-me em minha fome e algo para beber e reavivar-me. Receberás uma recompensa de teu Deus!’

A pessoa do lado de dentro respondeu: ‘Estás muito impaciente, por isso não podes viver conosco em paz. És muito alto. Por este motivo não podemos vestir-te. És insaciável e guloso, e assim não podemos satisfazer-te pois não há fim para o teu insaciável apetite’. Cristo peregrino respondeu do lado de fora: ‘Amigo, deixe-me entrar alegre e voluntariamente. Não preciso de muito espaço. Dê-me algumas de tuas roupas, já que em tua casa não há roupas tão pequenas que não possam oferecer-me no mínimo algum aquecimento! Dê-me um pouco de tua comida, já que mesmo um pequeno bocado pode me satisfazer e uma mera gota de água me refrescará e fortalecerá’. A pessoa do lado de dentro respondeu: ‘Nós te conhecemos muito bem. És humilde em teu discurso, mas inoportuno em teus pedidos. Pareces facilmente satisfeito mas de fato és insaciável quando vens como já estando satisfeito. Estás com muito frio e é difícil vestir-te. Vá embora, não te receberei!’

Então, ele se dirigiu à segunda casa e disse: ‘Amigo, abra a porta e olhe para mim! Eu te darei o que precisas. Eu te defenderei de teus inimigos.’ A pessoa do lado de dentro respondeu: ‘Meus olhos são frágeis. Ficariam machucados se olhasse para ti. Estou satisfeito de todas as coisas e não necessito nada de ti. Sou forte e poderoso. Quem pode me prejudicar?’ Chegando, então, na terceira casa, ele disse: ‘Amigo, preste atenção e me escute! Estenda tuas mãos e me tome! Abra tua boca e me prove!’

O morador da casa respondeu: ‘Grite mais alto para que possa escutar-te melhor! Se fores bondoso, eu aproximar-te-ei de mim. Se fores agradável, deixarei que entres.’ Então, ele dirigiu-se à quarta casa cuja porta estava entreaberta. Ele disse: ‘Amigo, se considerasses que teu tempo foi gasto desnecessariamente, me deixarias entrar. Se entendesses e escutasses o que eu fiz por ti, terias compaixão de mim. Se percebesses o quanto tens me ofendido, irias suspirar e implorar por perdão.’ O homem respondeu: ‘Estamos quase morrendo de tanto esperar e ansiar por tua presença. Tenha compaixão de nossa desgraça e estaremos mais prontos para nos entregarmos a ti. Veja a nossa miséria e observe a angústia de nossos corpos, e estaremos prontos para cada um de teus desejos’. Então, ele foi até à quinta casa, que estava completamente aberta. Ele disse: ‘Amigo, eu entraria aqui com prazer, mas procuro um lugar para descansar mais macio do que o de um edredom, um calor maior do que o dado pela lã, uma comida mais fresca do que a que a carne animal pode oferecer.

Os que estavam do lado de dentro responderam: ‘Temos martelos junto a nossos pés. Podemos usá-los com prazer para golpear nossos pés e pernas, e oferecer-te a essência que escorra deles para ser teu local de descanso. Podemos abrir nosso interior e nossas entranhas para ti. Entre imediatamente! Não há nada mais macio que nossa essência para descansares e nada melhor que nossas entranhas para aquecer-te. Nosso coração é mais fresco do que a carne de animais. Ficaríamos felizes em cortar nossa carne para tua comida. Apenas entre! Pois és doce para provar e maravilhoso para alegrar!’ Os moradores dessas cinco casas representam cinco diferentes tipos de pessoas no mundo. Os primeiros são cristãos infiéis que chamam de injustas as sentenças de meu Filho, de falsas as suas promessas e de intoleráveis as suas ordens.

Essas são aquelas que, em seus pensamentos, em suas mentes e suas blasfêmias dizem aos pregadores do meu Filho: ‘Ele pode ser todo-poderoso, mas está longe e não pode ser alcançado. Ele é alto e largo e não pode ser vestido. É insaciável e não pode ser alimentado. É muito impaciente e não há como lidar com ele’. Eles dizem que ele está longe porque são fracos em boas ações e caridade e não tentam se elevar à sua bondade. Dizem que ele é largo, pois sua própria avareza não conhece limite: estão sempre fingindo não ter ou necessitar de algo e sempre imaginando problemas antes de aparecerem. Eles também o chamam de insaciável, porque o céu e a terra não são suficientes para ele, mas ele exige ainda maiores dádivas da humanidade.

Eles pensam que é uma tolice desistir de tudo pela salvação da alma conforme os preceitos, e prejudicial dar menos ao corpo. Dizem que ele é impaciente, pois odeia vícios e lhes envia coisas contra sua vontade. Acham que nada é bom e útil, exceto o que o prazer do corpo lhes sugere. È claro que Meu Filho é de fato todo-poderoso no Céu e na Terra, o Criador de todas as coisas e não criado por ninguém, que existia antes de todas as coisas, depois do qual ninguém mais virá. Ele é, de fato, o mais distante, o maior e mais alto, está dentro, fora e acima de todas as coisas.

Embora Ele seja tão poderoso, ainda em seu amor Ele quer ser vestido com a ajuda humana – ele que não necessita de roupas, que veste todas as coisas e está vestido eterna e invariavelmente em honra e glória perpétuas. Ele, que é o pão dos anjos e dos homens, que alimenta a todas as coisas e ele mesmo não necessita nada, quer ser alimentado com amor humano. Ele que é o restaurador e autor da paz, pede paz aos homens. Assim, quem quiser recebê-lo com boa vontade, pode saciá-lo até com um pedaço de pão, desde que a intenção seja boa. Ele pode vesti-lo com apenas um fiapo, desde que seu amor esteja inflamado. Uma única gota pode aliviar sua sede, desde que a pessoa tenha reta disposição.

Desde que a devoção de uma pessoa seja fervente e leal, ele é capaz de receber meu Filho em seu coração e falar com Ele. Deus é espírito e, por isso, ele quis transformar criaturas de carne em seres espirituais; seres efêmeros em eternos. Ele pensa que tudo o que acontece com os membros do seu corpo também acontece com ele mesmo. Ele leva em conta não somente o trabalho ou habilidades de uma pessoa, mas também o fervor de sua vontade e a intenção com a qual o trabalho foi feito. Na verdade, quanto mais meu Filho clama a essas pessoas por revelações ocultas, e quanto mais ele os adverte através de seus pregadores, mais elas endurecem sua vontade contra Ele.

Elas não o escutam nem lhe abrem a porta da sua vontade ou o recebem com atos de caridade. Assim, quando sua hora chegar, a falsidade em que confiam será aniquilada, a verdade será exaltada e a glória de Deus será manifesta. Os segundos são judeus obstinados. Essas pessoas veem a si mesmas como sendo razoáveis e consideram a justiça legal como sabedoria. Defendem suas próprias ações e as consideram como mais honrosas do que as dos outros. Se ouvem falar das coisas que meu Filho fez, eles as desprezam. Se ouvem as suas palavras e mandamentos, eles reagem com desdém.

Pior ainda, eles se considerariam pecadores e sujos se ouvissem ou refletissem sobre qualquer coisa que têm que fazer com meu Filho e ainda mais desprezíveis e miseráveis se imitassem suas ações. Mas, enquanto os ventos da fortuna mundana ainda sopram sobre eles, acreditam que são os mais cheios de sorte. Enquanto suas forças físicas estão saudáveis, acreditam que são os mais fortes. Por esse motivo, suas esperanças terminarão em nada e suas honras se tornarão vergonha.

Os terceiros são os pagãos. Alguns deles exclamam em zombaria todos os dias: ‘Quem é este Cristo? Se ele é benevolente em dar bons presentes, devemos recebê-lo com alegria. Se é gentil em perdoar os pecados, devemos honrá-lo com mais alegria ainda’. Mas essas pessoas fecharam os olhos de suas mentes a ponto de não perceberem a justiça e misericórdia de Deus. Eles tapam seus ouvidos e não escutam o que meu Filho fez por eles e por todos. Fecham suas bocas e não questionam sobre como será seu futuro e o que estará a seu favor. Cruzam seus braços e recusam fazer um esforço em procurar um caminho pelo qual possam escapar das mentiras e encontrar a verdade. Portanto, já que não querem entender ou tomar precauções, embora possam e tenham tempo para isso, eles e suas casas cairão e serão envolvidos pela tempestade.

Os quartos são os judeus e pagãos que gostariam de ser cristãos, se soubessem como e em que caminho contentar meu Filho e se recebessem ajuda. Eles escutam das pessoas de regiões vizinhas todos os dias, e conhecem os apelos por amor vindos de si mesmos, assim como outros sinais como quanto meu Filho fez e sofreu por cada um. É por isso que clamam a ele em suas consciências e dizem:

‘Ó Senhor, ouvimos dizer que tu prometeste te entregar a nós. Assim, estamos esperando por ti. Venha e cumpra tua promessa! Nós vemos e entendemos que não há poder divino naqueles que são idolatrados como deuses, não há amor pelas almas, não há valorização da castidade. Vemos neles apenas motivos carnais, um amor pelas honras do mundo presente. Sabemos pela Lei e ouvimos falar sobre as grandes obras que tu realizaste em misericórdia e justiça. Ouvimos pelas declarações de teus profetas, que estavam esperando por ti, a quem eles haviam previsto. Então vem, bondoso Senhor! Queremos nos entregar a ti, pois entendemos que em ti existe amor pelas almas, o uso correto de todas as coisas, pureza perfeita e vida eterna. Vem sem demora e nos ilumine, pois estamos quase morrendo de tanto esperar!’ É assim que eles clamam a meu Filho. Isto explica porque suas portas estão entreabertas, porque sua intenção é completa com respeito ao bem, mas ainda não atenderam ao cumprimento. Essas são pessoas que merecem ter a graça e consolo de meu Filho.

Na quinta casa estão os amigos meus e de meu Filho. A porta de suas mentes está completamente aberta para meu Filho. Eles estão contentes ao ouvi-lo chamar. Eles não apenas abrem a porta quando Ele bate, mas correm alegremente para recebê-lo quando ele entra. Com os martelos dos preceitos divinos, eles destroem tudo o que há de distorcido neles mesmos. Preparam um local de descanso para meu Filho, não entre plumas de aves, mas entre a harmonia das virtudes e da contenção da afeição ao mal, a maior essência de todas as virtudes. Oferecem ao meu Filho um tipo de calor que não vem da lã, mas de um amor tão ardente, tanto que eles não somente lhe dão seus pertences, mas também a si mesmos. Eles também lhe preparam comida mais fresca do que qualquer carne: são seus corações perfeitos que não desejam ou amam nada a não ser seu Deus.

O Senhor dos Céus habita em seus corações, e Deus que nutre todas as coisas é docemente nutrido por sua caridade. Eles mantêm seus olhos continuamente na porta, para evitar que o inimigo entre, mantêm seus ouvidos voltados em direção ao Senhor, e suas mãos prontas para lutar contra o inimigo. Imite-os minha filha, o quanto puder, pois suas fundações são construídas em pedra sólida. As outras casas têm suas fundações na lama, e é por isso que se abalarão quando o vento vier”.

As palavras da Mãe de Deus a seu Filho em defesa de sua esposa; sobre como Cristo é comparado a Salomão, e sobre a sentença severa contra falsos Cristãos.

Livro 2 – Capítulo 4

A Mãe de Deus falou a seu Filho, dizendo: “Meu Filho, veja como sua esposa está chorando, porque tu tens poucos amigos e muitos inimigos”. O Filho respondeu: “Está escrito que os filhos do reino serão expulsos e não herdarão o reino. Também está escrito que uma rainha veio de longe para ver as riquezas de Salomão e ouvir sua sabedoria. Quando ela viu tudo, ficou sem fôlego de puro espanto. As pessoas de seu reino, entretanto, não prestaram atenção à sua sabedoria nem admiraram suas riquezas. Eu sou prefigurado por Salomão, embora eu seja muito mais rico e sábio do que Salomão foi, visto que toda a sabedoria vem de mim e qualquer um que é sábio obtém sua sabedoria de mim. Minhas riquezas são vida eterna e glória indescritível. Prometi e ofereci estes bens aos cristãos como a meus próprios filhos, para que eles as possuíssem para sempre, se eles me imitassem e acreditassem nas minhas palavras. Mas eles não prestaram atenção na minha sabedoria.

Eles consideram meus feitos e promessas com desprezo e minhas riquezas como sem valor. O que devo fazer com eles, então? Certamente, se os filhos não querem suas heranças, então estranhos, isto é, pagãos, a receberão. Como aquela rainha estrangeira, a quem tomei para representar as almas fiéis, eles virão e admirarão a riqueza de minha glória e caridade, tanto que eles deixarão seu espírito de infidelidade e se preencherão com meu Espírito. O que, então, devo fazer com os filhos do reino? Eu lidarei com eles da maneira que um habilidoso oleiro, quando observa que o primeiro objeto que ele fez do barro não é nem bonito nem útil, joga-o no chão e o esmaga. Eu lidarei com os cristãos da mesma forma. Embora devam pertencer-me, já que os formei à minha imagem e os redimi com meu sangue, eles se tornaram lamentavelmente deformados. Dessa maneira, serão pisoteados como terra e jogados no inferno”.

As palavras do Senhor na presença da esposa a respeito de sua própria majestade e uma maravilhosa parábola comparando Cristo a Davi, enquanto judeus, maus cristãos e pagãos são comparados aos três filhos de Davi, e sobre como a Igreja subsiste nos sete sacramentos.

Livro 2 – Capítulo 5

Eu sou Deus, não sou feito de pedra ou madeira, nem criado por outro que não seja o Criador do universo, permanecendo sem começo ou fim. Sou aquele que entrou na Virgem e esteve com a Virgem sem perder minha divindade. Através de minha natureza humana estive na Virgem ainda retendo minha divina natureza, e Eu sou a mesma pessoa que, através de minha natureza divina, continuou a reinar sobre o Céu e a Terra junto com Pai e o Espírito Santo. Através de meu Espírito, Eu incendiei a Virgem, não no sentido de que o Espírito que a incendiou tivesse sido algo separado de mim, mas o Espírito que a incendiou foi o mesmo que estava no Pai e em mim, o Filho, assim como o Pai e o Filho estavam nele, os três sendo um só Deus, não três Deuses.

Eu sou como o Rei Davi que teve três filhos. Um deles se chamava Absalão, que queria a vida de seu pai. O segundo, Adonias, buscou o reino de seu pai. O terceiro filho, Salomão, obteve seu reino. O primeiro filho designa os judeus. São as pessoas que buscaram minha vida e morte e desprezaram meu conselho. Consequentemente, agora que seu castigo é conhecido, posso dizer o mesmo que Davi disse quando da morte de seu filho: “Meu filho, Absalão!” ou seja, Ó meus filhos judeus, onde está sua ânsia e expectativa agora? Ó meus filhos, qual será seu fim agora? Senti compaixão por vocês, pois ansiaram por minha chegada – por mim, aquele que vocês souberam por muitos sinais que chegaria – e porque vocês ansiaram pela glória que se esvai rapidamente, a qual já se esvaiu toda. Mas agora eu sinto uma compaixão maior por vocês, como Davi repetindo essas primeiras palavras várias vezes, porque eu vejo que terminarão em uma morte desprezível.

Assim, novamente como Davi, digo com todo o meu amor: “Meu filho, quem me deixará morrer em seu lugar?” Davi bem sabia que não podia trazer de volta seu filho morto através de sua própria morte, mas, a fim de demonstrar seu profundo afeto paterno e a saudade ansiosa de sua vontade, mesmo sabendo que era impossível, estava preparado para morrer no lugar de seu filho. Da mesma maneira, eu agora digo: Ó meus filhos judeus, embora tenham má-vontade comigo e tenham feito o que puderam contra mim, se isso fosse possível e se meu Pai permitisse, eu de boa vontade morreria mais uma vez por vocês, pois tenho pena da miséria que causaram a si mesmos como exigido pela justiça. Eu lhes disse o que tinha de ser feito por minhas palavras e lhes mostrei por meu exemplo. Coloquei-me a frente de vocês como uma galinha lhes protegendo com asas de amor, mas vocês rejeitaram isso tudo. Portanto, todas as coisas que vocês esperavam lhes escaparam. Seu fim é a miséria e todo o seu trabalho foi desperdiçado.

Maus cristãos são denotados pelo segundo filho de Davi que pecou contra seu pai em sua velhice. Ele raciocinou da seguinte forma: “Meu pai é um velho e com força enfraquecida. Se digo algo errado a ele, ele não responde. Se faço contra ele qualquer coisa, ele não se vinga. Se o ataco, ele suporta pacientemente. Portanto, farei o que eu quiser”. Com alguns criados de seu pai Davi, seguiu até um bosque com poucas árvores para brincar de ser rei. Porém, quando o conhecimento e intenção de seu pai ficaram evidentes, ele mudou seu plano e aqueles que estavam com ele caíram em descrédito.

Isto é o que os cristãos estão fazendo para mim agora. Eles pensam consigo mesmos: “Os sinais e decisões de Deus não são mais manifestos agora como foram antes. Podemos dizer o que desejamos, já que ele é misericordioso e não presta atenção. Deixe-nos fazer o que nos agrada, já que ele permite facilmente”. Eles não têm fé no meu poder, como se Eu fosse mais fraco agora em realizar minha vontade do que antes.

Eles imaginam que meu amor é menor, como se não estivesse mais desejando que haja misericórdia deles como foi com seus pais. Também pensam que meu julgamento é algo de que se possa rir e minha justiça sem sentido. Assim, eles também vão até um bosque com criados de Davi para brincar de ser reis com presunção. O que esse bosque com poucas árvores simboliza, se não a Santa Igreja que sobrevive através dos sete sacramentos como se fosse através de poucas árvores? Eles entram na Igreja com alguns dos criados de Davi, ou seja, com algumas boas obras, para ganhar o Reino de Deus com presunção.

Realizam um número modesto de boas obras, confiantes de que por meio delas, não importa em que estado de pecados estão ou que pecados tenham cometido, ainda podem ganhar o reino dos céus como pelo direito hereditário. O filho de Davi quis obter o reino contra a vontade de seu pai, mas foi banido em desgraça, na medida em que ambos, ele e sua ambição, eram injustos, e o reino foi dado a um homem melhor e mais sábio. Da mesma forma, essas pessoas também serão banidas de meu reino.

Ele será oferecido àqueles que fazem a vontade de Davi, já que apenas uma pessoa que tem caridade pode obter meu Reino. Somente uma pessoa que é pura e conduzida pelo meu coração pode aproximar-se de mim, que sou o mais puro de todos.

Salomão foi o terceiro filho de Davi. Ele representa os pagãos. Quando Batseba ouviu que alguém que não era Salomão – a quem Davi havia prometido ser rei depois dele – havia sido eleito por certas pessoas, ela dirigiu-se a Davi e disse: “Meu senhor, você jurou para mim que Salomão seria rei depois de ti. Agora, entretanto, outra pessoa foi eleita.

Se este é o caso e vai nessa direção, eu terminarei sentenciada ao fogo como uma adúltera e meu filho será considerado ilegítimo”. Quando Davi ouviu isso, levantou-se e disse: “Eu juro por Deus que Salomão sentará em meu trono e me sucederá como rei”. Ele então ordenou que seus criados pusessem Salomão no trono e que proclamassem rei o homem escolhido por Davi. Eles executaram as ordens de seu senhor e elevaram Salomão ao poder máximo, e todos aqueles que haviam dado voto a seu irmão foram dispersos e reduzidos à servidão. Batseba, que teria sido considerada uma adúltera se outro rei fosse eleito, representa nada mais que a fé dos pagãos.

Nenhum tipo de adultério é pior do que se vender à prostituição longe de Deus e da verdadeira fé, acreditando em um deus diferente do Criador do universo. Assim como Batseba fez , alguns pagãos vêm a mim com corações humildes e arrependidos, dizendo: “Senhor, tu prometeste que no futuro seríamos cristãos. Cumpra tua promessa! Se outro rei, se outra fé diferente da tua predominar sobre nós, se te afastares de nós, queimaremos em dor e morreremos como adúlteras que tomaram um adultero no lugar de um marido legal. Além disso, embora vivas para sempre, no entanto, morrerás para nós e nós para ti no sentido de que tu removerás tua graça de nossos corações e nós nos poremos contra ti devido à nossa falta de fé. Assim, cumpra tua promessa, fortaleça nossa fraqueza e ilumine nossa escuridão! Se tu demorares, se te afastares de nós, pereceremos”. Depois de ouvir isso, eu me levantarei como Davi através de minha graça e misericórdia.

Eu juro por minha natureza divina, que está junto à minha humanidade, e por minha natureza humana, que está no meu Espírito, e por meu Espírito, que está em minha natureza divina e humana, esses três sendo não três deuses mas um só Deus, que cumprirei minha promessa. Enviarei meus amigos para trazer meu filho Salomão, isto é, os pagãos, para dentro do bosque, isto é, para a Igreja, que subsiste através dos sete sacramentos, como através de sete árvores (nomeadas batismo, penitência, confirmação, sacramento do altar, do sacerdócio, matrimônio e extrema-unção). Eles terão seu repouso sobre meu trono, isto é, na verdadeira fé da Santa Igreja.

Além disso, os maus cristãos se tornarão seus criados. Os primeiros encontrarão sua alegria em uma herança eterna e no doce alimento que lhes prepararei. Os últimos, entretanto, gemerão na miséria que começará para eles no presente e durará para sempre. E assim, já que ainda é tempo de vigilância, que meus aliados não durmam, que não se cansem, pois uma recompensa gloriosa os espera por seus trabalhos!”

As palavras do Senhor na presença da esposa em relação a um rei que se encontra em um campo de batalha com amigos à sua direita e inimigos à sua esquerda; sobre como o rei representa Cristo, com os cristãos à direita e pagãos à esquerda, e sobre como os cristãos são rejeitados e ele envia seus pregadores aos pagãos.

Livro 2 – Capítulo 6

O Filho disse: “Sou como um rei que se encontra em um campo de batalha com amigos à direita e inimigos à esquerda. A voz de alguém gritando veio àqueles se encontravam à direita onde todos estavam bem armados. Seus capacetes estavam presos e seus rostos virados para o seu senhor. A voz gritou para eles: ‘Voltem-se para mim e confiem em mim! Eu tenho ouro para dar-lhes.’ Quando eles ouviram isso, voltaram-se em direção a ele. A voz falou uma segunda vez àqueles que se viraram: ‘Se quiserem ver o ouro, desprendam seus capacetes, e se quiserem pegá-los, eu os prenderei novamente como eu quero’. Quando eles consentiram, ele prendeu os capacetes de trás para frente. O resultado foi que a parte frontal dos capacetes com as aberturas para enxergar estavam na parte de trás de suas cabeças, enquanto a parte de trás cobriu seus olhos de forma que não podiam ver. Gritando, ele os conduziu como a homens cegos.

Quando isto aconteceu, alguns dos amigos do rei relataram a seu senhor que seus inimigos haviam enganado seus homens. Ele disse aos aliados: ‘Vá junto deles e grite: Desprendam seus capacetes e vejam como foram enganados! Voltem-se para mim e os receberei em paz!’ Eles não quiseram ouvir, e consideraram isto com zombaria. Os criados ouviram isso e relataram a seu senhor. Ele disse: ‘Bem, então, já que eles me desprezaram, aproximem-se rapidamente na direção dos que estão à esquerda e digam a eles essas três coisas: O caminho que lhes conduz à vida foi preparado para vocês. O portão está aberto. E o senhor mesmo quer vir encontrá-los. Acreditem, entretanto, firmemente que o caminho foi preparado! Tenham uma esperança decidida de que o portão está aberto e de que suas palavras são verdadeiras!’ Ide encontrar o senhor com amor, e ele lhes acolherá com amor e paz; e os conduzirá à paz duradoura. Quando eles ouviram as palavras do mensageiro, acreditaram nelas e foram recebidos em paz.

Eu sou este rei. Eu tive cristãos à minha direita, já que preparei uma recompensa eterna para eles. Seus capacetes estiveram presos e suas faces voltadas para mim enquanto eles todos tiveram a intenção de fazer a minha vontade, obedecer meus mandamentos e enquanto seus desejos miraram os céus. Aos poucos, a voz do demônio, isto é, o orgulho, soou no mundo e lhes mostrou as riquezas mundanas e o prazer carnal. Voltaram-se para isso, entregaram seus consentimentos e desejos ao orgulho. Por causa do orgulho, eles tiraram seus capacetes ao por em ação seus desejos e preferiram bens temporais aos espirituais. Agora que eles deixaram de lado os capacetes da vontade de Deus e as armas da virtude, o orgulho tomou posse deles e os amarrou de tal forma que eles só conseguem ser felizes quando pecam até o fim e ficariam contentes em viver para sempre, contanto que pudessem pecar para sempre.

O orgulho os cegou de tal forma que as aberturas dos capacetes através das quais pudessem enxergar estão na parte de trás da cabeça e na frente delas tem escuridão. O que essas aberturas nos capacetes representam se não a consideração do futuro e a circunspeção da realidade do presente? Através da primeira abertura, eles poderiam enxergar o deleite das recompensas futuras e os horrores das punições, assim como a terrível sentença de Deus. Através da segunda abertura, eles poderiam enxergar os mandamentos e proibições de Deus, e também o quanto transgrediram esses preceitos e como poderiam melhorar. Mas essas aberturas estão atrás da cabeça onde nada pode ser visto, o que significa que não foi feita a consideração das realidades celestes.

O amor deles por Deus tornou-se frio, enquanto o amor pelo mundo é considerado com deleite e abraçado de tal forma que os conduz para qualquer lugar que desejem, como uma roda bem lubrificada. Entretanto, ao me verem desonrado, almas caindo e o demônio assumindo o controle, meus amigos clamam diariamente por mim em suas orações por eles. Suas orações alcançaram o Céu e chegaram até meus ouvidos. Movido por suas orações, tenho enviado diariamente meus pregadores a essas pessoas, lhes mostrado sinais e aumentado minhas graças a eles. Porém, em seu desprezo a tudo isso, eles acumulam pecado sobre pecado.

Dessa forma, devo dizer agora a meus criados e devo colocar minhas palavras enfaticamente: “Meus criados, dirijam-se ao lado esquerdo, isto é, aos pagãos, e digam: ‘O Senhor dos Céus e Criador do universo tem o seguinte para vos dizer: O caminho dos Céus está aberto a vós. Tenham vontade de entrar nele com uma fé firme! O portão dos Céus está aberto a vós. Tenham firme esperança e entrarão nele! O Rei dos Céus e Senhor dos Anjos sairá pessoalmente para encontrar-vos e vos dar paz e bênção eternas. Saiam para encontrá-lo e recebam-no com a fé que ele revelou a vós e que preparou o caminho do Céu! Recebam-no com a esperança que tendes, pois ele mesmo tem a intenção de dar-vos o reino.

Amem-no com todo o vosso coração e ponham seu amor em pratica e entrareis pelos portões de Deus dos quais aqueles Cristãos foram afastados, pois não quiseram entrar, o que os fez não merecedores pelos seus próprios atos’. Pela minha verdade, declaro que colocarei minhas palavras em prática e não as esquecerei. Eu vos receberei como meus filhos e serei vosso Pai, Eu, a quem os cristãos desprezaram.

Vós então, meus amigos, que estais no mundo, saiam sem medo e gritem em voz alta, anunciem minha vontade a eles e ajudem-nos a realizá-la. Estarei em vossos corações e em vossas palavras. Serei vosso guia em vida e vosso salvador na morte. Não vos abandonarei. Saiam corajosamente – quanto maior o trabalho, maior será a glória!

Posso fazer todas as coisas em um único instante e com uma única palavra, mas quero que vossa recompensa venha de vosso próprio esforço e que minha glória venha de vossa coragem. Não vos surpreendais com o que digo. Se o homem mais sábio do mundo pudesse contar quantas almas vão para o inferno todos os dias, ele poderia numerar os grãos de areia no mar ou os seixos na praia. Esta é uma questão de justiça, porque essas almas se separaram de seu Senhor e Deus. Estou dizendo isto para que os números do demônio possam diminuir, o perigo se torne conhecido, e meu exército se complete. Se eles pudessem escutar e perceber!”

Jesus Cristo fala à esposa e compara sua natureza divina a uma coroa usando Pedro e Paulo para simbolizar o estado clerical e leigo, sobre as maneiras de lidar com os inimigos, e sobre as qualidades que os cavaleiros do mundo devem ter.

Livro 2 – Capítulo 7

O Filho falou à esposa, dizendo: “Eu sou o Rei da coroa. Tu sabes por que eu disse ‘Rei da coroa’? Pois minha natureza divina foi, será, e é sem começo ou fim. Minha natureza divina, é perfeitamente assemelhada a uma coroa, pois a coroa não possui ponto de inicio ou fim. Assim como uma coroa é destinada ao futuro rei, minha natureza divina também foi destinada a ser a coroa de minha natureza humana.

Tive dois servos. Um foi sacerdote, o outro leigo. O primeiro era Pedro, que possuía uma função sacerdotal, enquanto Paulo foi, por assim dizer, um leigo. Pedro era casado, mas quando percebeu que seu casamento não era consistente com sua função sacerdotal, e considerando que sua intenção poderia ser posta em perigo pela falta de continência, ele se afastou do, acima de tudo, licito casamento, no qual ele se separou da cama de sua mulher, e se devotou a mim de todo seu coração.

Paulo, por outro lado, observou o celibato e mantinha-se puro. Veja que grande amor Eu tinha por esses dois! Eu dei as chaves do Céu a Pedro para que tudo o que atasse e desatasse na Terra, fosse atado e desatado no Céu. Eu permiti que Paulo se tornasse como Pedro em glória e honra. Como, juntos, eles foram iguais na terra, assim, agora, eles estão unidos em glória eterna no Céu e juntos glorificados. Entretanto, embora Eu tenha mencionado esses dois individualmente pelos nomes, por e através deles quero denotar também outros amigos. De modo semelhante, sob a antiga Aliança, Eu costumava falar a Israel como se estivesse me dirigindo a uma só pessoa, embora tivesse a intenção de designar todo o povo de Israel por esse único nome. Da mesma forma, agora, usando esses dois homens, tenho a intenção de denotar a multidão dos que eu enchi com meu amor e glória.

Com o passar do tempo, o mal começou a multiplicar-se e a carne começou a se enfraquecer e a se tornar mais e mais inclinada ao mal. Assim, estabeleci normas para cada um dos dois, ou seja, para o clero e o laicato, representados aqui por Pedro e Paulo. Em minha misericórdia, decidi permitir que o clero possuísse uma quantia moderada de propriedades de igreja para suas necessidades corporais para que eles pudessem crescer mais ardorosos e constantes em servir-me. Eu também permiti ao laicato que se unissem em matrimonio de acordo com os preceitos da Igreja. Entre os sacerdotes, havia um bom homem que pensou consigo: ‘A carne me arrasta a baixos prazeres, o mundo me arrasta à olhares prejudiciais, enquanto o demônio arma varias armadilhas para pegar-me pelo pecado. Então, para não ser apanhado pelo prazer carnal, eu observarei moderação em todas as minhas ações. Serei moderado em meu repouso e divertimento. Dedicarei o tempo apropriado ao trabalho e orações e reprimirei meu apetite carnal através do jejum. Segundo, para que o mundo não me afaste do amor de Deus, abrirei mão de todas as coisas mundanas, pois são perecíveis. É mais seguro seguir Cristo na pobreza. Terceiro, para não ser enganado pelo demônio que sempre nos mostra falsidade em vez da verdade, eu me submeterei à regra e obediência de um outro; e eu rejeitarei todo o egoísmo e mostrarei que estou pronto para dedicar-me a tudo o que seja ordenado pela outra pessoa’. Este homem foi o primeiro a estabelecer uma regra monástica. Ele perseverou nisso de maneira louvável e deixou sua vida como um exemplo a ser imitado por outros.

Durante um tempo, a classe do laicato foi bem organizada. Alguns homens cultivavam o solo e bravamente perseveravam trabalhando a terra. Outros navegavam e transportavam mercadorias a outras regiões de forma que os recursos de uma região supriram as necessidades de outra. Outros eram especialistas e artesãos. Entre esses estavam os defensores de minha Igreja que hoje são chamados de cavaleiros.

Eles pegaram em armas como vingadores da Santa Igreja para lutar contra seus inimigos. Entre eles, surgiu um bom homem e meu amigo que pensou consigo: ‘Não cultivo o solo como um fazendeiro. Não trabalho nos mares como um comerciante. Não trabalho com minhas mãos como um habilidoso artesão.

O que, então, posso fazer ou através de qual trabalho posso agradar meu Deus? Não sou bastante disposto no serviço da Igreja. Meu corpo é muito mole e fraco para suportar danos físicos, minhas mãos não têm força para derrotar os inimigos e minha mente não se adapta a refletir sobre o Céu. O que posso fazer então?

Sei o que posso fazer. Eu me comprometerei a um príncipe secular através de um juramento, prometendo defender a fé da Santa Igreja com minha força e meu sangue’. Este meu amigo dirigiu-se ao príncipe e disse: ‘Meu senhor, sou um dos defensores da Igreja. Meu corpo é fraco demais para suportar danos físicos, minhas mãos não têm força para derrubar outros; minha mente é instável quando levada a pensar e realizar o que é bom; minha teimosia é o que me agrada; e minha necessidade de repouso não me permite tomar uma postura forte pela casa de Deus. Assim, comprometo-me com um juramento público de obediência à Santa Igreja e ao senhor, o Príncipe, jurando defendê-la todos os dias de minha vida para que, embora minha mente e vontade possam ser mornas com respeito à luta, eu possa ser compelido a trabalhar por causa de meu juramento’. O príncipe respondeu-lhe: ‘Irei com você até a casa do Senhor e serei testemunha de seu juramento e promessa’. Os dois vieram até meu altar, e meu amigo ajoelhou-se e disse: ‘Sou de corpo muito fraco para suportar danos físicos, minha teimosia muito me agrada, minhas mãos são muito indecisas quando é preciso desferir golpes.

Então, prometo obediência a Deus e a ti, meu chefe, comprometendo-me através de um juramento para defender a Santa Igreja contra seus inimigos, para confortar os amigos de Deus, fazer bem às viúvas, órfãos e fiéis a Deus, e nunca fazer nada contrario à Igreja ou à fé. Além disso, me submeterei à sua correção se eu errar, para que, comprometido por obediência, eu deva temer o pecado e o egoísmo ainda mais e me dedicar mais ardorosa e prontamente em realizar a vontade de Deus e sua própria vontade, sabendo eu mesmo, ser somente o mais digno de condenação e desprezo se eu me atrever a violar a obediência e transgredir seus mandamentos. Depois dessa promessa ter sido feita em meu altar, o príncipe decidiu sabiamente que o homem deveria se vestir de forma diferente dos outros leigos como um sinal de auto-renuncia e como uma lembrança de que tinha um superior ao qual devia se submeter.

O príncipe também colocou uma espada em suas mãos, dizendo: ‘Esta espada deve ser usada para ameaçar e matar os inimigos de Deus’. Ele colocou um escudo em seu braço, dizendo: ‘Defende-te com este escudo contra os projéteis do inimigo e suporte pacientemente o que é lançado contra ele. Que possas antes, vê-lo despedaçado do que fugir da batalha!’ Na presença de meu sacerdote que está escutando, meu amigo fez-me o firme propósito de observar tudo isso. Quando fez a promessa, o sacerdote lhe ofereceu meu corpo para dar-lhe força e coragem para que, uma vez unido a mim através de meu corpo, meu amigo nunca se separe de mim. Assim foi meu amigo George, como também muitos outros. Assim também, deve ser com os cavaleiros. Devem obter seu título como resultado do mérito e usar seu traje de cavaleiro como resultado de suas ações em defesa da Sagrada Fé.

Ouçam como meus inimigos estão agora, indo contra as primeiras façanhas de meus amigos. Meus amigos costumavam entrar no mosteiro através de suas sábias reverências e amor por Deus. Mas aqueles que estão hoje em dia nos mosteiros, saem para o mundo por orgulho e ambição, seguindo sua obstinação, satisfazendo o prazer de seus corpos. A justiça exige que as pessoas que morrem em tais disposições não devam experimentar a alegria do céu mas, pelo contrario, receber a punição interminável do inferno. Saibam, também, que os monges enclausurados que são forçados contra sua vontade a tornarem-se prelados pelo amor a Deus não devem ser contados nesse numero. Os cavaleiros que costumavam empunhar minhas armas estavam prontos para entregar suas vidas pela justiça e derramar seu sangue pelo bem da sagrada fé, trazendo justiça aos necessitados, derrubando e humilhando os agentes do mal.

Mas ouçam como eles foram corrompidos! Agora, eles preferem morrer em batalha pela glória, ambição e inveja induzidos pelo demônio em vez de viver de acordo com meus mandamentos e obter gozo eterno. Justas recompensas serão distribuídas durante o julgamento, para todas as pessoas que morrem em tal disposição, e suas almas serão ligadas ao demônio para sempre. Porém, os cavaleiros que me servem receberão sua retribuição nos Céus para sempre. Eu, Jesus Cristo, verdadeiro Deus e Homem, um com o Pai e o Espírito Santo, um só Deus para todo o sempre, disse isto.”

Palavras de Cristo à esposa sobre a deserção de um cavaleiro do verdadeiro exército, isto é, da humildade, obediência, paciência, fé, etc., para o falso exército, isto é, dos vícios opostos, orgulhos, etc., e a descrição de sua condenação e sobre como uma pessoa pode encontrar condenação por causa de uma vontade má e também devido a ações más.

Livro 2 – Capítulo 8

Eu sou o verdadeiro Senhor. Não há outro Senhor maior que eu. Não houve outro antes de mim e também não haverá depois. Todo senhorio vem de mim e através de mim. É por isso que Eu sou o verdadeiro Senhor e nenhum outro a não ser Eu, pode verdadeiramente ser chamado Senhor, pois todo o poder vem de mim.

Eu te disse anteriormente que tive dois servos, um deles corajosamente, assumiu um estilo de vida louvável e perseverou até o fim. Inúmeros outros o seguiram no mesmo caminho do ofício de cavaleiro. Eu te direi agora sobre o primeiro homem a desertar da profissão de cavaleiro que foi instituída por meu amigo. Não te direi seu nome, pois não o conheces por nome, mas revelarei seu propósito e vontade.

Um homem que queria tornar-se cavaleiro veio ao meu santuário. Quando entrou, escutou uma voz: “Três coisas são necessárias se quiseres tornar-te cavaleiro: Primeiro, precisas acreditar que o pão que vês no altar é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, o Criador do Céu e da Terra. Segundo, uma vez que assumiste os serviços de cavaleiro, deves exercitar-te mais no autodomínio do que estás acostumado. Terceiro, não deves preocupar-te com honras mundanas. Certamente te darei alegrias e honras eternas.

Ao ouvir, ponderando consigo mesmo estas três condições, ele ouviu também uma voz maligna em sua mente fazendo três propostas contrárias às anteriores. Ela dizia: “Se me servires, far-te-ei três outras propostas. Eu te deixarei ter o que vês, ouvir o que quiseres e obter o que desejas”. Quando ele ouviu isso, pensou consigo: “O primeiro senhor me disse para ter fé em algo que não vejo e me prometeu coisas desconhecidas para mim. Ele me disse para abster-me dos prazeres que posso ver e que desejo, e esperar por algo que para mim é duvidoso. O outro senhor me prometeu a honra mundana que posso ver e o prazer que desejo sem proibir-me de ver ou ouvir tudo aquilo que gosto.

Com certeza, para mim é melhor segui-lo, ter o que posso ver e desfrutar das coisas que são certas em vez de esperar por coisas que para mim são incertas”. Com tais pensamentos, este homem foi o primeiro começar a deserção do serviço de um verdadeiro cavaleiro. Ele rejeitou a verdadeira profissão e quebrou sua promessa. Jogou o escudo da paciência aos meus pés, deixou a espada para a defesa da fé cair de suas mãos e deixou o santuário. A voz maligna lhe disse: “Se, como eu disse, fores meu, então poderás andar orgulhosamente pelos campos e ruas. Aquele outro senhor manda seus homens serem constantemente humildes. Assim, certifica-te de não evitar o orgulho e a ostentação! Enquanto aquele outro senhor fez sua entrada pela obediência e se sujeitou à obediência em toda jornada, tu não deves deixar ninguém ser teu superior. Não dobres teu pescoço humildemente a outras pessoas.

Toma tua espada para derramar o sangue de teu vizinho e irmão, para tomar posse de sua propriedade!

Empunhe o escudo em teu braço e arrisque tua vida para ganhar renome! Em vez da fé que ele defende, ame o templo de teu próprio corpo sem te absteres de nenhum prazer que o deleite”.

Enquanto o homem estava ajustando sua mente e fortalecendo sua decisão com esses pensamentos, seu príncipe colocou sua mão no pescoço do homem no ponto indicado. Nenhuma parte do corpo, qualquer que seja, pode danificar alguem que tenha boa vontade ou ajudar alguem cuja intenção é má. Após a confirmação de sua condição de cavaleiro, o coitado traiu o serviço de cavaleiro ao exercê-la tendo em vista o orgulho mundano, não levando a sério o fato de que estava agora, mais do que antes, sob a maior obrigação de viver uma vida austera. Inúmeros exércitos de cavaleiros imitaram e ainda imitam esse cavaleiro em seu orgulho, que afundou a todos no mais fundo abismo devido aos seus juramentos de cavaleiros.

Porém, já que há muitas pessoas que desejam crescer no mundo e conquistar renome, mas não o conseguem, podes perguntar: Essas pessoas têm que ser punidas pela maldade de suas intenções da mesma forma que aquelas que alcançam seu desejado sucesso? A isso eu te respondo: Asseguro-te que qualquer um que ardentemente pretenda crescer no mundo e faça tudo o que puder para isso com a intenção de um vazio título de honra mundana, embora sua intenção nunca alcance seu efeito devido a uma secreta decisão minha, tal homem será punido pela maldade de sua intenção da mesma forma que aquele que consiga alcançar isso, isto é, a menos que retifique sua intenção através da penitência.

Veja, dar-lhe-ei o exemplo de dois indivíduos muito bem conhecidos por muitas pessoas. Um deles prosperou de acordo com seus desejos e obteve quase tudo que desejou. O outro teve a mesma intenção, porém não as mesmas possibilidades. O primeiro obteve renome mundial; ele amou o templo do seu corpo em toda luxúria; teve o poder que ele quis; tudo em que tocou prosperou. O outro era idêntico a ele em intenção, porém recebeu menos renome. Ele teria com vontade, derramado cem vezes o sangue do próximo para realizar seus planos de ambição.

Ele fez o que pôde e realizou sua vontade de acordo com seu desejo. Estes dois homens foram semelhantes em sua horrível punição. Embora não morram ao mesmo tempo, eu ainda posso falar de uma alma a invés de duas, já que sua condenação foi uma e a mesma. Ambos tiveram a mesma coisa a dizer quando o corpo e a alma foram separados e a alma partiu. Uma vez tendo deixado o corpo, a alma disse a ele: “Diga-me, onde estão agora as visões para deleitar meus olhos que me prometeste e onde está o prazer que me mostraste, onde estão as palavras agradáveis que me mandaste usar?” O demônio estava lá e respondeu:

“As visões prometidas nada mais são do que pó, as palavras nada são além de ar, o prazer nada mais é do que lama e podridão. Estas coisas não têm valor para ti agora”. A alma então gritou: “Ai de mim, ai de mim, fui miseravelmente enganada! Eu vejo três coisas.

Eu vejo aquele que me foi prometido na aparência de pão. Ele é o verdadeiro Rei dos reis e Senhor dos senhores. Vejo o que ele prometeu, e é indescritível e inconcebível. Eu vejo agora, que a abstinência que ele recomendou, era realmente mais proveitosa”. Então, com uma voz ainda mais alta, a alma gritou três vezes: “Ai de mim, que nasci! Ai de mim, cuja vida na Terra foi tão longa! Ai de mim, que devo existir em uma morte perpétua e interminável!”

Veja a desgraça que as pessoas ruins terão em retorno pelo desprezo a Deus e pela alegria passageira! Então, você deve me agradecer, minha esposa, por ter-te afastado de tal desgraça! Seja obediente ao meu Espírito e aos meus escolhidos!

Palavras de Cristo à esposa dando uma explicação do capítulo anterior,e sobre o ataque do demônio ao cavaleiro previamente mencionado e sobre sua terrível e justa condenação.

Livro 2 – Capítulo 9

Toda a extensão dessa vida é somente uma hora para mim. Assim, o que estou te dizendo agora sempre esteve em minha presciência. Falei-te anteriormente sobre um homem que iniciou na cavalaria, e sobre outro que desertou dela como um infame. O homem que desertou das fileiras da verdadeira cavalaria jogou seu escudo sobre meus pés e sua espada a meu lado, quebrando suas promessas e votos sagrados. O escudo que ele jogou simboliza nada mais do que a verdadeira fé pela qual ele se defenderia dos inimigos de sua alma e da fé.

Os pés, com os quais caminho em direção à humanidade, simbolizam nada mais do que o deleite divino pelo qual atraio uma pessoa a mim e a paciência com a qual constantemente o sustento. Ele jogou este escudo ao chão quando entrou em meu santuário, pensando consigo mesmo: quero obedecer ao senhor que me aconselhou a não praticar abstinência, aquele que me deixa ouvir coisas agradáveis aos meus ouvidos. Foi dessa maneira que ele jogou ao chão o escudo da minha fé por querer seguir seu desejo egoísta ao invés de mim, por amar a criatura mais do que o Criador.

Se ele tivesse tido uma fé correta, se tivesse acreditado que Eu sou todo-poderoso, um correto juiz e doador de glória eterna, ele não teria desejado nada além de mim, não teria temido nada além de mim. Porém, ele jogou sua fé aos meus pés, desprezando-a e contando-a como nada, porque ele não procurou me agradar e não teve consideração à minha paciência. Então ele jogou sua espada ao meu lado. A espada simboliza nada mais que o temor a Deus, que o verdadeiro cavaleiro de Deus deve continuamente ter em suas mãos, ou seja, em seus atos. Meu lado simboliza nada mais que o cuidado e proteção com os quais Eu protejo e defendo meus filhos, como uma galinha protegendo seus pintinhos, para que o demônio não lhes faça mal e que nenhuma tentação insuportável venha sobre eles.

Mas aquele homem jogou fora a espada do meu temor sem se incomodar em pensar em meu poder e sem ter nenhuma consideração por meu amor e paciência.

Ele a jogou no chão ao meu lado, como se dissesse: “Eu não temo e nem ligo para a sua defesa. Eu consegui o que tenho através de meus próprios atos e minha nobre descendência”. Ele quebrou a promessa que fez a mim. Qual é a verdadeira promessa pela qual um homem está ligado por votos a Deus? Com certeza, são as ações de amor; qualquer coisa que uma pessoa faz, deve fazer por amor a Deus. Mas, isso ele pôs de lado, ao trocar seu amor a Deus pelo amor-próprio; preferiu seu egoísmo ao deleite futuro e eterno.

Dessa forma, ele se separou de mim e deixou o santuário da minha humildade. O corpo de qualquer cristão guiado pela humildade é meu santuário. Aqueles guiados pelo orgulho não são meu santuário, são o santuário do demônio que os conduz na direção do desejo mundano com seus próprios propósitos. Tendo saído do templo da minha humildade, e tendo rejeitado o escudo da santa fé e a espada do temor, ele caminhou orgulhosamente para os campos, cultivando toda cobiça e desejo egoísta, desprezando o temor a mim e crescendo em pecado e luxúria.

Quando chegou ao final de sua vida e sua alma deixou o corpo, os demônios saíram para encontrá-lo. Três vozes do inferno puderam ser ouvidas falando contra ele. A primeira disse: “Não é este o homem que desertou da humildade e nos seguiu no orgulho? Se seus pés puderam levá-lo ainda mais alto em orgulho a ponto de nos ultrapassar e ter a primazia em orgulho, ele foi rápido em fazer isso”. A alma respondeu: “Eu sou este homem”. A Justiça respondeu: “Esta é a recompensa pelo seu orgulho: você descerá de mãos dadas com um demônio até alcançar a parte mais baixa do inferno. E dado que não há demônio que não saiba seu castigo particular e o tormento a ser infligido por cada pensamento e ato desnecessário, nem tu escaparás do castigo nas mãos de cada um deles, mas partilharás da malicia e maldade de todos eles”. A segunda voz gritou, dizendo: “Não é este o homem que se afastou de seu serviço professo a Deus e uniu-se às nossas fileiras?”

A alma respondeu: “Eu sou este homem”. A Justiça disse: “Esta é tua agregada recompensa: que cada um que imitar tua conduta como cavaleiro se unirá à tua punição e sofrimento pela tua própria corrupção e dor, e irá lhe golpear na sua vinda com uma ferida mortal. Tu serás como um homem atormentado por uma severa ferida, realmente serás como um atormentado com ferida após ferida, até que teu corpo esteja repleto de feridas, que causam sofrimento intolerável e lamentarás constantemente tua sorte. Mesmo assim, experimentarás miséria após miséria. No auge de tua dor, ela será renovada, e tua punição nunca acabará e tua angústia nunca diminuirá”. A terceira voz gritou: “Não é este o homem que trocou seu Criador pelas criaturas, o amor de seu Criador por seu próprio egoísmo?” A Justiça respondeu: “Certamente é ele”.

Assim, dois buracos serão abertos nele. Através do primeiro entrará cada punição merecida desde seu menor pecado até o maior deles, na medida em que trocou seu Criador por sua própria luxúria. Através do segundo, entrará cada tipo de dor e vergonha, e nenhuma consolação divina ou caridade entrará nele, na medida em que amou a si mesmo em lugar de seu Criador. Viverá eternamente e sua punição durará para sempre, pois todos os santos se afastaram dele”. Minha esposa, veja quão miseráveis serão essas pessoas que me desprezam, e quão grande será a dor que eles compraram ao preço de tão pequeno prazer!”

Como da sarça ardente Deus falou a Moisés, Cristo fala à esposa sobre como o demônio é simbolizado pelo faraó, cavaleiros dos dias presentes simbolizados pelo povo de Israel e o corpo da Virgem pela sarça, e sobre como os atuais cavaleiros e bispos estão, no presente, preparando uma moradia para o demônio.

Livro 2 – Capítulo 10

Está escrito na Lei de Moisés que Moisés estava cuidando de seu rebanho no deserto quando viu uma sarça que estava em chamas, sem ficar queimada; ele ficou com medo e cobriu sua face. Uma voz falou com ele vindo da sarça: “Eu ouvi o lamento do meu povo e fiquei com pena dele, pois são oprimidos por uma escravidão severa”. Eu, que estou agora falando com você, sou a voz ouvida da sarça. Ouvi a miséria de meu povo. Quem é meu povo senão o povo de Israel? Usando este mesmo nome eu agora designo os cavaleiros em todo o mundo que fizeram votos da minha cavalaria e que devem ser meus, mas estão sendo atacados pelo demônio.

O que o faraó fez para o meu povo Israel, no Egito? Três coisas. Primeiro, quando estavam construindo seus muros, não receberam ajuda dos apanhadores de palha que anteriormente os ajudaram a fazer tijolos. Em vez disso, eles mesmos tiveram de apanhar a palha onde puderam em todo o país. Segundo, os construtores não receberam nenhum agradecimento por seu trabalho, apesar de produzirem a meta estabelecida de tijolos a serem feitos. Terceiro, os capatazes batiam neles duramente sempre que sua produção ficava menor do que a normal. Em meio se sua grande aflição, esse meu povo construiu duas cidades para o faraó.

Este faraó é ninguém a não ser o demônio que ataca meu povo, isto é, os cavaleiros, que devem ser meu povo. Em verdade te digo que, se os cavaleiros tivessem mantido o acordo e regras estabelecidas pelo meu primeiro amigo, eles estariam entre os meus mais queridos amigos. Assim como Abraão foi o primeiro que recebeu o mandamento da circuncisão, foi obediente a mim e tornou-se meu mais querido amigo, qualquer um que imite a fé e os feitos de Abraão compartilharão seu amor e glória; assim também os cavaleiros foram especialmente aprazíveis para mim dentre todas as ordens, já que me prometeram derramar por mim o que eles consideram mais estimado, seu próprio sangue. Por esse voto eles se fizeram os mais aprazíveis a mim, assim como Abrão fez em relação à circuncisão, e eles se purificaram diariamente por viverem para sua profissão e por praticarem santa caridade.

Estes cavaleiros são agora tão oprimidos por sua miserável escravidão sob o demônio, que o ele os está ferindo com um golpe letal e os atirando à dor e sofrimento. Os bispos da Igreja estão construindo duas cidades para ele assim como os filhos de Israel. A primeira cidade se sustenta pelo trabalho físico e ansiedade sem sentido na aquisição de bens mundanos. A segunda cidade se sustenta pela intranquilidade e aflição espiritual, visto que não podem descansar do desejo mundano. Há trabalho por fora, e inquietação e ansiedade por dentro, tornando as coisas espirituais num fardo.

Assim como o faraó não supriu meu povo com coisas necessárias para fazerem tijolos nem lhes deu campos repletos de cereais, ou vinho e outras coisas úteis, mas o povo teve de ir e consegui-las eles mesmos em sofrimento e tribulação do coração, da mesma forma o demônio lida com eles agora. Embora eles trabalhem para o mundo e o cobicem em seus corações, ainda não conseguem realizar seus desejos e saciar a sede de suas ganâncias. Eles são consumidos por dentro pelo pesar e por fora pelo trabalho. Por essa razão, sinto pena de seu sofrimento, pois meus cavaleiros, meu povo, estão construindo moradias para o demônio e trabalhando incessantemente, porque eles não conseguem obter o que desejam e porque se preocupam com bens sem sentido, embora o fruto de sua ansiedade não seja uma benção mas ao contrario, a recompensa da vergonha.

Quando Moisés foi enviado ao povo, Deus deu a ele um sinal milagroso por três motivos. Primeiro, porque cada pessoa no Egito adorava seu próprio deus em particular, e porque existiam inúmeros seres que eram considerados deuses. Assim, era apropriado que houvesse um sinal milagroso para que, através dele e pelo poder de Deus, o povo pudesse acreditar que há um só Deus e um só Criador de todas as coisas por causa dos sinais, e para que todos os outros ídolos fossem mostrados sem valor. Segundo, um sinal foi também dado a Moisés como um símbolo, prefigurando meu futuro corpo. O que a sarça ardente que não era consumida simbolizava, senão a Virgem, que concebeu pelo Espírito Santo e deu à luz sem perder a virgindade? Eu vim desta sarça, assumindo a natureza humana do corpo virginal de Maria. Semelhantemente, a serpente dada como sinal a Moisés simbolizou meu corpo. Em terceiro lugar, um sinal foi dado a Moisés para confirmar a verdade dos eventos futuros e prefigurar os sinais milagrosos a serem dados no futuro, provando ser a verdade de Deus tanto mais verdadeira e certa, quanto mais claramente aquelas coisas representadas pelos sinais eram cumpridas com o tempo.

Estou agora enviando minhas palavras aos filhos de Israel, ou seja, aos cavaleiros. Eles não precisam de sinais milagrosos por três motivos. Em primeiro lugar, porque Deus e Criador de todas as coisas já é adorado e conhecido através da Santa Escritura, assim como através de muitos sinais. Segundo, eles não estão agora esperando pelo meu nascimento, porque eles sabem que eu realmente nasci e me tornei carne sem corrupção, já que a escritura foi completamente cumprida. E não há melhor ou mais verdadeira fé a ser guardada ou acreditada do que aquela que já foi anunciada por mim e meus santos pregadores. No entanto, eu dei três coisas através de ti pelas quais pudessem acreditar. Primeiro, estas são minhas verdadeiras palavras e não diferem da verdadeira fé.

Segundo, um demônio saiu de um corpo possuído, pela ação de minhas palavras. Terceiro, eu dei a um certo homem o poder de unir corações sem confiança, em mutua caridade. Assim, não tenha nenhuma duvida sobre aqueles que acreditarão em mim. Aqueles que acreditam em mim creem também em minhas palavras. Aqueles que me apreciam, também apreciam minhas palavras. Está escrito que Moisés cobriu sua face depois de falar com Deus.

Tu, entretanto, não precisas cobrir tua face. Eu abri teus olhos espirituais para que possas ver coisas espirituais. Abri teus ouvidos para que possas ouvir as coisas que são do Espírito. Eu te mostrarei um similar de meu corpo como foi durante e antes da minha paixão, e bem como depois da ressurreição, como Madalena, Pedro e outros o viram. Tu também ouvirás minha voz assim como ela falou a Moisés de dentro da sarça. Esta mesma voz está agora falando dentro de tua alma.”

Palavras deleitosas de Cristo à esposa sobre a glória e honra do bom e verdadeiro cavaleiro, sobre como os anjos vieram para encontrá-lo, e sobre como a Gloriosa Trindade o recebe afetuosamente e o conduz a um local de descanso indescritível como recompensa por uma pequena luta.

Livro 2 – Capítulo 11

Eu falei-te anteriormente sobre o fim e a punição daquele cavaleiro que foi o primeiro a desertar do serviço de cavalaria que tinha me prometido. Eu irei agora descrever por meio de metáforas (caso contrário não serás capaz de entender as questões espirituais) a glória e honra daquele que virilmente assumiu o verdadeiro serviço da cavalaria e o sustentou até o fim. Quando este meu amigo chegou ao fim de sua vida e sua alma deixou seu corpo, cinco legiões de anjos foram enviadas para saudá-lo. Com eles também veio uma multidão de demônios para descobrirem se podiam colocar alguma reclamação contra ele, pois são repletos de maldade e nunca se cansam dela.

Uma voz muito clara foi então ouvida no Céu, dizendo: “Meu Senhor e Pai, este não é o homem que se dobrou à tua vontade e assim o fez com perfeição?” O homem então respondeu em sua própria consciência: “De fato, sou eu”. Três vozes foram ouvidas. A primeira era de natureza divina e disse: “Não te criei e dei um corpo e alma? Tu és meu filho e fizeste a vontade de teu Pai. Venha a mim, teu querido Pai e Criador todo-poderoso! Uma herança eterna, é dada a ti, porque és um filho. A herança de teu Pai é dada a ti, porque foste obediente a Ele.

Então, querido filho, vinde a mim! Eu te receberei com honra e alegria”! A segunda voz era de natureza humana que disse: “Irmão, vinde a teu irmão! Eu me ofereci a ti em batalha e derramei meu sangue por ti. Tu, que obedeceste minha vontade, vinde a mim! Tu, que pagaste sangue com sangue e estiveste preparado para oferecer morte por morte e vida por vida, vinde a mim! Tu, que me imitaste em tua vida, entre agora em minha vida e em minha alegria sem fim! Eu te reconheço como meu verdadeiro irmão”. A terceira voz era do Espírito (mas os três são um Deus, não três deuses), que disse: “Vinde meu cavaleiro, tu, cuja vida interior era tão atraente que eu desejei viver contigo!

Em tua conduta exterior foste tão viril que mereceste minha proteção. Entre, então, em repouso, em retribuição de todo o teu sofrimento físico! Em retribuição ao teu sofrimento mental, entre em uma indescritível consolação! Em retribuição de tua caridade e teu viril esforço, vinde a mim e viverei em ti e tu em mim! Vinde a mim, então, meu excelente cavaleiro, que nunca desejaste nada além de mim! Vinde e te encherás de santo prazer!” Depois disso, cinco vozes foram ouvidas de cada uma das legiões de anjos.

A primeira voz falou: “Deixa-nos marchar à frente deste excelente cavaleiro e carregar suas armas, isto é, deixa-nos apresentar ao nosso Deus a fé que ele preservou inabalável e defendeu dos inimigos da justiça”. A segunda voz disse: “Permita-nos carregar seu escudo à frente dele, isto é, deixe-nos mostrar ao nosso Deus sua paciência que, embora ela seja conhecida por Deus, será ainda mais gloriosa por causa de nosso testemunho. Por sua paciência, ele não somente suportou adversidades pacientemente como também agradeceu a Deus por essas mesmas adversidades”.

A terceira voz disse: “Vamos marchar à frente dele e apresentar sua espada a Deus, isto é, vamos mostrar-lhe obediência pela qual ele permaneceu obediente em ambos os tempos, difíceis e fáceis, conforme sua promessa”. A quarta voz disse: “Vinde e vamos mostrar a Deus seu cavalo, isto é, vamos oferecer o testemunho de sua humildade. Como um cavalo carrega o corpo de um homem, assim sua humildade o precedeu e o seguiu, levando-o à frente até a realização de seu trabalho. O orgulho não encontrou lugar nele, por isso é que cavalgou em segurança”. A quinta voz disse: “Vinde e vamos apresentar seu capacete a nosso Deus, isto é, deixe-nos testemunhar a vontade divina que sentiu por Deus!”

Ele meditou Nele em seu coração durante todo o tempo. Carregou-o em seus lábios, em seus feitos, e acima de tudo, O desejou. Por amor e veneração, ele se prontificou a morrer para o mundo. Assim, deixe-nos apresentar estas coisas a nosso Deus, pois, como retribuição por seu pequeno esforço, esse homem mereceu eterno repouso e alegria com seu Deus, a quem ele desejou tanto e tantas vezes!” Acompanhado pelos sons dessas vozes e um maravilhoso coro de anjos, meu amigo foi conduzido ao descanso eterno.

Sua alma viu isso tudo e disse a si mesma em exultação: “Sou feliz por ter sido criada! Sou feliz por ter servido meu Deus que agora contemplo! Sou feliz, porque tenho alegria e glória que nunca terminará!” Assim meu amigo veio a mim e recebeu tal recompensa. Embora nem todos derramem seu sangue em meu nome, no entanto, todos receberão a mesma recompensa, desde que tenham a intenção de dar suas vidas por mim se a ocasião se apresentar e as necessidades da fé o demandar. Veja como é importante uma boa intenção!”

Palavras de Cristo à esposa sobre a natureza imutável e eterna duração da sua justiça; sobre como, após assumir uma natureza humana, ele revelou sua justiça através de seu amor em uma nova luz; e sobre como ternamente exerce misericórdia pelos condenados e gentilmente ensina seus cavaleiros.

Livro 2 – Capítulo 12

Sou o verdadeiro Rei. Ninguém merece ser chamado rei exceto eu, porque toda a honra e poder vem de mim. Sou aquele que fez o julgamento do primeiro anjo que caiu pelo orgulho, ambição e inveja. Sou aquele que fez o julgamento de Adão e Caim, assim como de todo o mundo ao enviar o dilúvio, devido aos pecados da raça humana. Sou o mesmo que permitiu que o povo de Israel ficasse em cativeiro e miraculosamente o conduziu com sinais milagrosos. Toda justiça pode se encontrar em mim. A justiça sempre esteve e está em mim sem começo nem fim. Em nenhum momento ela diminui, mas permanece verdadeira e imutável. Embora no presente momento minha justiça pareça ser mais branda e Deus agora pareça ser um juiz mais paciente, isto não representa uma mudança em minha justiça, que nunca muda, mas apenas mostra ainda mais o meu amor. Eu agora julgo o mundo através da mesma justiça e do mesmo verdadeiro julgamento de quando permiti que meu povo se tornasse escravo no Egito e o fiz sofrer no deserto.

Meu amor foi oculto antes de minha encarnação. Eu o mantive oculto em minha justiça como luz obscurecida por uma nuvem. Quando eu tomei a natureza humana, embora a lei que tinha sido dada tenha mudado, a justiça não mudou, tornou-se mais visivelmente clara e foi mostrada com uma luz mais abundante de amor através do Filho de Deus. Isto aconteceu de três formas. Primeiro, a lei foi mitigada, já que tinha sido muito severa por causa de pecadores desobedientes e endurecidos e era difícil subjugar o orgulho. Segundo, o Filho de Deus sofreu e morreu. Terceiro, meu julgamento agora parece estar mais afastado, e parecer ter sido postergado por misericórdia e ser mais brando com os pecadores do que antes. De fato, os atos de justiça concernentes aos primeiros pais ou ao dilúvio ou àqueles que morreram no deserto, parecem rígidos e severos. Entretanto, misericórdia e amor são agora mais aparentes. Antes, por razões de sabedoria, o amor foi oculto em justiça e mostrado com misericórdia, apesar de uma maneira mais oculta, porque Eu nunca fiz e nunca farei justiça sem misericórdia ou bondade sem justiça. Agora, entretanto, tu podes perguntar: se eu demonstrar misericórdia em toda minha justiça, de que maneira sou misericordioso com relação aos condenados? Responderei por meio de uma parábola.

É como se um juiz estivesse sentado para um julgamento e seu irmão aparecesse para ser sentenciado. O juiz diz a ele: “Tu és meu irmão e eu sou teu juiz e, embora eu te ame sinceramente, não posso e nem é certo para mim contrariar a justiça. Em tua consciência verás o que é justo com respeito ao que mereces. É necessário sentenciar-te adequadamente. Se fosse possível ir contra a justiça, eu poderia de bom grado tomar tua sentença para mim”. Sou como este juiz. Essa pessoa é meu irmão devido à minha natureza humana. Quando ele vem para ser julgado, sua consciência lhe informa sobre sua culpa e ele compreende qual deve ser sua sentença. Já que sou justo, eu respondo à alma – falando figurativamente, e digo: “Tu enxergas tudo o que é justo para ti em tua consciência. Diga-me o que mereces”. A alma me responde então: “Minha consciência me informa sobre minha sentença. É a punição que me é devida, pois não te obedeci”. Eu respondo: “Eu, teu juiz, assumi toda a tua punição e te fiz conhecido o perigo que corrias, assim como a maneira de escapares da punição. Foi por simples justiça que não pudeste entrar nos céus antes de reparar tua culpa. Eu assumi tua reparação, porque foste incapaz de suportar isso sozinho.

Através dos profetas mostrei-te o que aconteceria comigo e não omiti um único detalhe do que esses profetas revelaram. Mostrei-te todo o amor que pude para que voltasses a mim. Entretanto, já que te afastaste de mim, mereces ser sentenciado, porque desprezaste a misericórdia. Entretanto, EU sou ainda tão misericordioso que, se fosse possível a mim, morrer novamente, por tua causa, suportaria o mesmo tormento que uma vez suportei na cruz ao invés de vê-lo sentenciado a tal sentença. A justiça, porém, diz que para mim é impossível morrer novamente, mesmo que a misericórdia diga que quero morrer por ti, se isso fosse possível. É assim que sou misericordioso e amoroso mesmo pelos condenados. Eu amei a humanidade desde o começo, mesmo quando pareci irado, mas ninguém se preocupou ou prestou qualquer atenção ao meu amor.

Por ser justo e misericordioso, advirto os chamados cavaleiros de que eles devem procurar minha misericórdia, para que minha justiça não os encontre. Minha justiça é tão imóvel quanto uma montanha, queima como fogo, é tão assustadora quanto um trovão e tão repentina quanto um arco ajustado com uma flecha. Minha advertência é tripla. Primeiro, advirto-os como um pai faz com seus filhos, para que eles se voltem para mim, porque sou seu Pai e Criador. Que eles retornem, e eu lhes darei o patrimônio devido a eles por direito. Que retornem, porque, embora eu tenha sido desprezado, ainda os receberei com alegria e irei ao seu encontro com amor. Segundo, peço a eles como um irmão, que recordem minhas feridas e minhas ações. Que eles retornem, e os receberei como um irmão. Terceiro, como seu Senhor, eu peço-lhes que retornem ao Senhor a quem prometeram sua fé, a quem devem sua lealdade e a quem se comprometeram por juramento.

Por quê, ó cavaleiros, vos afastastes de mim, vosso pai, que vos criou com amor? Pensai em mim, vosso irmão, que se tornou um de vós pelo vosso bem. Voltai-vos novamente para mim, o vosso bom Senhor. É altamente desonesto jurar vossa fé e vossa lealdade a outro senhor. Vós jurastes que defenderíeis minha Igreja e ajudaríeis os necessitados. Vede agora como jurastes lealdade a meu inimigo, jogastes fora meu estandarte e levantastes o do inimigo!

Por que, ó cavaleiros, não retornais a mim com verdadeira humildade, já que desertastes de mim por causa do orgulho? Se qualquer coisa parece difícil de suportar por mim, considerai o que fiz por vós! Por vós fui à cruz com meus pés sangrando; minhas mãos e pés foram pregados por vós; não poupei nenhum um só membro por vós. E ainda ignorais tudo isto, afastando-vos de mim. Voltai e vos darei três formas de ajuda. Primeiro, fortaleza, para que sejais capazes de resistir a vossos inimigos físicos e espirituais. Segundo, uma brava generosidade, tal que não possais temer nada a não ser Eu e possais considerar uma alegria o vosso empenho por mim. Terceiro, Eu vos darei sabedoria para fazer-vos entender a verdadeira fé e a vontade de Deus. Assim, voltai e assumi vossas posições como homens! Pois eu, que estou vos dando esse aviso, sou o mesmo a quem servem os anjos, aquele que libertou vossos antepassados que foram obedientes, mas condenou os desobedientes e humilhou os orgulhosos. Fui o primeiro na guerra, o primeiro a sofrer. Segui-me, então, para que não derretais como a cera no fogo. Por que estais quebrando vossa promessa? Por que desprezais vosso juramento? Tenho menor valor ou sou menos merecedor do que algum amigo vosso mundano, a quem, quando fazeis juramento, o mantendes? Entretanto, a mim, o doador da vida e da honra, o preservador da saúde, vós não cumpris o que prometestes.

Por esta razão, bons cavaleiros, cumpri vossa promessa e, se fordes muito fracos para colocar isso em ação, pelo menos tenhais a vontade de fazê-lo! Sinto pena da escravidão que o demônio vos impôs e assim, aceitarei vossa intenção como uma ação. Se voltardes para mim com amor, então colocai em execução a fé da minha Igreja, e eu sairei para encontra-vos como um bom pai junto com todo o meu exército. Eu vos darei cinco coisas boas como recompensa. Primeiro, o louvor eterno sempre soará em vossos ouvidos. Segundo, a face e a glória de Deus sempre estarão diante de vossos olhos. Terceiro, o louvor de Deus nunca deixará vossos lábios. Quarto, vós tereis tudo o que vossas almas desejarem, e não desejareis nada além do que já tendes. Quinto, nunca vos separareis de vosso Deus, vossa alegria será infinita e vivereis vossas vidas com alegria sem fim.

Esta será vossa recompensa, meus cavaleiros, se vós defenderdes minha fé e vos esforçardes mais pela minha honra do que pela vossa. Se tiverdes algum senso, lembrai-vos que tenho sido paciente convosco e que me tendes insultado de tal forma que vós sozinhos, nunca toleraríeis. Entretanto, embora eu possa fazer tudo devido à minha onipotência, e embora minha justiça clame para que me vingue de vós, ainda minha misericórdia, que está em minha sabedoria e bondade,vos poupa. Dessa forma, peçai por misericórdia! Em meu amor, eu concedo o que uma pessoa me pede com humildade”.

Palavras poderosas de Cristo à esposa sobre os cavaleiros da atualidade; sobre a maneira correta de formar cavaleiros e sobre como Deus concede força e ajuda a eles em suas ações.

Livro 2 – Capítulo 13

Eu sou um único Deus com o Pai e o Espírito Santo em uma trindade de pessoas. Nenhum dos três pode ser separado ou dividido dos outros, mas o Pai está em ambos, no Filho e no Espírito, o Filho está em ambos, no Pai e no Espírito e o Espírito está em ambos. A Divindade enviou sua Palavra à Virgem Maria através do anjo Gabriel. Também o mesmo Deus, enviando e sendo enviado por si mesmo, estava com o anjo, estava em Gabriel, e estava com a Virgem antes de Gabriel. Depois que o Arcanjo entregou sua mensagem, a palavra se tornou carne dentro da Virgem. Eu, que falo contigo, sou essa Palavra.

O Pai me enviou através dele mesmo juntamente com o Espírito Santo para o útero da Virgem, embora não de forma que os anjos ficassem sem a visão e a presença de Deus. Eu, o Filho, que estava com o Pai e o Espírito Santo no ventre da Virgem, permaneci o mesmo Deus na visão dos anjos no Céu juntamente com o Pai e o Espírito Santo, governando e sustentando todas as coisas. Entretanto, a natureza humana assumida pelo único Filho ficou no útero de Maria. Eu, que sou um só Deus em minha natureza divina e humana, não desdenho de falar contigo e assim manifesto meu amor e fortaleço tua santa fé.

Embora minha forma humana pareça estar aqui em tua frente e estar falando contigo, entretanto, é mais verdadeiro dizer que tua alma e tua consciência estão comigo e em mim. Nada nos Céus ou na Terra é impossível ou difícil para mim. Sou como um poderoso rei que chega a uma cidade com suas tropas e toma posse do lugar, ocupando-o completamente. Da mesma forma, teus membros se encherão com minha graça e serão fortalecidos. Eu estou dentro e fora de ti. Embora eu possa estar falando contigo, permaneço o mesmo em minha glória. O que poderia ser difícil para mim, que sustento todas as coisas com meu poder e organizo tudo com minha sabedoria, superando a tudo com excelência? Eu, que sou um único Deus junto com o Pai e o Espírito Santo, sem começo ou fim, que assumi a natureza humana pela salvação da humanidade, com minha natureza divina permanecendo intacta, que sofri, ressuscitei e ascendi ao Céu, estou agora verdadeiramente falando contigo.

Eu falei-te anteriormente sobre os cavaleiros que foram antes mais agradáveis a mim, porque foram unidos a mim através do laço da caridade. Eles se comprometeram através de seus juramentos a oferecerem seu corpo pelo meu corpo, seu sangue pelo meu sangue. É por isso que lhes dei meu consentimento, onde me uni a eles em um único laço e uma única companhia. Agora, entretanto, minha queixa é a de que estes cavaleiros, que deveriam pertencer a mim, voltaram-se contra mim. Eu sou seu Criador e Redentor, assim como seu ajudante. Criei um corpo com todos os membros para eles. Criei tudo no mundo para seu uso. Redimi-os com meu sangue. Adquiri uma herança eterna para eles através da minha paixão. Eu os protejo em todo perigo.

Agora, entretanto, eles se afastaram de mim. Eles tem minha paixão por nada, negligenciam minhas palavras que deveriam alegrar e nutrir suas almas. Desprezam-me, preferindo, com todo o coração e a alma, oferecer seus corpos e deixar que sejam feridos em troca de prazer humano, derramar seu sangue para satisfazer sua ambição, felizes em morrer em nome de um discurso mundano, diabólico e vazio. Mas ainda, embora tenham se afastado, minha misericórdia e justiça estão sobre eles. Eu misericordiosamente zelo por eles para que não sejam entregues ao demônio. Em justiça, sou paciente com eles e, se novamente se voltassem para mim, os receberia e alegremente correria para encontrá-los.

Diga àquele homem que quer pôr seus serviços de cavalaria a meu dispor que ele me agradará novamente através da seguinte cerimônia. Qualquer um que quiser ser cavaleiro deve seguir com seu cavalo e armadura até o pátio da Igreja e deixar seu cavalo lá, já que este não foi feito para o orgulho humano mas para ser útil na vida e na defesa, e na luta contra os inimigos de Deus. Então deixa que ele vista seu manto, colocando o fecho em sua testa, da maneira semelhante ao que um diácono faz quando veste sua estola como um sinal de obediência e santa paciência. Da mesma forma, ele pode vestir seu manto e colocar o fecho em sua testa como sinal de seus votos militares e de obediência tomada para a defesa da cruz de Cristo.

Um estandarte de governo secular deve ser carregado à sua frente, lembrando-o que deve obedecer a seu governo na terra em tudo aquilo que não é contra Deus. Uma vez que tenha entrado no pátio da Igreja, os sacerdotes devem sair para encontrá-lo com o estandarte da igreja. Neste, a Paixão e as feridas de Cristo devem estar pintadas como símbolo de que ele é obrigado a defender a Igreja de Deus e concordar com seus prelados. Quando ele entrar na Igreja, o estandarte do governo temporal deve permanecer fora da igreja enquanto o estandarte de Deus deve ir à sua frente para dentro da Igreja, como um sinal de que a autoridade divina precede a autoridade temporal e que uma pessoa deve cuidar mais das questões espirituais e do que das temporais.

Quando a Missa for rezada até o Agnus Dei, a autoridade presidente, isto é, o rei ou outra pessoa, deve dirigir-se ao cavaleiro no altar e dizer: “Queres tornar-te cavaleiro?” Quando o candidato responder “sim”, o outro deve acrescentar as palavras: “Promete a Deus e a mim que defenderás a fé da Santa Igreja e obedecerás a seus líderes nas coisas que pertencem a Deus!”

Quando o candidato responder “sim”, o outro deve colocar uma espada em suas mãos, dizendo: “Veja, deposito uma espada em tuas mãos para que não poupes mesmo a tua vida pela Igreja de Deus, para que possas subjugar os inimigos de Deus e proteger os amigos de Deus”. Então deve entregar a ele o escudo e dizer: “Veja, dou-te um escudo para que possas defender-te dos inimigos de Deus, para que possas oferecer assistência às viúvas e órfãos, de forma que possas aumentar a glória de Deus em todos os sentidos”. Então ele deve colocar sua mão sobre o pescoço do outro, dizendo: “Veja, agora estás sujeito à obediência e à autoridade. Saibas, então, que deves por em pratica aquilo que prometeste através de tua promessa!” Depois disso, o manto e seu fecho, deve ser ajustado nele para lembrá-lo diariamente de seus votos a Deus e que, por sua profissão perante a Igreja, ele comprometeu-se a fazer mais que outros para defender a igreja de Deus.

Uma vez feito tudo isto e o Agnus Dei rezado, o sacerdote que celebra a Missa deve dar-lhe meu corpo para que possa defender a fé da Santa Igreja. Estarei nele e ele em mim. Dar-lhe-ei ajuda e força, e o farei queimar com o fogo do meu amor de forma que não desejará nada a não ser Eu e não temerá nada a não ser a mim, seu Deus. Se acontecer dele estar em campanha quando prestar seus serviços por minha glória e defesa da minha fé, isto ainda o beneficiará, considerando que sua intenção é justa.

Estou em todos os lugares em virtude do meu poder, e todas as pessoas podem agradar-me por uma intenção justa e boa vontade. Eu sou amor, e ninguém pode vir a mim a não ser uma pessoa que tem amor. Então, não ordeno a ninguém que faça isso, pois nesse caso estariam me servindo por medo. Mas aqueles que querem tomar essa forma de serviço de cavalaria podem estar me agradando. Seria adequado para eles, mostrar através da humildade, que eles querem voltar ao verdadeiro exercício da cavalaria, já que através do orgulho, ocorre a deserção da profissão da verdadeira cavalaria.”

EXPLICAÇÃO

Acredita-se que este cavaleiro tenha sido Sir Karl, o filho de Santa Brígida.

Sobre Cristo simbolizado por um ourives e as palavras de Deus pelo ouro; sobre como estas palavras devem ser transmitidas às pessoas com o amor de Deus, uma reta consciência; seus cinco sentidos sob controle; e sobre como os pregadores de Deus devem ser diligentes e não preguiçosos ao vender o ouro, isto é, ao transmitir a palavra de Deus.

Livro 2 – Capítulo 14

Sou como um habilidoso ourives que envia seu servo para vender seu ouro por toda a região, dizendo-lhe: “Tu deves fazer três coisas. Primeiro, não deves confiar meu ouro a ninguém exceto àqueles que têm visão calma e clara. Segundo, não o confies a pessoas que não têm consciência. Terceiro, coloque meu ouro à venda por dez talentos pesados duas vezes! Uma pessoa que se recusa a pesar meu ouro duas vezes não o receberá. Deves tomar cuidado com três armas que meu inimigo utiliza contra ti. Primeiro, ele quer fazer-te demorar a expor meu ouro. Segundo, ele deseja misturar metal inferior ao meu ouro para que os que o veem e o testem pensem que meu ouro não passa de barro podre.

Terceiro, ele instrui seus amigos para que te contradigam e clamem constantemente que meu ouro não é bom”. Eu sou como este ourives. Forjei tudo no Céu e na Terra, não com martelos e ferramentas, mas com meu poder e força. Tudo o que existe, existiu e existirá é previsto por mim. Nem mesmo um pequeno verme ou o menor dos grãos pode existir ou continuar a existência sem mim. Nem a menor coisa escapa da minha presciência, por que tudo vem de mim e é previsto por mim. Entre todas as coisas que criei, entretanto, as palavras que saíram de meus lábios são de grande valor, assim como o ouro é mais valioso do que outros metais.

É por isso que meus servos, através dos quais envio meu ouro por todo o mundo, devem fazer três coisas. Primeiro, eles não devem confiar meu ouro a pessoas que não tenham visão calma e clara. Você pode perguntar: “O que significa ter uma visão clara?” Bem, uma pessoa com visão clara é a que possui sabedoria divina junto com divina caridade. Mas como você pode saber isto? É óbvio. A pessoa que possui visão clara e que pode receber meu ouro é a que vive de acordo com a razão, que se afasta da vaidade e curiosidade humanas, que não busca nada tanto como Deus. Mas esta pessoa é cega se possui conhecimento, mas não põe em pratica a caridade divina que conhece. Ela parece ter seus olhos em Deus, mas não os tem, porque seus olhos estão no mundo e voltou suas costas para Deus.

Segundo, meu ouro não deve ser confiado a alguém que não tenha consciência. Quem possui consciência senão a pessoa que controla seus bens temporais e perecíveis com vistas à eternidade, que tem sua alma no Céu e seu corpo na Terra, que reflete diariamente sobre como irá deixar a Terra e responder a Deus sobre suas ações? Meu ouro deve ser confiado a tal pessoa. Terceiro, ele deve colocar meu ouro à venda por dez talentos pesados duas vezes. O que essa balança usada para pesar o ouro simboliza senão a consciência? O que as mãos que pesam o ouro simbolizam senão uma boa vontade e desejo? Quais são os contrapesos a serem usados senão o trabalho espiritual e o corporal?

Uma pessoa que quer comprar e guardar meu ouro, isto é, minhas palavras, deve examinar a si mesma corretamente na balança de sua consciência e considerar como irá pagar por eles com dez talentos cuidadosamente pesados de acordo com minha vontade. O primeiro talento é a visão disciplinada da pessoa. Isto a faz considerar a diferença entre a visão corporal e a espiritual, qual utilidade há na beleza e aparência físicas, quanta excelência há na beleza e glória dos anjos e dos poderes celestes que ultrapassam todas as estrelas do céu em esplendor, e que deleite uma alma possui nos mandamentos de Deus e em sua glória.

Este talento, quero dizer, a visão física e espiritual, que é encontrada nos mandamentos de Deus e na castidade, não são medidas na mesma balança. A visão espiritual conta mais que a corporal e pesa mais, visto que os olhos de uma pessoa devem ser abertos ao que é benéfico para a alma e necessário para o corpo, mas fechados para a tolice e a indecência.

O segundo talento é a boa audição. Uma pessoa deve considerar o preço da linguagem indecente, tola e zombeteira. Certamente, não vale mais do que um sopro de ar. É por isso que uma pessoa deve ouvir louvores e hinos de Deus. Deve ouvir os feitos e dizeres dos meus santos. Deve ouvir o que ele necessita para estimular na virtude sua alma e seu corpo. Este tipo de audição pesa mais na balança do que ouvir indecências. Este bom tipo de audição, quando é pesado na balança e comparado ao outro tipo, irá deslocar a balança muito para baixo, enquanto a outra, a audição vazia, se deslocará para cima, pois não pesará nada.

O terceiro talento é o da língua. Uma pessoa deve pesar a excelência e utilidade de um discurso edificante e bem cuidado, na balança de sua consciência. Deve considerar a nocividade e inutilidade de um discurso vão e negligente. Deve descartar o discurso vão e amar o bom.

O quarto talento é o paladar. Qual o paladar do mundo senão sofrimento? Trabalho duro no começo de uma empreitada, aflição à medida que continua e amargura no fim.

Portanto, uma pessoa deve pesar cuidadosamente o paladar espiritual e o mundano, mas o paladar espiritual pesará mais que o mundano. O paladar espiritual nunca é perdido, nunca se torna monótono, nunca diminui. Este tipo de paladar começa no presente através da contenção da luxúria e através de uma vida de moderação, e dura para sempre no Céu através do gozo de doces delicias de Deus.

O quinto talento é o sentido do tato. Uma pessoa deve pesar quanta preocupação e miséria ele sente por causa do corpo, quantas preocupações do mundo, todos os muitos problemas com seu vizinho. Então ele experimentará miséria em todos os lugares. Faça-o pesar também o quanto é grande a paz de espírito e a mente disciplinada; quanto bem há em não se preocupar com vãs e supérfluas posses. Então ele irá experimentará consolação em todos os lugares. Qualquer um que queira medir bem isso, deve colocar os sentidos espirituais e físicos na balança, e o resultado será que o espiritual supera o corporal. Esse tato espiritual inicia e se desenvolve através da tolerância paciente das contrariedades e através da perseverança nos mandamentos de Deus, e dura para sempre na alegria e no tranquilo repouso. Uma pessoa que atribui mais peso ao descanso físico e aos sentimentos e alegrias mundanos, do que aos da eternidade, não merece tocar meu ouro ou desfrutar minha felicidade.

O sexto talento é o trabalho humano. Uma pessoa deve pesar cuidadosamente em sua consciência, o trabalho espiritual e o material. O primeiro leva ao Céu, o segundo ao mundo; o primeiro a uma vida eterna sem sofrimento, o segundo a uma tremenda dor e sofrimento. Qualquer um que deseja meu ouro deve atribuir mais peso ao trabalho espiritual, que é feito por meu amor e pela minha glória, do que ao trabalho material, já que as coisas espirituais duram, enquanto as coisas materiais passam.

O sétimo talento é o uso ordenado do tempo. Uma pessoa recebe um certo tempo para devotar às questões espirituais sozinho, outro período para as funções corporais, sem as quais a vida é impossível (se são usadas de maneira sensata, são consideradas como uso espiritual do tempo), e outros períodos para atividades fisicamente uteis. Se uma pessoa deve prestar conta de seu tempo e também de suas ações, ela deve, então, dar prioridade ao uso espiritual do tempo antes de voltar-se ao trabalho material, e controlar seu tempo de forma que às coisas espirituais seja dada maior prioridade do que às coisas temporais, de forma que não seja permitido que o tempo passe sem analise e correto equilíbrio requerido pela justiça.

O oitavo talento é a justa administração dos bens temporais dados a uma pessoa, significando que uma pessoa rica, no que permite seus recursos, deve doar aos pobres com caridade divina. Mas você pode perguntar: “O que deve dar uma pessoa pobre se nada possui?” Ele deve ter a reta intenção e pensar o seguinte: “Se tivesse algo, eu alegremente o daria com generosidade”. Tal intenção é contada para ele como uma ação. Se a intenção do homem pobre é tal que ele gostaria de ter posses temporais como os outros, mas pretenderia doar uma pequena quantia e meras ninharias aos pobres, esta intenção é considerada como uma pequena ação. Então, uma pessoa rica com muitas posses deve praticar a caridade. Uma pessoa necessitada deve ter a intenção de dar e isso lhe renderá mérito. Aquele que dá mais peso ao temporal do que ao espiritual, que dá a mim um xelim, ao mundo cem e a si mesmo mil não usa um padrão de pesagem justo. Uma pessoa que usa um padrão como este não merece ter meu ouro. Eu, o doador de todas as coisas, e que também posso tirá-las, mereço a parte mais valiosa.

Os bens temporais foram criados para o uso e necessidade humana, não para o supérfluo. O nono talento é o exame cuidadoso dos tempos idos e passados. Uma pessoa deve examinar suas ações, que tipo de ações foram, o numero delas, como ele as corrigiu e com que mérito. Ele deve também ponderar se suas boas ações foram em menor número do que as más. Se ele achar que suas más ações são mais numerosas do que as boas, então ele deve ter um perfeito proposito de correção e estar verdadeiramente arrependido de seus maus atos. Esta intenção, se for verdadeira e firme, pesará mais na visão de Deus, do que todos os seus pecados.

O décimo talento é a consideração e o planejamento do tempo futuro. Se uma pessoa tem a intenção de não querer amar nada além das coisas de Deus, de não desejar nada além do que ele sabe que agrada a Deus, de com boa vontade e pacientemente aceitar as dificuldades, mesmo as penas do inferno, para dar a Deus alguma consolação e fazer a Sua vontade, então este talento sobrepuja todo o resto. Através deste talento todos os perigos são facilmente evitados. Aquele que pagar estes dez talentos terá meu ouro.

Entretanto, como eu disse, o inimigo quer impedir que as pessoas entreguem meu ouro de três formas. Primeiro, ele quer fazê-los lentos e preguiçosos. Existem ambos, a preguiça física e a espiritual. A de tipo físico é quando o corpo se cansa de trabalhar, de levantar-se e assim por diante. A preguiça espiritual é quando uma pessoa de mente espiritualizada, conhecendo do doce deleite e graça do meu Espírito, prefere descansar neste gozo em vez de sair e ajudar outros a compartilhar isso com ele. Pedro e Paulo não experimentaram o transbordante gozo do meu Espírito? Se fosse minha vontade, eles teriam repousado escondidos no fundo da terra com o gozo interior que possuíam, em vez de saírem para o mundo.

Entretanto, para que outros pudessem ser participantes do seu gozo e para instruir outras pessoas junto a eles, preferiram sair para o crescimento de outras pessoas e também para a maior glória delas, do que reterem sozinhos sem fortalecer outros com a graça que lhes foi concedida. De maneira semelhante, meus amigos, embora gostem de estar sozinhos e desfrutar o gozo que já têm, devem agora seguir em frente para que outros também possam ser participantes de sua alegria. Assim como alguém que tem muitas posses não as usufrui sozinho, mas as transmite a outros, assim também minhas palavras e minha graça não devem ficar escondidas e devem ser difundidas a outros, para que eles, também, possam ser edificados.

Meus amigos podem ajudar três tipos de pessoas. Primeiro, os condenados; segundo, os pecadores, isto é, àqueles que caem em pecados e se levantam novamente; terceiro, os bons que permanecem firmes. Mas você pode perguntar: “Como pode uma pessoa auxiliar os condenados, vendo que eles não são merecedores da graça e que é impossível para eles retornarem à graça?” Deixe-me responder através de uma comparação. É como se houvesse inúmeros buracos no fundo de um precipício e qualquer um que caísse neles necessariamente afundaria até o fim. Entretanto, se alguém tampasse um desses buracos, aquele que caísse poderia não mergulhar tão fundo como se nenhum buraco tivesse sido tampado. É isto o que acontece com os condenados. Embora, devido à minha justiça e sua própria e endurecida maldade, eles teriam que ser condenados em um certo e previsto momento, ainda a punição deles será mais leve se, através de outros, fossem bloqueados de fazer certas maldades e incentivados a fazer alguma coisa boa. É dessa forma que sou misericordioso mesmo para com os condenados. Embora a misericórdia clame por indulgência, a justiça e a sua própria maldade se contrapõem a isso.

Em segundo lugar, eles podem ajudar aqueles que caem, mas depois se levantam novamente, ensinando-os como se levantar, fazendo-os tomar cuidado para não cair, e instruindo-os a melhorar e a resistir às suas paixões.

Em terceiro, eles podem ser benéficos para os justos e perfeitos. Estes também não caem? É claro que sim, mas é para sua maior glória e humilhação do demônio. Assim como um soldado levemente ferido em batalha fica mais incitado devido à sua ferida e torna-se ainda mais afiado para a batalha, assim também a tentação demoníaca da adversidade incita os meus escolhidos ainda mais a continuarem a batalha espiritual e à humildade, e eles fazem ainda mais fervente progresso para conquistar a coroa da glória. Assim, minhas palavras não devem ficar escondidas de meus amigos, pois, tendo ouvido sobre a minha graça, eles ficarão ainda mais incitados à minha devoção.

O segundo método do meu inimigo é usar a fraude para fazer meu ouro parecer barro. Por isso, quando qualquer uma de minhas palavras for transcrita, o escritor deve trazer duas testemunhas confiáveis ou um homem de consciência provada, para certificar que ele examinou o documento. Somente depois disso pode ser transmitida a quem ele quiser para que não chegue sem ser certificada às mãos de inimigos que podem adicionar alguma coisa falsa e que possa levar as palavras da verdade a serem denegridas entre pessoas simples.

O terceiro método do meu inimigo é fazer seus próprios amigos pregarem resistência ao meu ouro. Meus amigos devem então dizer aos que os contradizem: “O ouro dessas palavras contém apenas três ensinamentos. Eles lhes ensinam a temer corretamente, a amar piamente, a desejar o Céu inteligentemente. Testem as palavras e vejam por si mesmos, e, se encontrarem qualquer outra coisa, contestem-na!”

Palavras de Cristo à esposa sobre como o caminho ao paraíso foi aberto pela sua vinda; sobre o amor ardente que ele nos mostrou suportando tantos sofrimentos por nós desde seu nascimento até sua morte, e sobre como o caminho para o inferno foi feito largo e o caminho para o paraíso estreito.

Livro 2 – Capítulo 15

Estás imaginando por que estou te dizendo tais coisas e por que estou te revelando tais maravilhas. É só por tua causa? Claro que não, é para a edificação e salvação dos outros. Tu sabes, o mundo era como um tipo de selva, na qual havia uma estrada que conduzia para baixo, ao grande abismo. No abismo havia duas câmaras. Uma era tão profunda que não tinha fundo e as pessoas que desciam para ela, nunca mais voltavam. A segunda não era tão profunda e assustadora como a primeira. Aqueles que desciam para ela tinham alguma esperança de ajuda; eles experimentavam saudade e demora, mas não miséria; escuridão, mas não tormento. As pessoas que moravam nessa segunda câmara, diariamente, ficavam enviando seus clamores a uma magnifica cidade vizinha, que era cheia de todas as coisas boas e todos os deleites.

Eles choravam fortemente, para que soubessem o caminho para a cidade. Entretanto, a floresta selvagem era tão grande e densa que eles não podiam atravessá-la ou conseguir qualquer avanço, por causa da sua densidade, e eles não tinham força para fazer um caminho nela. O que era o pranto deles? O pranto era: ‘Ó, Deus, vinde e ajudai-nos, mostrai-nos o caminho e iluminai-nos, estamos esperando por ti! Não podemos ser salvos por ninguém, a não ser por ti’. Estes prantos vieram aos meus ouvidos no paraíso e me levaram à misericórdia. Apaziguado por seus prantos, vim à selva como um peregrino.

Mas, antes de começar a trabalhar e fazer o meu caminho, uma voz falou à minha frente, dizendo: ‘O machado está posto na árvore’. Esta voz não era outra a não ser a de João Batista. Ele foi enviado antes de mim e clamava no deserto: ‘O machado está posto na árvore’, o que quer dizer: ‘Que a raça humana esteja pronta, pois o machado agora está pronto, e ele veio para preparar o caminho para a cidade; e está arrancando cada obstáculo’. Quando eu vim, trabalhei do nascer ao pôr-do-sol, ou seja, me dediquei à salvação da humanidade desde o momento da minha encarnação até minha morte na cruz. No começo da minha tarefa, fugi de meus inimigos dentro da selva, mais precisamente, de Herodes, que estava me perseguindo; fui testado pelo demônio e sofri a perseguição dos homens. Posteriormente, enquanto suportava bastante trabalho, comi e bebi e assumi, sem pecado, outras necessidades naturais a fim de construir a fé e mostrar que Eu realmente tinha assumido a natureza humana.

Enquanto eu preparava o caminho para a cidade eterna, ou seja, para o paraíso, e derrubava todos os obstáculos que apareciam, arbustos e espinhos arranhavam meu lado e unhas duras machucavam meus pés e mãos. Meus dentes e meu rosto foram severamente maltratados. Aguentei isso com paciência e não dei as costas, mas fui adiante ainda mais zelosamente, como um animal levado pela fome, que quando vê um homem segurando uma lança contra ele, avança contra a lança em seu desejo de pegar aquele homem. E quanto mais o homem enfia a lança nas entranhas do animal, mais o animal se arremete contra a lança em seu desejo de pegar o homem, até que finalmente suas entranhas e todo seu corpo são perfurados aqui e ali. Da mesma maneira, me inflamei com tanto amor pelas almas, que, quando experimentei todos esses severos tormentos, quanto mais ávidos os homens ficavam para me matar, mais ardente eu ficava em sofrer pela salvação das almas.

Assim, Eu fiz o meu caminho na selva desse mundo e preparei uma estrada através do meu sangue e suor. O mundo pode muito bem ser chamado uma selva, já que era vazio de todas as virtudes e continuou uma selva de vicio. Só havia uma estrada pela qual todos eram levados para o inferno, os condenados à maldição, os bons à escuridão. Eu ouvi misericordiosamente durante muito tempo, seus desejos de futura salvação e vim, como um peregrino, para trabalhar. Desconhecido por eles, em minha divindade e poder, preparei o caminho que leva ao Céu. Meus amigos viram este caminho e observaram as dificuldades do meu trabalho e minha ânsia de coração, e muitos deles me seguiram com alegria durante muito tempo.

Mas agora houve uma mudança na voz que costumava gritar: ‘Estejas pronto!’ Meu caminho mudou, arbustos e espinhos cresceram, e aqueles que estavam avançando nele, pararam. O caminho para o inferno se abriu. Ele é largo, e muitas pessoas andam por ele. Entretanto, para não deixar meu caminho completamente esquecido e negligenciado, meus poucos amigos ainda andam nele em seu anseio na busca de seus lares celestes, como os pássaros indo de arbusto em arbusto, escondidos, como era, e servindo-me com medo, já que nos dias de hoje, todos pensam que andar pelo caminho do mundo leva à felicidade e alegria.

Por essa razão, como minhas estradas se tornaram estreitas, enquanto a estrada do mundo se alargou, Eu estou agora gritando aos meus amigos na selva, ou seja, no mundo, que eles devem retirar os arbustos e espinhos da estrada que leva ao Céu e recomendar o meu caminho àqueles que estão fazendo seu caminho.

Como está escrito: ‘Bem-aventurados os que não me viram, e creram.’ Do mesmo modo, felizes são aqueles que agora acreditam nas minhas palavras e as põem em prática. Como vês, sou como uma mãe que corre para encontrar seu filho perdido. Ela segura uma lâmpada para que ele, no caminho, possa ver a estrada. Em seu amor ela vai encontrá-lo no caminho e encurtar sua jornada. Ela vai até ele e o abraça e acolhe. Com um amor como este eu correrei para encontrar meus amigos e todas as pessoas que regressam a mim, e darei a luz da divina sabedoria aos seus corações e almas. Eu os abraçarei com glória e os envolverei com a Corte Celeste onde não há nem céu acima nem terra abaixo, mas somente a visão de Deus; onde não há nem comida nem bebida, mas somente o prazer de Deus.

A estrada do inferno está aberta para o maus. Uma vez que eles entram nela, nunca mais sairão. Eles ficarão sem glória ou felicidade e estarão cheios de miséria e censura perpétuas. É, por isso, que falo estas palavras e revelo este meu amor, para que aqueles que tenham se afastado, possam voltar para mim e me reconhecer, seu Criador, a quem esqueceram.”

Palavras de Cristo à esposa sobre o porquê Ele falar com ela e não com outros melhores que ela; sobre três coisas ordenadas, três proibições, três proibidas e três permitidas, e três recomendadas à esposa;por Cristo, a lição mais excelente.

Livro 2 – Capítulo 16

Muitas pessoas pensam, por que falo contigo e não com outros que vivem uma vida melhor e tem me servido há mais tempo. Eu lhes respondo na forma de uma parábola: Um certo senhor possui muitos vinhedos em várias regiões diferentes. O vinho de cada vinhedo tem o sabor particular da região de onde vem. Uma vez que o vinho foi comprimido, o dono dos vinhedos, às vezes, bebe o vinho medíocre e mais fraco e não o melhor tipo. Se algum dos presentes o vê e perguntar ao senhor deles por que ele faz isso, ele responderá que esse vinho, em particular, tem um sabor bom e doce para ele naquele momento. Isto não quer dizer que o senhor se desfez dos melhores vinhos ou os desdenhou, mas que ele os reserva para seu uso e privilégio em uma ocasião apropriada, cada um deles para a ocasião que for apropriada. Esta é a forma que lido contigo.

Tenho muitos amigos, cujas vidas são mais doces do que o mel, mais deliciosas que qualquer vinho, mais brilhantes à minha vista do que o sol. Entretanto, me agrada escolher-te em meu Espírito, não por que és melhor que eles, ou igual a eles, ou mais qualificada, mas por que Eu quis – Eu, posso fazer sábios com os tolos e santos com os pecadores. Eu não te concedo tão grande graça, porque ponho os outros em desdém. Ao contrario, estou reservando-os para outro uso e privilégio como requer a justiça. Então, humilha-te a ti mesmo, de todas as formas, e não deixes nada perturbar-te a não ser teus pecados. Ame a todos, mesmo aqueles que parecem te odiar e difamar, pois eles estão apenas te proporcionando uma melhor oportunidade para ganhares tua coroa! Três coisas Eu ordeno-te que faças. Três coisas Eu mando que não faças. Três coisas Eu permito que faças. Três coisas Eu recomendo-te fazer.

Eu te mando fazer três coisas: Primeira, nada desejar, exceto teu Deus; segunda, rejeitar todo orgulho e arrogância; terceira, sempre odiar a luxúria da carne. Três coisas Eu ordeno que não faças. Primeira, não amar em vão, nem discursos indecentes; segunda, não comer excessivamente nem usar o supérfluo em outras coisas; terceira, fugir das alegrias mundanas e frivolidades. Eu permito que você faça três coisas: Primeira, dormir moderadamente para ter boa saúde; segunda, fazer vigílias moderadas para treinar o corpo; terceira, comer moderadamente para o fortalecimento e sustento do seu corpo.

Eu recomendo três coisas para você: Primeira, esforçar-te para jejuar e realizar bons trabalhos que obtenham a promessa do Reino do Céu; segundo, dispor tuas posses pela glória de Deus; terceira, Eu aconselho-te a pensar continuamente em duas coisas em teu coração. Primeiro, penses em tudo o que fiz, sofrendo e morrendo por ti; tal pensamento aumenta o amor a Deus. Segundo, consideres minha justiça e o julgamento final. Isto tranquiliza o temor em tua mente. Finalmente, há uma quarta coisa que eu tanto peço como ordeno, como recomendo e permito. Isto é, obedecer como é devido. Eu peço isso, já que sou teu Deus. Eu mando-te que não ajas de outra forma, já que sou teu Senhor. Eu te permito isso, já que sou teu Esposo. Eu também te recomendo isso, visto que sou teu Amigo”.

Palavras de Cristo à esposa sobre como a divindade de Deus pode ser verdadeiramente chamada de virtude; sobre as várias quedas da humanidade provocadas pelo demônio e sobre os vários remédios dados e providenciados através de Cristo para ajudar a humanidade.

Livro 2 – Capítulo 17

O Filho de Deus falou à esposa dizendo: “Acreditas firmemente que aquilo que o sacerdote segura em suas mãos é o corpo de Deus?” Ela respondeu: “Eu firmemente acredito nisso, assim como o Verbo enviado à Maria se tornou carne e sangue em seu ventre, como também o que agora vejo nas mãos do sacerdote acredito ser verdadeiro Deus e homem”. O Senhor respondeu a ela: “Eu sou o mesmo que está falando contigo permanecendo eternamente na natureza divina, tendo me tornado humano no ventre da Virgem, mas sem perder minha divindade. Minha divindade, certamente, pode ser chamada de virtude, já que há duas coisas nela: o poder mais poderoso, a fonte de todo poder, a sabedoria mais sabia a fonte e assento de toda sabedoria. Nessa natureza divina todas as coisas que existem são ordenadas sabiamente e racionalmente.

Não há um pequeno ponto no céu que não esteja nela e que não tenha sido estabelecido ou previsto por ela. Nenhum único átomo na Terra ou faísca no inferno está fora da sua regra e pode se esconder da sua presciência. Você sabe por que Eu disse ‘nenhum pequeno ponto no céu’? Bem, um ponto seria o traço final em uma palavra. De fato, a palavra de Deus é o traço final em todas as coisas e foi determinado para a glorificação de todas as coisas. Porque eu disse ‘nenhum único átomo na Terra,’ senão porque todas as coisas terrestres são transitórias? Nem mesmo átomos, por pequenos que sejam, estão fora do plano e da providência de Deus. Porque eu disse ‘nenhuma faísca no inferno’, senão porque não há nada no inferno exceto a inveja? Assim como a faísca vem do fogo, todos os tipos de maldade e inveja vêm dos espíritos impuros, com o resultado que eles e seus seguidores sempre tem inveja, mas nunca o amor de qualquer tipo

Portanto, o perfeito conhecimento e poder estão em Deus, e é por isso que cada coisa é assim disposta, que nada é maior do que o poder de Deus, nem nada pode ser feito contrário a razão, pois todas as coisas foram feitas racionalmente, adequadas à natureza de cada coisa. Então, a natureza divina, que pode corretamente ser chamada de virtude, mostrou sua maior virtude na criação dos anjos. Ela os criou para sua própria glória e para deleite deles, de forma que para isso eles devem ter caridade e obediência; caridade, pela qual amem somente a Deus; obediência, pela qual obedeçam a Deus em todas as coisas. Alguns dos anjos foram, por maldade, desviados e, por maldade, colocaram sua vontade contra essas duas coisas. Eles voltaram suas vontades diretamente contra Deus, ao ponto de que a virtude se tornou odiosa para eles e, portanto, aquilo que era oposto a Deus se tornou adorável a eles. Por causa dessa direção desordenada da suas vontades, eles mereceram cair. Não foi Deus que causou a queda deles, mas eles mesmos a causaram através do abuso de seus próprios conhecimentos.

Quando Deus viu a redução no número da população da morada celestial que tinha sido causada pelos seus pecados, Ele, novamente, mostrou o poder de sua divindade. Em troca, ele criou os seres humanos em corpo e alma. Ele lhes deu dois bens, ou seja, a liberdade para fazer o bem e a liberdade para evitar o mal, porque, já que, mais nenhum anjo seria criado, foi conveniente que os seres humanos deveriam ter a liberdade para subir, ao patamar angelical, se desejassem. Deus também deu à alma humana dois bens, isto é, uma mente racional, com a finalidade para distinguir uma coisa da outra e o melhor do excelente; e a fortaleza para perseverar no bem. Quando o demônio viu este amor de Deus pela humanidade, ele o considerou, então, em sua inveja: ‘Deus criou algo novo que pode subir ao nosso lugar e, pelo seu próprio esforço, ganhar aquilo que perdemos por negligência!

Se nós conseguirmos enganá-lo e causar sua queda, ele vai parar seus esforços e, então, ele não vai subir a tal nível’. Então, tendo feito um plano de embuste, eles enganaram o primeiro homem e prevaleceram sobre ele com minha justa permissão. Mas, como e quando o homem foi derrotado? Na verdade, quando ele deixou de lado a virtude e fez o que era proibido, quando a promessa da serpente o agradou mais do que a obediência a mim. Devido a esta desobediência, ele não poderia viver no paraíso, já que ele tinha desprezado a Deus, e nem no inferno, já que sua alma, usando a razão, examinou cuidadosamente o que tinha feito e teve arrependimento de seu crime.

Por esse motivo, o Deus de virtude, considerando a desgraça humana, arranjou um tipo de aprisionamento ou lugar de cativeiro, onde as pessoas pudessem reconhecer suas fraquezas e se reparar quanto a sua desobediência, até que merecessem alcançar o nível que eles perderam. O demônio, enquanto isso, levando isso em consideração, quis matar a alma humana por meio da ingratidão. Injetando sua imundície dentro da alma, ele tanto escureceu seu intelecto que ela não tinha nem amor nem temor de Deus. A justiça de Deus foi esquecida e seu julgamento desprezado. Por essa razão, a bondade e os dons de Deus não eram mais apreciados, e caíram no esquecimento.

Assim, Deus não foi amado, e a consciência humana estava tão escurecida que a humanidade ficou em um estado desprezível e caiu ainda em maior desgraça. Embora a humanidade estivesse em tal estado, ainda a virtude de Deus não faltava; em vez disso, Ele revelou sua misericórdia e justiça. Ele mostrou sua misericórdia quando revelou a Adão e outras boas pessoas que eles poderiam obter ajuda em um tempo pré-determinado. Isto incitou o fervor e o amor deles a Deus. Ele também revelou sua justiça através do dilúvio no dia de Noé, que encheu os corações humanos com o temor de Deus. Mesmo depois daquilo, o demônio ainda não deixou de molestar, mais tarde, a humanidade, e a atacou por meio de outras duas maldades. Primeira, ele inspirou a incredulidade nas pessoas; segunda, a desesperança. Ele inspirou a incredulidade para que as pessoas não pudessem acreditar na palavra de Deus, mas pudessem atribuir seus milagres à sorte. Ele inspirou a desesperança para que não esperassem serem salvos e obtivessem a glória que haviam perdido.

O Deus da Virtude forneceu dois remédios para combater essas duas maldades. Contra a desesperança, ofereceu a esperança, dando a Abraão um novo nome e prometendo-lhe que do seu sêmen nasceria aquele que lhe conduziria e aos seguidores de sua fé, de volta à herança perdida. Ele também apontou profetas aos quais ele revelou a forma de redenção, e os tempos e locais de seu sofrimento. A respeito da segunda maldade, da incredulidade, Deus falou a Moisés e lhe revelou sua vontade e sua Lei, apoiando suas palavras com presságios e ações. Embora, tudo isso tenha sido feito, ainda o demônio não desistiu de sua maldade. Constantemente instiga a humanidade a piores pecados, inspira outras duas atitudes no coração humano: primeira, considerar a lei como insuportável e que faz perder a paz do coração o tentar cumpri-la; segunda, inspira a ideia de que a decisão de Deus de morrer e sofrer por caridade é incrível e muito difícil de acreditar.

Novamente, Deus proporcionou dois remédios para essas duas maldades. Primeiro, ele enviou seu próprio Filho ao ventre da Virgem a fim de que ninguém perdesse a paz da mente sobre quão difícil de ser cumprida era a prática da Lei, já que tendo assumido a natureza humana, seu Filho cumpriu as exigências da Lei e então a tornou menos rigorosa. A respeito da segunda maldade, Deus demonstrou a perfeição da virtude. O Criador morreu pela criação, o justo pelos pecadores. Inocente, Ele sofreu até a última gota, como tinha sido dito pelos profetas. Mesmo assim, a perversidade do demônio não cessou, e novamente ele se levantou contra a humanidade, inspirando mais duas maldades. Primeiro, inspirou o coração humano a desprezar minhas palavras, segundo, a levar meus feitos a caírem no esquecimento.

A virtude de Deus começou, novamente, a indicar dois novos remédios contra esses dois males. O primeiro é honrar minhas palavras e se responsabilizar por imitar minhas ações. É, por isso, que Deus os guia por seu Espírito. Ele também revelou sua vontade na Terra para seus amigos através de ti por duas razões em particular. A primeira é para revelar a misericórdia de Deus, de forma que as pessoas possam aprender a se lembrar do amor e sofrimento de Deus. A segunda, é para lembrá-los da justiça de Deus e para fazê-los temer a severidade do meu julgamento.

Portanto, diga a este homem que, em vista de que minha misericórdia já veio, ele deve trazê-la à luz para que as pessoas possam aprender a buscar a misericórdia e ficarem atentas aos próprios julgamentos. Além disso, diga a ele que, embora minhas palavras tenham sido escritas, elas ainda devem primeiro ser pregadas e colocadas em prática. Podes entender isso por meio de uma metáfora. Quando Moisés estava para receber a Lei, um cajado foi feito e duas tabuas de pedras foram cortadas. Entretanto, ele não fez milagres com o cajado até que houvesse uma necessidade e a ocasião demandasse isso. Quando a hora certa chegou, houve uma demonstração de milagres e minhas palavras foram provadas pelos feitos.

Do mesmo modo, quando a Nova Lei chegou, primeiro meu corpo cresceu e se desenvolveu até o momento adequado, e a partir daí minhas palavras foram ouvidas. Entretanto, embora minhas palavras tenham sido ouvidas, elas ainda não tiveram força e resistência em si até serem acompanhadas pelos meus feitos. E elas não foram cumpridas até que cumpri todas as coisas que foram profetizadas sobre mim através da minha paixão. Agora é a mesma coisa. Embora minhas palavras de amor tenham sido escritas e devessem ser transmitidas ao mundo, elas ainda não podem ter nenhuma força até que sejam completamente trazidas à luz.”

Sobre três coisas maravilhosas que Cristo fez à esposa; sobre como a visão dos anjos é muito bela e a dos demônios muito feia, tão feia para a natureza humana suportar; e sobre por que Cristo condescendeu a vir como um hóspede a uma viúva como ela.

Livro 2 – Capítulo 18

Eu fiz três coisas maravilhosas para ti. Tu vês com os olhos espirituais. Ouves com ouvidos espirituais. Com o toque físico da tua mão sentes meu Espírito no teu peito. Tu não vês como é de fato, a visão que enxergas. Porque se visses a beleza espiritual dos anjos e das almas santas, teu corpo não poderia suportar vê-las e quebraria como um vaso, quebrado e decaído, devido a alegria da alma nessa visão. Se visses os demônios como eles são, ou continuarias vivendo com grande tristeza ou morrerias subitamente frente à terrível visão deles. É por isso, que os seres espirituais aparecem para ti como se tivessem corpo.

Os anjos e as almas aparecem para ti na semelhança de seres humanos que têm alma e vida, porque os anjos vivem pelo seus espíritos. Os demônios aparecem para ti em uma forma que é mortal, e pertencem à mortalidade, tais como animais ou outras criaturas. Tais criaturas possuem um espírito mortal, pois quando seus corpos morrem seus espíritos também morrem. Entretanto, os demônios não morrem em espírito, mas estão para sempre morrendo e vivem para sempre. As palavras espirituais te são ditas por meio de analogias, já que não podes compreendê-las de outra forma. A coisa mais maravilhosa de tudo é que tu sentes a moção de meu Espírito em teu coração.”

Então ela replicou: “Ó, meu Senhor, Filho da Virgem, por quê condescendestes a vir como um hóspede a uma viúva tão comum, que é pobre em todo o trabalho bom e tão fraca na compreensão e no discernimento e cheia de pecado por tanto tempo?” Ele respondeu: “Eu posso fazer três coisas. Primeira, Eu posso fazer, capaz e inteligente, uma pobre pessoa rica, e uma pessoa tola, de pouca inteligência. Eu também sou capaz de dar juventude à uma pessoa velha. É como a fênix que reagrupa galhos secos. Entre eles há galhos de árvores que são secos por natureza, do lado de fora, mas úmidos por dentro. O calor dos raios solares vem nele primeiro e o acende e, depois todos os galhos pegam fogo a partir dele. Da mesma maneira tu deves juntar as virtudes pelas quais podes ser reparada a partir de teus pecados.

Entre eles, podes ter um pedaço de madeira que seja úmido por dentro e seco por fora; Eu quero dizer, teu coração, que pode estar seco e puro de toda sensualidade mundana, por fora, e tão cheio de amor por dentro, que não precisas de nada e nem anseias por nada, que não seja Eu. Então, o fogo do meu amor virá primeiro em teu coração, e desse modo serás incendiada com todas as virtudes. Completamente queimada por elas e purificada dos pecados, surgirás como o pássaro rejuvenescido, tendo tirado todos os pecados de sensualidade”.

Palavras de Cristo à esposa sobre como Deus fala a seus amigos através de seus pregadores e por meio dos sofrimentos; como Cristo é simbolizado por um apicultor, a Igreja uma colmeia, e os Cristãos abelhas; e sobre como os maus Cristãos são permitidos viver entre os bons.

Livro 2 – Capítulo 19

Eu sou teu Deus. Meu Espírito te levou a ouvir, a ver e a sentir: a ouvir minhas palavras, a ter visões e a sentir Meu Espírito com o gozo e a devoção da tua alma. Toda misericórdia se encontra em Mim junto com a justiça, e há misericórdia em minha justiça. Eu sou como um homem que vê seus amigos se afastarem dele, para baixo, por um caminho onde há um terrível abismo do qual é impossível subir. Eu falo a esses amigos através das pessoas que tem entendimento da Escritura. Eu falo com um alerta; Eu os aviso do perigo. Mas, eles somente agem de forma contrária. Eles se encaminham para o impasse e não se importam com o que eu digo.

Tenho apenas uma coisa a dizer: ‘Pecador, voltai para mim! Seguistes para o perigo; há armadilhas, ao longo do caminho, do tipo que ficam ocultas para ti devido à escuridão do teu coração’. Eles desprezam o que eu falo. Ignoram minha misericórdia. Entretanto, embora minha misericórdia seja tal que Eu previno os pecadores, minha justiça é tal que, mesmo que todos os anjos fossem puxá-los de volta, eles não poderiam se converter enquanto eles mesmos não dirigissem sua vontade para o bem. Se eles voltassem sua vontade para mim e me dessem o consentimento de seus corações, nem todos os demônios juntos poderiam impedi-los.

Existe um inseto conhecido como abelha que é mantida por seu senhor e mestre. As abelhas mostram respeito de três formas a sua regente, a abelha rainha, e recebem seus benefícios dela, de três formas. Primeiro, as abelhas carregam todo o néctar que encontram para sua rainha. Segundo, elas ficam ou se apresentam à sua disposição, e para onde quer que voem ou onde quer que apareçam, seu amor e caridade são sempre para a rainha. Terceiro, elas seguem e servem a ela, se colocando sempre a seu lado. Em recompensa por essas três coisas, as abelhas recebem um benefício triplo de sua rainha.

Primeiro, por sinal dá a elas um tempo estabelecido para saírem e trabalharem. Segundo, ela lhes dá diretivas e amor mútuo. Por causa de sua presença e regras e por causa do amor que a rainha tem por elas, e elas para com a rainha, todas as abelhas são unidas entre si com amor e cada uma se regozija com as outras no seu progresso. Terceiro, elas são produtivas por meio do amor mútuo e da alegria de sua líder. Assim como os peixes descarregam seus ovos enquanto brincam juntos no mar, e seus ovos caem no mar e são fertilizados, assim também as abelhas são feitas produtivas, através de seu amor mútuo e do afeto e alegria de sua rainha. Através do meu impressionante poder, uma semente, aparentemente sem vida, emerge do amor delas e vem a receber vida através da minha bondade.

O mestre, ou seja, o apicultor, fala com seus servos mostrando interesse pelas abelhas: ‘meu servo, ’ ele diz, ‘parece que minhas abelhas estão doentes e não voam mais.’ O servo responde: ‘Eu não entendo esta doença, mas se ela é assim, eu te pergunto como posso aprender sobre ela?’ O mestre responde: ‘Tu podes deduzir sobre a doença ou o problema delas, através de três sinais. O primeiro sinal é que elas estão fracas e lentas no voo, o que significa que elas perderam a rainha da qual recebam força e consolação. O segundo sinal é que elas saem por horas, aleatoriamente e sem planejamento, o que significa que não estão recebendo o sinal do chamado de sua líder.

O terceiro sinal é que elas não demonstram nenhum amor pela colmeia, e, assim, voltam para casa, sem carregar nada, satisfazendo-se, mas não trazendo néctar para sobreviverem no futuro. Abelhas saudáveis são estáveis e fortes no voo. Elas têm horas marcadas para saírem e retornarem, trazendo cera para construir suas moradas e mel para sua nutrição.’ O servo responde ao mestre: ‘Se elas estão inúteis e doentes, por quê permites que continuem saindo ao invés de acabar com elas?’ O apicultor respondeu: ‘Eu permito que elas vivam por três razões, já que elas proveem três benefícios, embora não pelo próprio poder.

Primeiro, por que elas ocupam as colmeias preparadas para elas, as moscas não vêm e ocupam as colmeias vazias perturbando as abelhas boas que permanecem. Segundo, outras abelhas se tornam mais produtivas e aplicadas no trabalho devido à ruindade das abelhas más. As abelhas produtivas veem as abelhas más e improdutivas trabalhando somente para satisfazer seus próprios desejos, e elas se tornam mais diligentes em seu trabalho de coletar para a rainha à medida que as abelhas ruins são vistas coletando para seus próprios desejos. Em terceiro lugar, as abelhas más são úteis para as abelhas boas quando vêm para sua mútua defesa. Para isso, há um inseto voador acostumado a comer abelhas. Quando as abelhas percebem esse inseto se aproximando todas elas o repudiam em comum.

Embora as más abelhas lutem e o odeiem, por inveja e autodefesa, enquanto as boas o fazem por amor e justiça, ambas, abelhas boas e más, trabalham juntas, para atacarem esses insetos. Se todas as abelhas más fossem banidas e só restassem as boas, estes insetos iriam facilmente prevalecer sobre elas, já que então seriam poucas. É por isso, disse o mestre, ‘que eu suporto as abelhas más. Entretanto, quando o outono chega, Eu cuidarei das abelhas boas, e as separarei das abelhas más, pois se elas fossem deixadas fora da colmeia, morreriam de frio.

Mas, se elas continuam dentro e não coletam, elas vão correr o risco de inanição, já que se omitiram de coletar alimento quando podiam.’

Eu sou Deus, o Criador de todas as coisas; Sou o Dono e Senhor das abelhas. Pelo meu amor ardente e pelo meu sangue eu fundei minha colmeia, ou seja, a Santa Igreja, na qual os Cristãos devem trabalhar e habitar em unidade de fé e de amor mútuo. Sua morada são seus corações e o mel de bons pensamentos e afeições devem residir neles. Este mel deve ser trazido para lá, através da consideração do meu amor pela criação, de meu trabalho na Redenção, da minha paciente tolerância e da misericórdia em chamar de volta e recuperar.

Nesta colmeia, ou seja, na Santa Igreja, há dois tipos de pessoas, assim como há dois tipos de abelhas. Os primeiros são aqueles cristãos maus que não coletam néctar para mim, mas para eles mesmos. Eles retornam sem nada e não reconhecem seu líder. Eles possuem um ferrão em vez de mel e luxúria em vez de amor. As boas abelhas representam os bons Cristãos. Eles me demonstram respeito de três maneiras. Primeiro, eles me têm como seu líder e Senhor, oferecendo-me mel doce, ou seja, trabalhos de caridade, que são agradáveis a mim e úteis para eles. Segundo, eles aguardam minha vontade. A vontade deles concorda com a minha, todos os seus pensamentos estão em minha Paixão, todas as suas ações são para a minha glória. Terceiro, eles me seguem, ou seja, eles me obedecem em tudo.

Onde quer que estejam, fora ou dentro, tristes ou alegres, seus corações estão sempre ligados ao meu. É por isso que eles obtêm benefícios meus de três formas. Primeiro, pelo chamado da virtude e minha inspiração, eles possuem tempo fixo e certo, escuridão durante a noite e luz durante o dia. De fato, eles mudam a noite pelo dia, ou seja, a felicidade mundana pela felicidade eterna e a felicidade perecível pela estabilidade sem fim. Eles são sensíveis em todos os aspectos, já que fazem uso de seus bens presentes para suas necessidades; eles são leais na adversidade, cautelosos no sucesso, moderados nos cuidados ao corpo, e cuidadosos e circunspectos em suas ações. Segundo, como as abelhas boas, eles têm amor mútuo, de forma que são todos um só coração para comigo, amando seu próximo como a si mesmos e a mim acima de tudo, mesmo acima deles.

Terceiro, eles se tornam produtivos através de mim. O que é ser produtivo senão ter meu Espírito Santo e ser cheio dele? Qualquer um que não O possua e não tenha seu mel é improdutivo e inútil; ele cai e perece. Entretanto, o Espírito Santo coloca a pessoa no qual habita, abrasada por seu amor divino; ele abre os sentidos da sua mente; ele arranca o orgulho e a incontinência; ele estimula a alma para a glória de Deus e ao desprezo do mundo.

As abelhas improdutivas não conhecem este Espírito e, portanto, desdenham a disciplina, fugindo da unidade e do companheirismo do amor. Elas são vazias de boas ações; trocam a luz do dia pela escuridão, a consolação pela lamentação, a felicidade pela tristeza. Apesar disso, Eu os deixo viver por três motivos. Primeiro, para que as moscas, isto é, os pagãos, não entrem nas moradas que foram preparadas. Se os maus fossem removidos todos de uma vez, seriam deixados muito poucos bons Cristãos, e por causa desse baixo número, os pagãos estariam em maioria, viriam e viveriam lado a lado com eles, causando-lhes muita perturbação. Segundo, eles são tolerados para testar os bons Cristãos, pois, como sabes, a perseverança das pessoas boas é colocada em teste pela maldade dos maus.

A adversidade revela quão paciente uma pessoa é, enquanto a prosperidade torna claro quão perseverante e controlada ela é. Já que os vícios os incitam a boas características de tempo em tempo, e as virtudes podem muitas vezes fazer as pessoas orgulhosas, aos maus, é permitido viver ao lado dos bons, para que os bons não se enfraqueçam por causa de tanta alegria ou adormeçam na indolência e, também, para que eles possam frequentemente fixar sua atenção em Deus. Onde há pouco esforço também há pouca recompensa. Em terceiro lugar, eles são tolerados em benefício deles, para que nem os gentios nem outros hostis infiéis possam ferir aqueles que parecem ser bons Cristãos, mas para que possam temê-los, porque há mais deles. Os bons oferecem resistência aos maus por Justiça e amor de Deus, enquanto os maus fazem isso somente por defesa própria e para evitar a fúria de Deus. Assim, os bons e os maus se ajudam uns aos outros, resultando na tolerância dos maus por causa dos bons e os bons recebem uma coroa maior por conta da maldade dos maus.

Os apicultores são os prelados da Igreja e os príncipes da Terra, bons ou maus. Eu falo aos cultivadores bons e Eu, seu Deus e Cultivador, advirto-os para manterem minhas abelhas seguras. Que ele considerem as idas e vindas das abelhas! Que tomem nota se estão saudáveis ou doentes! Se acontecer deles não saberem como discernir isto, aqui estão três sinais que lhes dou para eles reconhecerem. As abelhas são inúteis se estão indolentes no voo, irregulares em suas horas e não contribuem em nada para trazer o mel. As indolentes no voo são aquelas que mostram maior interesse para os bens temporários do que para os eternos, que temem a morte do corpo mais do que a morte da alma, que dizem para si próprias: ‘Por quê eu deveria estar cheia de inquietações, quando eu posso estar quieta e em paz? Por quê eu devo morrer para mim se eu posso viver?’

Estas infelizes não refletem sobre como Eu, o poderoso Rei da Glória, escolhi ser fraco. Eu conheço a maior quietude e paz, e de fato, Eu sou a paz, e apesar disso, por elas, escolhi abrir mão da paz e da quietude, através da minha própria morte. Elas são irregulares em suas horas onde suas afeições tendem para o mundano, suas conversas tendem para a indecência, seu trabalho para o egoísmo, e organizam seu tempo de acordo com a vontade de seus corpos. Aquelas que não possuem nenhum amor pela colmeia e não coletam néctar, são as que fazem algumas boas ações por minha causa, mas apenas por medo de punição. Mesmo que elas façam alguns trabalhos de piedade, ainda não desistem do seu egoísmo e pecado. Querem ter Deus, mas sem desistir do mundo ou aguentar qualquer desejo ou dificuldade.

Estas abelhas são do tipo que correm para casa com as patas vazias, e sua corrida é insensata, pois que elas não voam com a especie de amor correta. Consequentemente, quando chega o outono, isto é, quando vem o tempo da separação, as abelhas inúteis serão separadas das boas e elas sofrerão fome eterna em troca do seu amor e desejos egoístas. Em troca, por desdenhar Deus e pela aversão delas à virtude, serão destruídas por frio excessivo, mas sem serem consumidas.

De qualquer forma, meus amigos devem estar alertas contra três maldades das abelhas más. Primeiro, para não permitir que a podridão delas entre nos ouvidos dos meus amigos, pois as abelhas más são venenosas. Quando o mel delas se vai, nada doce fica nelas; ao invés, elas ficam repletas de amargura envenenada. Segundo, eles devem proteger as pupilas de seus olhos contra as asas das abelhas más, que são tão cortantes quanto as lâminas. Terceiro, eles devem tomar cuidado para não expor seus corpos às caudas das abelhas, pois elas possuem ferrões que picam agudamente. Os instruídos que estudam seus hábitos e temperamento podem explicar o significado destas coisas. Aqueles que são incapazes de compreender deveriam estar precavidos dos riscos e evitar sua companhia e exemplo. Senão, eles aprenderão, por experiência, o que não souberam aprender escutando.”

Então sua Mãe disse: “Abençoado és tu, meu Filho, tu que és, foste, e sempre serás! Tua misericórdia é doce e tua justiça grande. Tu me fazes lembrar, meu Filho – falando figurativamente – de uma nuvem subindo ao céu por uma brisa leve. Um ponto escuro apareceu na nuvem e uma pessoa que estava ao ar livre, sentindo a leve brisa, levantou seus olhos, viu a nuvem escura e pensou consigo: ‘Esta nuvem escura me parece indicar chuva.’ E, prudentemente, ela correu para dentro de um abrigo e se escondeu da chuva.

Outros, entretanto, que eram cegos ou que talvez não tomaram cuidado, fizeram pouco da brisa leve e não ficaram com medo da nuvem escura, embora tenham aprendido pela experiência o que a nuvem significava. A nuvem, tomando conta de todo o céu, veio com violenta comoção, tão furiosa e poderosa como fogo, que as coisas vivas expiraram sob essa comoção. O fogo tanto consumiu todas as partes internas e externas do homem, que nada sobrou.

Meu Filho, esta nuvem são tuas palavras, as quais parecem escuras e inacreditáveis para muitas pessoas, já que elas não as escutaram muito e já que elas foram dadas às pessoas ignorantes e não tenham sido confirmadas por sinais. Estas palavras foram precedidas por minha prece e pela misericórdia que tens por cada um e, como uma mãe, atrai todos a Ti.

A misericórdia é tão leve quanto uma brisa suave por causa da tua paciência e permissão. Ela é aquecida com o amor com o qual tu ensinas misericórdia àqueles que te provocam ira e ofereces bondade àqueles que te desprezam. Portanto, possam todos aqueles que ouvem estas palavras levantar seus olhos, ver e reconhecer a sua fonte. Eles devem considerar se estas palavras significam compaixão e humildade. Eles devem refletir se as palavras significam coisas presentes ou futuras, verdade ou falsidade. Se eles acharem que as palavras são verdadeiras, deixe-os correrem para um abrigo, isto é, à verdadeira humildade e amor de Deus. Porque, quando a justiça vier, a alma estará, então, separada do corpo, engolfada pelo fogo e queimada externa e internamente. Para ser mais exata, irá queimar, mas não será consumida. Por esta razão, Eu, a Rainha da misericórdia, clamo aos habitantes do mundo: que levantem seus olhares e enxerguem a misericórdia! Eu admoesto e suplico como uma mãe; eu aconselho como uma senhora soberana.

Quando a justiça vier, será impossível resistir a ela. Portanto, tenha confiança e seja considerada, teste a verdade em tua consciência, mude tua vontade, então Aquele que te mostrou palavras de amor também mostrará os feitos e provas de amor!” Então o Filho falou para mim, dizendo: “Acima, considerando as abelhas, Eu te mostrei que elas recebem três benefícios de sua rainha. Agora te digo que aqueles cruzados que eu tenho colocado nas fronteiras das terras cristãs deveriam ser abelhas como aquelas. Mas, agora eles estão lutando contra mim, porque eles não se preocupam com as almas e não possuem nenhuma compaixão dos corpos daqueles que se converteram do erro para a fé Católica e para mim.

Eles os oprimem com dificuldades e os privam de suas liberdades. Eles não os instruem na fé, mas os privam dos sacramentos e os mandam para o inferno com uma punição maior do que se eles tivessem permanecido em seu paganismo tradicional.

Alem disso, eles lutam somente para elevar seu próprio orgulho e aumentar sua ambição. Portanto, o tempo está chegando para eles quando os seus dentes rangerão, sua mão direita será mutilada, seu pé direito decepado, para que eles possam viver e conhecer a si mesmos.”

O desgosto de Deus com respeito a três homens que vão agora pelo do mundo; sobre como, desde o principio Deus estabeleceu três estados nomeados, o do clero, o dos defensores e dos trabalhadores; sobre a punição preparada para os ingratos, e sobre a glória dada aos gratos.

Livro 2 – Capítulo 20

O grande anfitrião do Céu foi visto, e Deus falou a ele, dizendo: “Embora tu conheças e vejas todas as coisas em mim, entretanto, por que este é meu desejo, Eu vou declarar minha queixa diante de ti, referente a três coisas. A primeira é que aquelas formosas colmeias, que foram construídas no Céu desde toda eternidade e das quais aquelas abelhas inúteis foram expulsas, estão vazias. A segunda é que a cova sem fundo, contra a qual nem pedras nem árvores são de nenhuma ajuda, continua sempre aberta. As almas descem para dentro dela como neve caindo do céu para a terra. Assim como o sol dissolve a neve em água assim também, as almas são dissolvidas de todo bem por aquela terrível tormenta e são renovadas para cada punição. Minha terceira queixa é que poucas pessoas percebem a queda das almas ou as moradas vazias das quais os anjos maus se desviaram. Portanto, Eu estou correto em me queixar.

Desde o princípio escolhi três homens. Desta forma estou falando figurativamente de três estados no mundo. Primeiro, Eu escolhi o clérigo para proclamar minha vontade em suas palavras e demonstrá-las em suas ações. Segundo, Eu escolhi um defensor para defender meus amigos com sua própria vida e estarem prontos para qualquer tarefa por mim. Terceiro, escolhi um trabalhador para trabalhar com suas mãos a fim de prover alimento para o corpo através de seu trabalho.

O primeiro homem, isto é, o clero, agora está leproso e mudo. Qualquer um que olhe para ver um caráter bom e virtuoso nele, se contrai ante a visão e treme para se aproximar dele devido à lepra de seu orgulho e ambição. Quando ele quer ouvi-lo, o sacerdote está mudo para me glorificar, mas tagarela para glorificar a si mesmo.

Então, como é o caminho a ser aberto que leva a grande alegria, se aquele que deve estar liderando é tão fraco? E se aquele que deve estar proclamando o caminho é mudo, como será ouvido sobre essa grande alegria? O segundo homem, o defensor, treme em seu coração e suas mãos estão desocupadas? Ele treme causando escândalo no mundo e perde sua reputação. Suas mãos estão desocupadas pois ele não realiza nenhum trabalho santo. Ao invés disso, tudo o que ele faz é para o mundo. Então, quem irá defender meu povo se aquele que deveria ser seu líder está com medo?

O terceiro homem é como um asno que abaixa a cabeça para o chão e fica com suas quatro patas juntas. De fato, as pessoas são como um asno que não almeja nada, a não ser coisas da terra, que negligenciam as coisas do Céu e vão à busca de bens perecíveis. Elas possuem quatro patas já que possuem pouca fé e a sua esperança é vã; terceiro, elas não têm bom trabalhos; e quarto, elas estão inteiramente propensas a pecar. É por isso, que a boca deles sempre está aberta para a gulodice e a ambição. Meus amigos, como pode aquela cova infindável ser reduzida ou o favo ser preenchido por pessoas como estas?”

A Mãe de Deus respondeu: “Bendito sejas, meu Filho! Tua reclamação é justificada. Teus amigos e eu temos apenas uma palavra de desculpa para salvar a raça humana. Ela é assim: ‘Tenha misericórdia, Jesus Cristo, Filho do Deus Vivo!’ Este é meu clamor e o de teus amigos.” O Filho replicou: “Tuas palavras são doces para meus ouvidos, seu sabor deleita minha boca, elas entram em meu coração com amor. Eu tenho um clérigo, um defensor e um camponês O primeiro me agrada como uma esposa por quem um honesto noivo anseia e espera com divino amor. Sua voz será como a voz de uma fala clamorosa que ecoa nas florestas. O segundo estará pronto para dar sua vida por mim e não irá temer a censura do mundo. Eu vou armá-lo com as armas do meu Santo Espírito. O terceiro terá uma fé tão firme que irá dizer: ‘Eu acredito tão firmemente quanto se eu visse o que eu acredito. Eu espero por todas as coisas que Deus prometeu.’ Ele terá a intenção de fazer o bem e crescer na virtude evitando o mal.

Na boca do primeiro homem Eu devo colocar três falas para ele proclamar. Sua primeira proclamação será: ‘Deixe aquele que tem fé por em pratica aquilo em que ele acredita!’ A segunda: ‘Deixe aquele que tem uma firme esperança ser constante em toda boa ação’. A terceira: ‘‘Deixe aquele que ama perfeitamente e com caridade ansiar fervorosamente por ver o objeto de seu amor!’ O segundo homem trabalhará como um leão forte, tomando precauções cautelosas contra a traição e perseverando com estabilidade. O terceiro homem será tão esperto quanto uma serpente que se põe de pé apoiada em sua cauda e levanta sua cabeça para os céus. Estes três realizarão minha vontade. Outros os seguirão. Embora Eu fale de três, com isso quero dizer muitos.” Depois Ele falou para a esposa dizendo: “Sejas firme! Não te preocupes com o mundo ou suas censuras, pois Eu, que ouvi todos os tipos de censura, sou teu Deus e Senhor.”

As palavras da gloriosa Virgem para sua filha sobre como Cristo foi tirado da cruz; sobre sua própria amargura e doçura na Paixão de seu Filho; sobre como a alma é simbolizada por uma virgem; o amor do mundo e o amor de Deus por dois jovens; e sobre as qualidades que a alma tem que ter como uma virgem.

Livro 2 – Capítulo 21

Maria falou: “Você deve refletir sobre cinco coisas, minha filha. Primeira, como cada membro no corpo do meu Filho foi ficando rigido e frio na sua morte e como o sangue que fluia de suas feridas com sofrimento secava e aderia a cada membro. Segunda, como Seu coração foi perfurado tão amargamente e sem misericórdia que um homem o transpassou até que a lança atingiu uma costela, e ambas as partes do coração ficaram na lança. Terceira, reflita sobre como Ele foi retirado da cruz! Os dois homens que o desceram fizeram uso de três escadas: uma alcançou seus pés, a segunda logo abaixo de suas axilas e braços , a terceira o meio de seu corpo.

O primeiro homem O levantou e segurou pelo meio. O segundo, subindo na outra escada, primeiro puxou um prego de uma mão, depois moveu a escada e puxou o prego da outra mão. Os pregos se prolongavam pela trave-mestra. O homem que estava suportando o peso do corpo, então, desceu tão devagar e cuidadosamente quanto pode, enquanto o outro homem subiu na escada que ia até os pés e puxou os pregos dos pés. Quando ele foi baixado no chão, um deles segurou o corpo pela cabeça e o outro pelos pés. Eu, sua Mãe, O segurei pela cintura. E, então, nós tres O carregamos até uma pedra que eu tinha coberto com um lençol limpo e no qual nós enrolamos Seu corpo. Eu não costurei o lençol, porque eu sabia que ele não decairia na sepultura.

Depois disso, veio Maria Madalena e outras santas mulheres. Anjos, também, tantos quanto os átomos do sol, estavam lá, demonstrando sua fidelidade ao seu Criador. Não se pode contar quanta tristeza eu tinha naquele momento. Eu estava como uma mulher dando a luz que treme todos os membros de seu corpo após o nascimento. Embora ela mal possa respirar devido a dor, ainda ela se regozija interiormente, o quanto pode, porque ela sabe que a criança a qual deu a luz, nunca voltará à mesma experiencia dolorosa que ele acabou de passar. Da mesma maneira, embora nenhuma tristeza pudesse ser comparada à minha tristeza, sobre a morte do meu Filho, eu ainda me regozijava na minha alma, porque eu sabia que meu Filho nunca mais morreria mas viveria para sempre.

Assim, minha tristeza era misturada com uma medida de alegria. Eu realmente posso dizer que existiam dois corações na sepultura que meu Filho foi enterrado. Não é dito que: ‘Onde seu tesouro está, também está seu coração? Da mesma forma, meu coração e minha mente estavam constantemente indo à sepultura do meu Filho.” Depois, a Mãe de Deus continuou dizendo: “Eu posso descrever este homem por intermedio de uma metáfora, em que situação ele estava, em que tipo de situação e com o que a atual situação dele é parecida. É como uma virgem que foi prometida a um homem e tinha dois jovens diante dela. Um deles tendo sido abordado pela virgem, disse a ela: ‘Eu te alerto para não confiares no homem para quem foste prometida. Ele é rigido em suas ações, atrasa o pagamento, é mesquinho em dar presentes. De preferencia, confie em mim e nas palavras que eu te digo, e eu mostrar-te-ei outro homem que não é rigido, é sempre gentil em tudo, que te dará o que precisas na mesma hora, e te dará muitos presentes agradaveis e deleitaveis.’

A virgem, ouvindo isto e pensando consigo mesma, respondeu: ‘Tuas palavras são boas de ouvir. Tu mesmo és gentil e atraente aos meus olhos. Eu acho que vou seguir teu conselho.’ Quando ela tirou seu anel para dar ao jovem, ela viu três dizeres escritos nele. O primeiro era: ‘Quando fores ao topo da árvore, ficai atenta para que não segures um galho seco para te suportar e acabes caindo!’ O segundo dizia: ‘Ficai atenta para não seguires conselhos de um inimigo!’ O terceiro dizia: ‘Não coloques teu coração entre os dentes de um leão!’ Quando a virgem viu estes dizeres, ela puxou sua mão de volta e segurou o anel pensando consigo mesma. ‘Estes três dizeres que eu vi, podem talvez significar que este homem que me quer ter como sua esposa não merece confiança. Parece-me que suas palavras são vazias; ele é cheio de ódio e irá me matar.’ Enquanto ela estava pensando nisto, ela olhou novamente e percebeu outra inscrição que possuía três dizeres.

O primeiro dizer era: ‘Dai para aquele que te dá!’ O segundo dizia: ‘Dai sangue por sangue’ O terceiro: Não tires do dono o que pertence a ele!’ Quando a virgem viu e ouviu isto, ela novamente pensou consigo mesma: ‘Os três primeiros dizeres me informam como eu posso escapar da morte, os outros três como eu posso conseguir a vida. Portanto, o correto para mim é seguir as palavras de vida.’ Então, prudentemente, a virgem chamou o servo do homem para quem ela tinha sido prometida primeiro. Quando ele veio, o homem que queria enganá-la afastou-se deles.

Assim acontece com a alma da pessoa que é prometida a Deus. Os dois jovens diante da alma representam a amizade de Deus e a do mundo. Os amigos do mundo ficaram mais próximos dela até agora. Eles falaram para ela das riquezas e glórias mundanas e ela quase deu o anel de seu amor a eles e consentiu com eles de todas as formas. Mas, pela ajuda da graça do meu Filho ela viu uma inscrição, isto é, ela ouviu as palavras de Sua misericórdia e compreendeu três coisas através delas. Primeiro, que ela devia estar atenta para que, quanto mais ela subisse e mais confiasse nas coisas perecíveis, pior seria a queda que a amedrontou.

Segundo, ela percebeu que não havia nada no mundo além de tristeza e preocupação. Terceiro, que a recompensa do demônio seria o mal. Então ela viu outra inscrição, quero dizer, ouviu mensagens consoladoras. A primeira mensagem era que ela deveria dar suas posses a Deus de quem recebeu tudo. A segunda foi que deveria dedicar o serviço de seu próprio corpo ao homem que derramou seu sangue por ela. A terceira é que não deveria desviar sua alma de Deus que a criou e a redimiu. Agora que ela ouviu e considerou estas coisas, os servos de Deus se aproximam dela, e ela agora está grata a eles, e os servos do mundo se afastaram dela.

Agora, sua alma é como uma virgem que se levantou renovada dos braços de seu noivo e que deve ter três coisas. Primeira, ela deve ter finas roupas, para que as criadas reais não riam dela devido a algum defeito percebido em suas roupas. Segunda, ela deve cumprir a vontade de seu esposo, para não causar-lhe nenhuma desonra por sua conta, e para que nada vergonhoso seja mostrado em suas ações. Terceira, ela deve ser completamente pura para que o esposo não descubra nela nenhuma mácula pela qual possa desprezá-la ou repudiá-la.

Faça-a ter pessoas para guiá-la até a suite do esposo, para que ela não perca seu caminho próximo das redondezas ou na entrada. Um guia deve ter duas características: Primeira, a pessoa que ele guia deve poder vê-lo; segunda, uma pessoa possa conseguir ouvir suas orientações e onde ele anda. Uma pessoa seguindo uma outra, que guia o caminho, deve ter tres caracteristicas. Primeiro, ela não deve ser lenta e preguiçosa em seguir. Segundo, não deve se esconder da pessoa que guia o caminho. Terceiro, ela deve ter muita atenção e olhar os passos do seu guia e o seguir avidamente. Assim, para que a sua alma possa alcançar a suíte do esposo, é necessário que seja guiada por um tipo de guia que possa conduzí-la com sucesso a Deus, seu marido.”

O ensinamento doutrinal da gloriosa Virgem à sua filha sobre a sabedoria espiritual e temporal; sobre qual delas alguém deve imitar; sobre como a sabedoria espiritual conduz a pessoa ao conforto eterno, após um pouco de esforço, enquanto a sabedoria temporal conduz à condenação eterna.

Livro 2 – Capítulo 22

Maria disse: “Está escrito que ‘se queres ser sábia, deves aprender sabedoria com uma pessoa sábia’. Consequentemente, eu te dou o exemplo figurativo de um homem que queria tornar-se sábio e viu dois professores diante dele. Ele disse a eles: ‘Eu gostaria muito de adquirir sabedoria, se somente eu soubesse onde ela pode me conduzir, e que utilidade e propósito ela tem.’ Um dos professores respondeu: ‘Se queres seguir minha sabedoria, ela te levará ao topo de uma alta montanha através de um caminho que é difícil e pedregoso sob os pés, escarpado e difícil de subir. Se te esforçares por esta sabedoria, ganharás algo que é escuro por fora, mas reluzente por dentro. Se te agarrares a ela, irás garantir teu desejo.

Como um círculo que vai rodando, ela te atrairá mais e mais doçura e sempre mais docemente, até o tempo em que ficarás imbuído de alegria por todos os lados.’ O segundo professor falou: ‘Se seguires a minha sabedoria, ela te conduzirá a um vale exuberante e lindo com frutos por todo o lado. O caminho é macio sob os pés e a descida pouco difícil. Se perseverares nesta sabedoria, ganharás algo que é brilhante por fora, mas quando quiseres usá-lo, ele voará longe de ti. Também terás algo que não durará, mas se acabará repentinamente. Será como um livro que, uma vez lido até o fim, deixa de existir junto com o ato de leitura, e ficarás ocioso.’

Quando o homem ouviu isso, pensou consigo mesmo: ‘Ouvi duas coisas maravilhosas. Se eu subir a montanha, meus pés se enfraquecem e minhas costas ficam pesadas. Então, se eu obtiver a coisa que é escura por fora, que bem isto fará a mim? Se eu me esforçar por algo que não tem fim, quando terei alguma consolação? O outro professor me prometeu algo que é radiante por fora, mas que não dura; um tipo de sabedoria que se acabará com sua leitura. Que utilidade eu tenho de coisas com nenhuma estabilidade?’ Enquanto ele estava pensando nisso, de repente,apareceu outro homem entre os dois professores e disse: ‘Embora a montanha seja alta e difícil de escalar, no entanto, há uma nuvem resplandecente acima da montanha que te dará conforto.

Se o recipiente que te foi prometido é escuro por fora, de alguma forma ele poderá ser quebrado, pegarás o ouro que está guardado nele e estarás na feliz posse dele para sempre.’ Estes dois professores são dois tipos de sabedoria, chamadas de sabedoria do espírito e sabedoria da carne. A de tipo espiritual envolve a desistência da vontade própria, por Deus, e a aspiração das coisas do Céu com todo desejo e ação.

Ela não pode ser verdadeiramente chamada sabedoria se tuas ações não forem de acordo com as suas palavras. Esse tipo de sabedoria conduz a uma vida abençoada. Porém, envolve um acesso pedregoso e subida ingrime, na medida em que, resistir às tuas paixões parece um caminho duro e pedregoso. Ela envolve uma subida ingrime para rejeitar os prazeres habituais e não amar as glórias mundanas. Embora seja difícil, mesmo para a pessoa que reflete o quão pouco tempo existe e como o mundo acabará, e para quem fixa sua mente constantemente em Deus, acima da montanha aparecerá uma nuvem, ou seja, a consolação do Santo Espírito.

Uma pessoa merecedora da consolação do Espírito Santo é a que não busca nenhum outro consolador a não ser Deus. Como poderiam todos os eleitos se incumbir dessas tarefas tão duras e difíceis, se o Espírito de Deus não tiver cooperado com a boa vontade deles, como um bom instrumento? A boa vontade deles atraiu este Espírito, e o amor divino que eles tiveram por Deus o convidou, porque eles se esforçaram de coração e com vontade até que se tornaram fortes nos serviços.

Eles ganharam a consolação do Espírito e também logo receberam o ouro do divino deleite e amor que não apenas os tornou capazes de tolerar muitas e grandes adversidades, mas também os fez regozijar por suportá-las quando pensavam na recompensa. Tal regozijo parece obscuro para os amantes deste mundo, porque eles amam a escuridão. Porém, para os amantes de Deus é mais resplandecente que o sol e brilha mais que o ouro, porque eles avançam na escuridão de seus vícios e sobem a montanha da paciência, contemplando a nuvem da consolação que nunca se acaba, mas começa no presente e gira como um círculo até que alcancem a perfeição. A sabedoria mundana conduz a um vale de miséria que parece exuberante em sua abundância, lindo em reputação, suave em luxúria. Este tipo de sabedoria terminará rapidamente e não oferecerá benefício adicional além do que costuma ver e ouvir.

Portanto, minha filha, procures a sabedoria do mais sábio, quero dizer, do meu Filho! Ele é a própria sabedoria da qual vem todas as sabedorias. Ele é o círculo que nunca acaba. Eu te suplico assim como uma mãe faz com seu filho: ame a sabedoria que é como ouro por dentro, mas insignificante por fora, que queima, por dentro, com amor, mas requer esforços por fora e produz frutos através dos seus trabalhos. Se te preocupas pela responsabilidade de tudo isso, o Espírito de Deus será teu consolador.

Vá e continues tentando como alguém que persiste até que o hábito é adquirido. Não voltes atrás até que alcances o pico da montanha! Não há nada tão difícil que não se torne fácil através da perseverança constante e inteligente. Não há busca tão nobre no princípio que não caia na escuridão por não ser levada a cabo. Então, avances para a sabedoria espiritual! Ela te levará ao trabalho físico, ao desprezo do mundo, a um pouco de dor, e à consolação eterna. Mas a sabedoria mundana é enganadora e esconde um ferrão. Ela te conduzirá a acumular bens temporais e ao prestígio no presente, mas, no fim, à maior infelicidade, a menos que estejas atenta e tomes cuidadosas precauções.”

As palavras gloriosas da Virgem explicando sua humildade a sua filha; sobre como a humildade está ligada a um manto e sobre as características da verdadeira humildade e seus frutos maravilhosos.

Livro 2 – Capítulo 23

Muitas pessoas imaginam por que eu falo contigo. É certamente para mostrar minha humildade. Se um membro do corpo está doente, o coração não estará satisfeito ate que ela tenha recuperado sua saúde, e uma vez que sua saúde tenha se recuperado o coração fica ainda mais satisfeito. Da mesma forma, por muito que uma pessoa possa pecar, se ela se voltar para mim com todo seu coração e um propósito verdadeiro de se emendar, Eu me preparo imediatamente para recebê-la quando chegar. Eu não me detenho no quanto ela tenha pecado, mas à intenção e o propósito que ela tem ao retornar.

Todos me chamam de ‘Mãe da misericórdia’. Verdadeiramente, minha filha, a misericórdia do meu Filho me fez misericordiosa e a revelação da sua misericórdia me fez compadecida. Por esta razão, é miserável um homem ou uma mulher que, sendo capaz, não recorre à misericórdia. Portanto, venha, minha filha, e esconde-te sob meu manto! Meu manto é insignificante por fora, mas é de muita utilidade por dentro, por três razões. Primeira, ele te abriga dos ventos tempestuosos; segundo, ele te protege do frio que corta; terceiro, ele te defende das chuvas do céu.

Este manto é minha humildade. Os amantes do mundo o desprezam e pensam que imitá-lo é uma tola superstição. O que é mais desprezível do que ser chamado de idiota e não se zangar ou responder à altura? O que é mais desprezível do que desistir de tudo e ficar pobre de tudo? O que parece ser mais triste para as almas mundanas do que esconder sua própria dor, pensar e acreditar que é sem valor e pior do que qualquer outra pessoa? Assim foi minha humildade, minha filha. Este foi meu contentamento, este meu único desejo. Eu só pensei em como agradar meu Filho. Esta minha humildade foi útil àqueles que me seguiram, de três maneiras.

Primeira, foi útil nas pestes e em tempo de tempestade, isto é, contra o insulto e desprezo humano. Uma tempestade forte e violenta espanca uma pessoa por todos os lados e a faz congelar. Da mesma forma, ridicularizar esmaga facilmente uma pessoa impaciente que não reflete sobre as realidades futuras; isso leva a alma para longe da caridade. Qualquer um, estudando cuidadosamente minha humildade, deve considerar o tipo de coisas que eu, a Rainha do Universo, tive que ouvir e, assim, ela deve procurar o meu louvor e não o seu próprio.

Faça-o lembrar que palavras são nada mais do que vento, e ele logo ficará calmo. Porque as pessoas mundanas são tão inaptas em suportar insultos verbais, se não por que elas procuram sua própria honra e não a de Deus? Não há humildade nelas, porque seus olhos ficam embaçados pelo pecado. Portanto, embora a lei escrita diga que não se deve, sem justo motivo, dar ouvidos a insultos ou não suportá-los, é ainda uma virtude e um premio ouvir pacientemente e suportar insultos por amor de Deus.

Segunda, minha humildade é uma proteção contra o frio cortante, ou seja, contra a amizade carnal. Assim, há um tipo de amizade na qual uma pessoa é amada na intenção das comodidades atuais, como os que falam desta maneira: ‘Alimente-me no presente momento e eu te alimentarei, porque não me interessa quem alimenta após a morte! Respeite-me e eu te respeitarei, porque não me interessa nem um pouco que tipo de respeito virá no futuro’ Esta amizade é fria, sem o calor divino, tão dura quanto neve congelada, com relação a amor e sentimentos de compaixão por um ser humano amigo, em necessidade; sua recompensa é estéril.

Uma vez que uma parceria é terminada e as mesas são retiradas, a utilidade dessa amizade desaparece imediatamente e seu lucro é perdido. Quem imita minha humildade, faz igualmente o bem a todos por amor a Deus, tanto a inimigos como a amigos: para seus amigos, pois eles perseveram firmemente honrando a Deus; e para seus inimigos, porque eles são criaturas de Deus e podem se tornar bons no futuro.

Em terceiro lugar, a contemplação da minha humildade é uma proteção contra as chuvas torrenciais e as impurezas que vêm das nuvens. De onde as nuvens surgem, se não da umidade e dos vapores vindos da Terra? Quando eles sobem aos céus devido ao calor, condensam-se nas regiões mais altas e, desta forma, três coisas são produzidas: chuva, granizo e neve. A nuvem simboliza o corpo humano que vem da impureza. Assim como as nuvens o corpo humano faz três coisas. O corpo faz a audição, a visão e o tato. Porque o corpo pode ver, ele deseja as coisas que vê. Ele deseja coisas boas e belas formas; ele deseja posses abrangentes.

O que são todas essas coisas se não um tipo de chuva vinda das nuvens, manchando a alma com uma paixão por acumular, perturbando-o com aborrecimentos, distraindo-o com pensamentos inúteis e preocupando-o sobre a perda dos bens acumulados? Porque o corpo pode ouvir, ele se satisfaz ouvindo sobre sua própria glória e sobre as amizades mundanas. Ele presta atenção a tudo o que é agradável ao corpo e é danoso à alma. O que tudo isso lembra senão o rápido derretimento da neve, fazendo a alma ficar fria diante de Deus e turva para a humildade?

Porque o corpo tem sentimento, ele busca seu próprio prazer e descanso físico. O que tudo isso lembra se não o granizo que é congelado com águas impuras e que deixa a alma estéril na vida espiritual, forte com respeito às ocupações mundanas e branda com respeito ao conforto físico? Portanto, se uma pessoa quer proteção contra esta nuvem, deixe-a buscar segurança na minha humildade e imitá-la. Através disso, ela estará protegida da paixão por ver, não desejará coisas ilícitas; ela estará protegida do prazer de ouvir e não prestará atenção a nada que vá contra a verdade; ela estará protegida da luxúria da carne e não sucumbirá aos impulsos ilícitos.

Eu te asseguro: a contemplação da minha humildade é como um bom manto que aquece os que o vestem; ou seja, aqueles que não somente o vestem na teoria, mas também na prática. Um manto físico não dá nenhum calor a não ser que seja vestido. Da mesma forma, minha humildade não faz nenhum bem àqueles que apenas pensam nela, a não ser que cada um se esforce em imitá-la, cada um da sua maneira. Então, minha filha, vista o manto da humildade com toda a tua força, pois as mulheres mundanas vestem mantos que são para o orgulho por fora, mas de pouca utilidade por dentro. Evite tais vestuários em geral, já que, se o amor do mundo primeiro não se torna desprezível para ti, se não estás continuamente pensando na misericórdia de Deus para contigo e na tua ingratidão para com ele, se não tens sempre em mente o que ele fez e o que tu fazes, e a justa sentença que te espera em retribuição, não estarás apta a compreender minha humildade.

Porque eu me humilhei tanto ou porque eu mereci tal favor, se não porque considerei e soube ser nada e ter nada em mim mesma? É também por esta razão que não busco a minha própria glória, mas somente a do meu Dono e Criador. Então, filha, refugia-te no manto da minha humildade e consideres a ti mesma uma pecadora maior que todos os outros! Pois, mesmo que vejas outros que são maus, não sabes qual será o futuro deles amanhã; nem mesmo podes saber suas intenções ou a consciência do que estão fazendo, se eles fazem isso por fraqueza ou deliberação. É por isso, que não deves te colocar na frente de ninguém e nem julgar ninguém em teu coração.”

A exortação da Virgem à sua filha se queixando sobre quão poucos amigos tem; sobre como Cristo fala à esposa e descreve suas palavras sagradas como flores e explica como são as pessoas em que tais palavras dão frutos.

Livro 2 – Capítulo 24

Maria estava dizendo: “Imagine um grande exército em algum lugar e uma pessoa andando a seu lado pesadamente deprimida, carregando uma grande carga em suas costas e em seus braços. Com os olhos cheios de lágrimas, ela poderia olhar para o exercito para ver se havia alguém que tinha compaixão dela e a aliviaria de sua carga. É assim que me sinto. Do nascimento do meu Filho até sua morte, minha vida foi cheia de tribulação. Carreguei um fardo pesado em minhas costas e, perseverei firmemente no trabalho de Deus, e pacientemente, suportei tudo o que aconteceu comigo. Eu aguentei carregando um fardo muito pesado em meus braços, no sentido de que sofri mais tristeza de coração e tribulação do que qualquer outra criatura.

Meus olhos estavam cheios de lágrimas quando eu contemplei os lugares no corpo do meu Filho destinados aos pregos, assim como sua futura Paixão, e quando vi todas as profecias que tinha escutado, profetizadas pelos profetas, sendo cumpridas Nele. E agora eu olho ao redor para todas as pessoas que estão no mundo para ver se há alguém que pode ter compaixão de mim e saber de minha tristeza, mas encontro muito poucos que pensam em minha tristeza e tribulações. É, por isso, minha filha, que embora eu seja esquecida e abandonada por muitas pessoas, tu não deves me esquecer! Olhe para os meus esforços e imite-os o tanto quanto puderes! Contemple minha tristeza e lágrimas e lamenta-te porque os amigos de Deus são tão poucos. Ficai firme! Olhai, meu Filho está vindo.”

Ele chegou em seguida e disse: “Eu que estou falando contigo, sou teu Deus e Senhor. Minhas palavras são como as flores de uma primorosa árvore. Embora todas as flores brotem de uma raiz da árvore, nem todas vão a fruição. Minhas palavras são como flores que brotam da raiz da caridade divina. Muitas pessoas as colhem, mas elas não dão fruto em todas elas e nem atingem a maturidade em todas elas. Algumas pessoas as pegam por um momento, mas depois as rejeitam, pois elas são ingratas ao meu Espírito. Algumas colhem e as mantêm, pois são cheias de amor, e o fruto da devoção e da santa conduta é produzido nelas.

Então, tu, minha esposa, que és minha por direito divino, deves ter três casas. Na primeira, deve haver os necessários nutrientes para alimentar o corpo; na segunda, as roupas que vestem o corpo por fora; na terceira, as ferramentas necessárias para uso na casa. Na primeira deve haver três coisas: primeiro, pão; depois, bebida; e terceiro, carnes. Na segunda casa deve haver três coisas: primeiro, roupa de linho; depois, roupa de lã; depois, uma feita de seda. Na terceira casa também deve haver três coisas: primeiro, utensílios e vasos para serem cheios com líquidos; segundo, instrumentos de subsistência, tais como cavalos, asnos e assemelhados, pelo quais os corpos possam ser conduzidos; e terceiro, instrumentos que são movidos por seres vivos.”

O conselho de Cristo à esposa sobre a provisão nas três casas; sobre como o pão vale para a boa vontade, a bebida para santa reflexão; carnes para a sabedoria divina; sobre como não há sabedoria divina na erudição, mas somente no coração e em uma vida boa.

Livro 2 – Capítulo 25

Eu, que estou falando contigo, sou o Criador de todas as coisas e criado por ninguém. Não havia nada antes de mim e não pode existir nada depois de mim, já que Eu sempre fui e sempre sou. Eu sou o Senhor, a cujo poder ninguém pode opor-se e de quem vem todo poder e soberania. Falo contigo como um homem fala a sua esposa:’Minha esposa, devemos ter três casas. Em uma delas deve ter pão, bebida e carnes. Mas tu podes perguntar: O que este pão significa? Eu quero dizer o pão que fica no altar? Este é de fato pão, antes das palavras “Este é o meu corpo”, porém, uma vez que as palavras tenham sido ditas, não é pão mas o corpo que Eu recebi da Virgem e que, foi, realmente, crucificado na cruz. Mas aqui eu não falo desse pão. O pão que devemos armazenar em nossa casa é uma boa e sincera vontade. O pão físico, se for puro e limpo, tem dois bons efeitos. Primeiro, ele fortalece e dá forças para todas as veias, artérias e músculos. Segundo, ele absorve qualquer impureza interna, fazendo essa remoção enquanto sai e, assim, a pessoa é purificada. Desta forma, uma vontade pura dá forças.

Se a pessoa não deseja nada além das coisas de Deus, não trabalha para nada além da glória de Deus, quer com cada desejo deixar o mundo e estar com Deus, esta intenção a fortalece na bondade, aumenta seu amor por Deus, faz o mundo repulsivo para si, fortalece sua paciência e reforça sua esperança de herdar a glória a tal ponto que ela alegremente abraça tudo o que lhe acontece . Em segundo lugar, uma boa vontade remove cada impureza. O que é a impureza nociva à alma, senão o orgulho, a ambição e a luxúria? Entretanto, quando a impureza do orgulho ou de algum outro vício entra na mente, descontando as razões pessoais, ela sairá da seguinte maneira: ‘O orgulho é sem sentido, já que não é quem recebe que deve ser glorificado pelos bens recebidos, mas o doador. A ambição é sem sentido, já que todas as coisas na Terra serão deixadas para trás. A luxúria não é nada além de obscenidade. Portando, não desejo estas coisas, mas quero seguir a vontade do meu Deus, cuja recompensa nunca chega ao fim, cujos bons presentes nunca ficam velhos. Então, toda tentação de orgulho ou ambição a deixará e ela perseverará na sua boa intenção de fazer o bem.

A bebida que devemos ter em nossas casas é a santa reflexão sobre tudo a ser feito. A bebida física tem dois bons efeitos. Primeiro, ela ajuda a boa digestão. Quando uma pessoa se propõe a fazer algo de bom e, antes de fazê-lo, reflete consigo mesma e, cuidadosamente, muda de opinião sobre que glória será para Deus, que benefício para seu próximo, que vantagem para sua alma, e não quer fazer isso enquanto não julga como sendo de alguma utilidade divina em seu trabalho, então esse trabalho proposto termina com sucesso ou, por assim dizer, é bem digerido. Então, se alguma imprudência ocorre no trabalho que está fazendo, ela é facilmente detectada. Se alguma coisa está errada, ela é rapidamente corrigida e seu trabalho será correto, racional e edificante para outros.

Uma pessoa que não mostra a santa reflexão em seu trabalho e não procura benefício para as almas ou a glória de Deus, mesmo que seu trabalho termine bem por um tempo, apesar disso, ele chegará a nada no final. Em segundo lugar, a bebida mata a sede. Que tipo de sede é pior do que o pecado da ambição e do ódio? Se uma pessoa pensa, de antemão, que utilidade vem dela, quão indignamente isso acabará, que recompensa terá se ela faz oposição, então, essa sede será rapidamente saciada pela graça de Deus; o amor ardente por Deus e bons desejos a saciarão; e a alegria aparecerá, porque ela não fez o que veio em sua cabeça. Ela examinará a ocasião e como ela pode evitar no futuro essas coisas, pelas quais ela quase foi enganada, por não ter refletido; e será então mais cuidadosa no futuro sobre como evitar essas coisas. Minha esposa, esta é a bebida que deve ser armazenada na tua despensa.

Terceiro, também deve haver carnes lá (na casa). Isso tem dois efeitos. Primeiro, elas são mais saborosas na boca e são melhores para o corpo do que somente pão. Segundo, elas tornam a pele mais tenra e o sangue melhor do que se tivesse somente pão e bebida. A carne espiritual tem um efeito parecido. O que estas carnes simbolizam? Sabedoria divina, é claro. A sabedoria tem um sabor muito bom para a pessoa que tem boa vontade e não quer nada a não ser o que Deus quer, mostrando santa reflexão, sem fazer nada até que ela saiba que é para a glória de Deus.

Agora podes perguntar: ‘O que é a sabedoria divina?’ Para muitos, é simples e somente saber uma oração – O Pai Nosso, e nem mesmo corretamente. Outros são muito eruditos e possuem um amplo conhecimento. É esta a sabedoria divina? De forma alguma. A sabedoria divina não é precisamente encontrada na erudição, mas no coração e em uma vida boa. Essa pessoa é a sábia que reflete, cuidadosamente, a respeito do caminho para a morte, sobre como ela vai morrer e no seu julgamento após a morte. Esta pessoa tem as carnes da sabedoria, o sabor da boa vontade e santa meditação, que a desapega da vaidade e do supérfluo do mundo, e se contenta com as necessidades básicas, e a empenha no amor de Deus, de acordo com suas habilidades.

Quando uma pessoa reflete sobre sua morte, ou sua nudez na morte, quando a pessoa pensa na terrível corte do julgamento divino, onde nada se esconde e nada é remido sem uma punição, quando ela também reflete sobre a instabilidade e a vaidade do mundo, então não se regozijará e docemente saboreará, em seu coração, a entrega da sua vontade a Deus junto com sua abstinência dos pecados? Seu corpo não é fortalecido e seu sangue melhorado, ou seja, não é afastada cada fraqueza da sua alma, tais como a preguiça e a dissolução moral, e o sangue do amor divino renovado? Isto ocorre porque ela pensa corretamente que deve ser amado um bem eterno ao invés de um perecível.

Então, a sabedoria divina não é, precisamente, encontrada na erudição, mas nas boas ações, já que muitos são sábios da maneira mundana e conforme os seus próprios desejos, mas em geral tolos em relação à vontade de Deus, os mandamentos e disciplinas de seus corpos. Tais pessoas não são sábias, mas tolas e cegas, porque compreendem as coisas perecíveis que são úteis para o momento, mas desprezam e esquecem as coisas da eternidade. Outros são tolos em relação aos deleites mundanos e à reputação, mas sábios em relação às coisas que são de Deus, e são fervorosos no seu serviço.

Tais pessoas são realmente sábias porque saboreiam os preceitos e a vontade de Deus. Eles foram realmente esclarecidos e mantêm seus olhos abertos naquilo que sempre estão considerando como podem alcançar a verdadeira vida e verdadeira luz. Outros, entretanto, caminham na escuridão e, para eles, parece mais prazeroso estar na escuridão do que perguntarem sobre o caminho pelo qual eles podem chegar à luz. Portanto, minha esposa, deixe-nos armazenar essas três coisas em nossa casa, chamadas boa vontade, santa meditação e sabedoria divinas. Estas são as coisas que nos dão motivo para nos regozijarmos. Embora eu te dê meu conselho, por ti eu tenho em vista todos os meus escolhidos no mundo, já que a alma integra é minha esposa, porque Eu sou seu Criador e Redentor.”

O conselho da Virgem à sua filha sobre a vida;, as palavras de Cristo à esposa sobre as roupas que deve ter guardadas na segunda casa; sobre como estas roupas denotam a paz de Deus e a paz de um próximo que trabalha por misericórdia e pura abstinência; e uma explicação excelente de todas essas coisas.

Livro 2 – Capítulo 26

Maria disse: “Coloca o broche da Paixão do meu Filho firmemente em ti assim como São Lourenço firmemente o colocou. Cada dia ele costumava refletir como segue: ‘Meu Deus é meu Senhor, eu sou seu servo. O Senhor Jesus Cristo foi despido e zombado. Como isso pode ser justo para mim, seu servo, que esteja vestido com finura? Ele foi flagelado e pregado na madeira. Então, não é certo que eu, seu servo, se eu realmente for seu servo, não tenha nenhuma dor ou tribulação.’ Quando ele foi estendido sobre as brasas e gordura liquida escorreu para o fogo, e seu corpo todo pegou fogo, ele levantou os olhos para os céus e disse: ‘Bendito sois vós, Jesus Cristo, meu Deus e Criador! Eu sei que não vivi bem os meus dias. Sei que fiz pouco por sua glória. É por isso, que vendo que sua misericórdia é grande, eu vos peço que me trateis com vossa misericórdia.’ E nesta palavra sua alma foi separada de seu corpo. Viste, minha filha? Ele amou tanto meu Filho e suportou tanto sofrimento para sua glória que ainda disse que não era digno de alcançar o Céu. Como, então, podem ser merecedoras aquelas pessoas que vivem por seus próprios desejos? Então, tenha sempre em mente a paixão do meu Filho e de seus santos. Eles não suportam tais sofrimentos sem nenhuma razão, mas para dar aos outros um exemplo de como viver e para mostrar que um rigoroso pagamento será exigido pelos pecados, por meu Filho, que não quer que nem o menor pecado fique sem correção.”

Então, o Senhor Jesus veio e falou à esposa, dizendo: “Eu te disse antes o que deve ser armazenado em nossas casas. Entre outras coisas, deve haver roupas de três tipos: primeiro, feita de linho, que é produzida e cresce da terra; segundo, feita de couro, que vem dos animais; terceiro, feita de seda, que vêm do bicho-da-seda. A roupa de linho tem dois bons efeitos. Primeiro, ela é macia e suave em contato com o corpo nu. Segundo, ela não perde sua cor, mas quanto mais é lavada, mas limpa se torna. O segundo tipo de roupa, ou seja, a de couro, tem dois efeitos. Primeiro, ela cobre a vergonha da pessoa; segundo, proporciona calor contra o frio. O terceiro tipo de roupa, ou seja, a de seda, também tem dois efeitos. Primeiro, pode ser vista como muito bela e fina; segundo, é muito cara para comprar. As roupas de linho, que são boas para as partes nuas do corpo, simbolizam a paz e a concordância. Uma alma devota deve vesti-la em respeito a Deus, para que assim ela possa estar em paz com Deus, tanto por não querer nada além do que Deus quer ou numa direção diferente da que ele quer, quanto pela não irritação dele pelos pecados, já que não há paz entre Deus e a alma a não ser que ela pare de pecar e controle sua concupiscência

Ela também deve estar em paz com seu próximo, ou seja, não causando problemas a ele, ajudando-o se tem problemas, e sendo paciente se ele peca contra ela. Qual é a tensão mais infeliz na alma do que sempre estar desejando o pecado e nunca ficar cansada disso, sempre desejando e nunca em repouso? O que ferroa a alma mais agudamente do que ficar com raiva do seu próximo e invejar seus bens? É por isso, que a alma deve estar em paz com Deus e com seu próximo, já que nada pode ser mais repousante do que descansar do pecado e não ser ansioso em relação ao mundo, nada mais suave que o alegrar-se com o bem do próximo e desejar a ele o que deseja para si mesma.

Esta roupa de linho deve ser usada sobre as partes nuas do corpo, porque, mais apropriada e importante do que as outras virtudes, a paz deve morar próxima do coração, onde Deus deseja descansar. Esta é a virtude que Deus insufla e mantém no coração. Como o linho, esta paz nasce e cresce da terra, já que a paz e a paciência brotam da reflexão sobre a fraqueza da própria pessoa. Um homem que é da terra deve considerar suas próprias fraquezas, ou seja, se ofendido, rapidamente se enfurece, e se ferido, rapidamente sente dor. Se ele reflete desta forma, não fará a outro o que ele mesmo não pode suportar, pensando consigo: ‘Assim como sou fraco, meu próximo também o é.

Assim como eu não quero suportar tais coisas, ele também não.’ E depois, a paz não perde sua cor, ou seja, sua estabilidade, mas fica mais e mais constante, já que, considerando a fraqueza de seu próximo, ele se torna mais apto a suportar injurias. Se a paz do homem fica poluída pela impaciência de qualquer forma, ela se torna mais limpa e brilhante diante de Deus quanto mais frequentemente e rapidamente ela for lavada através da penitencia. Ele também se torna mais feliz e prudente na tolerância, quanto mais vezes ficar irritado e novamente se penitenciar, já que se alegra na esperança da recompensa que espera vir, por conta da sua paz interior, e se torna ainda mais cuidadoso quanto a não se deixar cair pela impaciência

O segundo tipo de roupa, a de couro, denota ações de misericórdia. Estas roupas de couro são feitas de peles de animais mortos. O que estes animais simbolizam se não meus santos, que foram tão simples quanto os animais? A alma deve ser coberta com suas peles, ou seja, ela deve imitar e realizar as obras de misericórdia. Estas têm dois efeitos. Primeiro, ela cobre a vergonha da alma pecadora e a limpa para que não apareça manchada à minha vista. Segundo, elas protegem a alma contra o frio. O que é o frio da alma se não a dureza a respeito do meu amor? Obras de misericórdia são eficazes contra tal frieza, envolvendo a alma para que ela não pereça pelo frio. Através destas obras, Deus visita a alma, e a alma se aproxima sempre mais de Deus.

O terceiro tipo de roupa, a feita de seda dos bichos-da-seda, que parece muito dispendiosa para comprar, denota o hábito puro da abstinência. Ela é bela na visão de Deus, dos anjos e dos homens. Ela também é cara, já que parece difícil para as pessoas conterem suas línguas das conversas excessivas e sem valor. Parece difícil conter o apetite da carne para com os excessos e prazeres supérfluos. Parece também difícil ir contra a própria vontade. Mas, embora possa ser difícil, ela é de todo modo, útil e bela.

É, por isso, minha esposa, pela qual quero dizer todos os fieis, que na nossa segunda casa devemos armazenar a paz para com Deus e o próximo, obras de misericórdia através da compaixão e ajuda aos miseráveis, e abstinência da concupiscência.

Embora a última seja mais cara que as outras, também muito mais bela do que as outras roupas, que nenhuma outra virtude parece bela sem ela. Esta abstinência deve ser produzida pelos bichos-da-seda, ou seja, pela consideração dos excessos de alguem contra Deus, pela humildade, e pelo meu próprio exemplo de abstinência, pois Eu me tornei como um verme pela humanidade. Uma pessoa deve examinar seu espírito, como e quão frequente ela tem pecado contra mim e de que forma se emendou. Então ela vai descobrir, por si própria, que nenhuma quantidade de trabalho e abstinência de sua parte pode fazer emenda ao número de vezes que ela pecou contra mim.

Ela também deve considerar sobre meus sofrimentos e dos meus santos, assim como a razão pela qual Eu suportei tais sofrimentos. Então ela verdadeiramente compreenderá que, se Eu exijo tão estrita retribuição dos meus santos, que tem me obedecido, quanto mais Eu exigirei em juízo àqueles que não me obedeceram. Uma alma boa deve, portanto, prontamente se empenhar na prática da abstinência, recordando que seus pecados são maus e cercam a alma como vermes. Assim, desses pequenos vermes, ela coletará seda preciosa, ou seja, o puro hábito da abstinência em todos os seus membros. Deus e todo os anfitriões do Céu alegram-se nisso. A eterna alegria será concedida à pessoa que armazena isto, e, se a abstinência não tivesse vindo em seu auxilio, ela teria sofrimento eterno”

Palavras de Cristo à esposa sobre as ferramentas na terceira casa; sobre como tais instrumentos simbolizam bons pensamentos, sentidos disciplinados e verdadeira confissão; também é dada uma explicação excelente de todas as coisas em geral e sobre as fechaduras destas casas.

Livro 2 – Capítulo 27

O Filho de Deus falou à esposa dizendo: “Eu te falei antes que deve haver instrumentos de três tipos na terceira casa. Primeiro, utensílios ou vasos, nos quais os líquidos são despejados. Segundo, instrumentos com os quais a terra do lado de fora é preparada, tais como enxadas, machados e ferramentas para consertar as coisas quebradas. Terceiro, instrumentos vivos, tais como asnos, cavalos e assemelhados, para transportar a vida e a morte. Na primeira casa, onde há líquidos, deve existir dois tipos de utensílios ou vasos: Primeiro, aqueles dentro dos quais substâncias doces são despejadas, tais como a água, óleo, vinho e semelhantes; segundo, aqueles nos quais as substâncias picantes ou densas devem ser despejadas, tais como mostarda, farinha e semelhantes. Você entende o que estas coisas significam? Os líquidos se referem aos pensamentos bons e maus da alma.

Um pensamento bom é como óleo doce e como um delicioso vinho. Um mau pensamento é como mostarda amarga que deixa a alma amarga e aviltada. Os maus pensamentos são os líquidos densos que uma pessoa, às vezes, precisa. Apesar de não serem muito bons para nutrir o corpo, eles ainda são benéficos para a purgação e cura tanto do corpo quanto da mente. Embora os maus pensamentos não alimentem e curem a alma como o óleo dos bons pensamentos, eles ainda são bons para a purgação da alma, assim como a mostarda é boa para a purificação do cérebro. Se os maus pensamentos não aparecessem, de vez em quando, os seres humanos seriam anjos e não humanos, e eles poderiam pensar que conseguiriam tudo por si próprios.

Portanto, para que um homem possa compreender suas fraquezas, que vêm dele mesmo, e a força que vem de mim, é algumas vezes, necessário que minha imensa misericórdia permita que seja tentado por maus pensamentos. Contanto que a alma não consinta com eles, serão uma purificação para a alma e uma proteção para suas virtudes. Embora eles possam ser tão picantes ao ingerir quanto a mostarda, ainda são muito saudáveis para a alma pois a conduzem à vida eterna e ao tipo de saúde que não se obtém sem alguma amargura. Então, deixe que os vasos da alma, onde são colocados os bons pensamentos, sejam cuidadosamente preparados e sempre mantidos limpos, já que é útil que mesmo os maus pensamentos apareçam tanto para uma provação como para obter maior mérito. De qualquer forma, a alma deve esforçar-se para não consentir com eles ou deleitar-se neles. De outra forma, a doçura e o desenvolvimento da alma serão perdidos e somente a amargura ficará.

Na segunda casa também deve haver dois tipos de instrumentos: primeiro, instrumentos para o lado de fora, tais como arado e enxada para preparar o chão para a semeadura e para arrancar arbustos; segundo, instrumentos úteis tanto dentro quanto fora de casa, assim como os machados e assemelhados. Os instrumentos para cultivar o solo simbolizam os sentidos humanos. Eles devem ser utilizados para o benefício do seu próximo assim como o arado é utilizado no solo. Pessoas ruins são como o solo da terra, pois estão sempre pensando da forma mundana. Elas são áridas na compunção por seus pecados, porque pensam que nada é pecado. Elas são frias em seu amor por Deus, porque não procuram nada além de sua própria vontade.

Elas são pesadas e preguiçosas quando é para fazer o bem, porque são ansiosas pela reputação mundana. É por isso, que uma pessoa boa deve cultivá-los através de seus sentidos exteriores, assim como um bom agricultor cultiva a terra com um arado. Primeiro, ele deve cultivá-los com sua boca, dizendo coisas úteis para a alma e instruindo-a sobre o caminho da vida; depois, fazendo as boas ações que pode. Seu próximo pode ser formado nesse caminho por suas palavras e motivado a fazer o bem. Depois, ela deve cultivar seu próximo por meio do descanso de seu corpo para que possa render fruto.

Ela faz isso através de seus olhos inocentes que não olham coisas impuras, de forma que seu vizinho impuro possa aprender a modéstia em seu corpo inteiro. Ela deve cultivá-los por meio dos seus ouvidos que não prestam atenção às coisas inadequadas assim como por meio dos seus pés que são rápidos para fazer o trabalho de Deus. Eu, Deus, darei a chuva da minha graça para o solo assim cultivado pelo trabalho do lavrador, e este deve alegrar-se com o fruto da antes árida terra improdutiva, mas agora próspera, pois começa a produzir brotos.

Os instrumentos necessários para as preparações dentro de casa, tal como o machado e ferramentas similares, significam a intenção de discernir e o santo exame do trabalho de alguém. Não importa o bem que a pessoa faça, não deve ser feito pela reputação e pela gloria humana, mas pelo amor a Deus e pela recompensa eterna. É por isso, que uma pessoa deve examinar suas ações, com que intenção e para qual recompensa ela as está fazendo. Se ela pode descobrir algum tipo de orgulho em sua ação, faça-a imediatamente cortá-la com o machado da discrição.

Desta forma, assim como ela cultiva seu próximo que está, como que fora da casa, ou seja, fora da companhia dos meus amigos devido a suas más ações, assim também ela pode produzir frutos para si própria, interiormente, através do amor divino. Assim como o trabalho de um agricultor em pouco tempo fracassará se ele não tiver instrumentos com os quais consertar coisas que tenham sido quebradas, assim também, ele não alcançará nenhum resultado, se uma pessoa não examinar seu trabalho com discernimento, e como isso pode ser aliviado se for muito pesado, ou como isso pode ser melhorado se não deu certo. Consequentemente uma pessoa deve, não somente trabalhar efetivamente fora de casa, mas deve considerar, atentamente, no seu interior, como e com que intenções ela trabalha.

Devem existir instrumentos vivos na terceira casa para transportar os vivos e os mortos, tais como cavalos, asnos e outros animais. Estes instrumentos significam a verdadeira confissão. Isso transporta tanto vivos quanto mortos. O que o vivo denota se não a alma que foi criada pela minha divindade e vive para sempre? Esta alma se aproxima mais e mais de Deus a cada dia através da verdadeira confissão. Assim como um animal se torna um animal de carga mais forte e mais belo de se ver, quanto mais vezes e melhor for alimentado, assim também a confissão – quanto mais frequentemente é usada e mais cuidadosamente é feita para menores ou maiores pecados – transporta a alma mais e mais para frente e é tão agradável a Deus, conduzindo a alma ao coração de Deus. O que são as coisas mortas transportadas pela confissão, se não as boas ações que morrem pelo pecado mortal? As boas ações que morrem através dos pecados mortais, estão mortas sob o olhar de Deus, porque nada de bom pode agradar a Deus a não ser que o pecado seja primeiro reparado, ou por uma perfeita intenção, ou por uma façanha.

Não é bom misturar cheiro bom com fedor no mesmo recipiente. Se alguem mata suas boas ações pelos pecados mortais e faz uma verdadeira confissão de seus crimes com a intenção de melhorar e evitar o pecado no futuro, suas boas ações, que antes estavam mortas, voltam à vida novamente pela confissão e pela virtude da humildade, e elas lhe trazem mérito para a salvação eterna. Se ele morrer sem ter feito confissão, embora suas boas ações não possam morrer ou serem destruídas, não pode merecer a vida eterna devido ao pecado mortal; ainda ele pode merecer uma punição mais leve ou contribuir para a salvação de outros, contanto que ele tenha realizado as boas ações com uma intenção santa e para a glória de Deus. Entretanto, se ele fez as ações pela glória mundana e seu próprio benefício, então suas ações morrerão quando seu realizador morre, já que ele recebeu sua recompensa do mundo para o qual trabalhou.

Então, minha esposa, pela qual quero dizer todos os meus amigos, devemos armazenar em nossas casas aquelas coisas que dão crescimento ao deleite espiritual que Deus quer ter com uma alma santa. Na primeira casa, devemos armazenar, primeiro, o pão da vontade sincera que não quer nada além do que Deus quer; segundo, a bebida da santa meditação, não fazendo nada a não ser a pensada para a glória de Deus; terceiro, as carnes da sabedoria divina por sempre pensar na vida que virá e em como a vida presente deve ser ordenada.

Na segunda casa, vamos armazenar a paz de não pecar contra Deus e a paz de não brigar com nosso próximo; segundo, ações de misericórdia através das quais possamos ser de beneficio pratico ao nosso próximo; terceiro, a perfeita abstinência pela qual refreamos aquelas coisas que tendem a perturbar nossa paz. Na terceira casa, devemos armazenar sábios e bons pensamentos para decorar nossa casa por dentro; segundo, ter temperança, sentidos bem disciplinados para serem luz para nosso próximo do lado de fora; terceiro, a verdadeira confissão que nos ajuda a reviver, quando perdemos as forças.

Ainda que tenhamos as casas, as coisas armazenadas nelas não podem estar a salvo sem portas, e portas não podem ser movimentadas sem dobradiças ou trancadas sem fechaduras. É, por isso, que para os bens armazenados estarem seguros, a casa precisa da porta da firme esperança para que não sejam arrebentadas pela adversidade. Esta esperança deve ter duas dobradiças para que a pessoa não se desespere em alcançar a glória ou para escapar da punição, mas sempre em toda adversidade tenha a esperança de coisas melhores, sendo confiante na misericórdia de Deus. A fechadura deve ser a caridade divina que fortaleça a porta contra a entrada do inimigo.

É bom ter uma porta sem fechadura ou uma esperança sem amor? Se alguém tem esperança na recompensa eterna e na misericórdia de Deus, mas não ama e teme a Deus, ele tem uma porta sem fechadura, pela qual seu inimigo mortal pode entrar e matá-lo quando quiser. Mas a verdadeira esperança ocorre quando uma pessoa que espera também faz as boas ações que pode. Sem essas boas ações ela não pode alcançar o Céu, ou seja, se ela sabia e podia fazê-las, mas não quis.

Se alguém percebe que ela cometeu uma transgressão ou não fez o que podia, ela deve tomar a boa resolução de fazer o bem que puder. Para o que ela não puder fazer, faça-a esperar firmemente que poderá chegar a Deus, graças à sua boa intenção e ao amor para com Deus. Então, faça a porta da esperança ser fortalecida pela caridade divina de tal forma que, assim como uma fechadura possui muitos segredos para impedir que o inimigo a abra, essa caridade para com Deus deve também mostrar a preocupação de não ofender a Deus, o amoroso temor de ser separado dele, o zelo ardente de ver Deus amado, e o desejo de vê-lo imitado. (Essa caridade) deve mostrar também tristeza, para com uma pessoa que não pode fazer o quanto ela gostaria de fazer ou sabe que é obrigada a fazer; e mostrar a humildade, que faz uma pessoa pensar que é nada tudo o que ela realiza, em comparação com seus pecados.

Faça a fechadura ser potente pelos segredos, para que o demônio não possa facilmente abrir a fechadura da caridade e inserir seu próprio amor. A chave para abrir e fechar a fechadura deve ser apenas o desejo por Deus, junto com caridade divina e santas ações, para que a pessoa não deseje ter nada além de Deus, mesmo se ela pode tocá-lo, e tudo isso por causa de sua imensa caridade. Este desejo inclui Deus na alma e a alma em Deus, porque suas vontades são uma.

Somente a esposa e o marido devem ter esta chave, ou seja, Deus e a alma, de forma que, quando Deus quiser entrar e apreciar boas coisas, chamadas virtudes da alma, ele pode ter livre acesso com a chave do constante desejo; quando novamente a alma quer ir para dentro do coração de Deus, ela possa fazê-lo livremente, já que ela não deseja nada a não ser Deus. Esta chave é mantida pela vigilância da alma e pela custodia da sua humildade, pela qual ela atribui a Deus, todos os bem que ela tem. E essa chave é mantida também pelo poder e caridade de Deus, para que a alma não seja vencida pelo demônio.

Veja, minha esposa, que amor Deus tem pelas almas! Então, fica firme e faça a minha vontade.”

Palavras de Cristo à esposa sobre sua natureza imutável; sobre como suas palavras são realizadas, mesmo se elas não são imediatamente seguidas por feitos; e sobre como nossa vontade deve ser completamente confiada à vontade de Deus.

Livro 2 – Capítulo 28

O Filho falou à esposa, dizendo: “Porque te entristeces pelo fato daquele homem ter dito que minhas palavras eram falsas? Tu achas que fico pior por causa de seu menosprezo ou melhor por causa de seu louvor? Eu sou, certamente, imutável e não posso ser nem mais nem menos, e não tenho necessidade de elogios. A pessoa que me louva ganha um benefício por seu louvor a mim, não para mim, mas para si mesma. Eu sou a verdade, e a falsidade nunca procede ou pode proceder de meus lábios, já que tudo que o disse, através dos profetas, ou de outros amigos meus, em espírito ou em corpo, é realizado como eu pretendo, no tempo.

Minhas palavras não foram falsas porque Eu disse uma coisa em certo tempo, e outra em outro momento, primeiro algo mais explicito, depois algo mais obscuro. A explicação é que, a fim de provar a segurança da minha fé, e também o zelo de meus amigos, Eu revelei muito do que podia ser compreendido de diferentes formas, tanto com bondade como duramente, por pessoas boas e más, de acordo com os efeitos diferentes do meu Espírito, dando, assim, a eles a possibilidade de executar vários atos bons em suas diferentes circunstâncias.

Da mesma foram que em minha divindade, Eu assumi a natureza humana, como um homem, também, algumas vezes, falei com a minha natureza humana, mas submetida à minha natureza divina. Outra vezes, falei através da minha natureza divina, como |Criador da minha natureza humana, como está claro no meu evangelho. E desta forma, embora pessoas ignorantes ou caluniadoras possam ver significados diferentes nelas, ainda elas são palavras verdadeiras, de acordo com a verdade. Não foi também sem motivo para mim revelar algumas coisas de uma maneira obscura, já que foi correto que o meu plano fosse, de certa forma, escondido dos maus, e ao mesmo tempo, que todas as pessoas boas pudessem, avidamente, esperar por minha graça, e obter a recompensa por sua esperança. Por outro lado, se tivesse sido indicado que meu plano aconteceria em um momento específico no tempo, então todos desistiriam tanto de sua esperança quanto de sua caridade devido à grande extensão de tempo.

Eu também prometi varias coisas que, entretanto, não ocorreram por causa da ingratidão das pessoas que viviam naquele tempo. Se elas tivessem deixado de lado sua maldade, Eu certamente, teria dado a elas o que prometi. É por isso, que não deves ficar triste com a alegação de que as minhas palavras são mentiras. Porque o que parece ser humanamente impossível, é possível para mim. Meus amigos também estão surpresos que as palavras não são seguidas por milagres. Mas isso, novamente, não é sem sentido.

Moisés não foi enviado ao Faraó? Porém não foi imediatamente seguido de sinais. Por quê? Por que, se os sinais e portentos seguissem imediatamente, nem a dureza do Faraó nem o poder de Deus teriam sido manifestados nem os milagres teriam sido claramente demonstrados. O Faraó ainda teria sido condenado por sua própria maldade, mesmo se Moisés não tivesse vindo, embora sua dureza não tivesse sido tão manifestada. Isto também é o que está acontecendo agora. Portanto, sejas corajosa! O arado, embora puxado por bois, é ainda dirigido pela vontade do arador. Da mesma forma, embora possas ouvir e conhecer minhas palavras, elas não se ordenam ou ocorrem de acordo com a tua vontade, mas de acordo com a minha. Eu conheço a configuração da terra e como ela deve ser cultivada. Mas tu deves confiar toda tua vontade a mim e dizer: “Seja feita a vossa vontade!”

João Batista alerta a esposa através da parábola na qual Deus é simbolizado por uma pega, a alma por seus filhotes, o corpo pelo seu ninho, os prazeres mundanos pelos animais selvagens, o orgulho por aves de rapina e a alegria mundana por uma armadilha.

Livro 2 – Capítulo 29

João Batista falou à esposa, dizendo: “O Senhor Jesus te chamou das trevas à luz, da impureza à pureza perfeita, de um lugar estreito para um amplo. Quem pode explicar estes presentes e como podes agradecê-los o tanto quanto deves por eles? Apenas faça tudo o que puderes! Há um tipo de ave chamado pega. Ela ama seus filhotes, porque os ovos dos quais os filhotes vieram estavam antes em seu ventre. Esta ave faz um ninho para si com coisas velhas e usadas, por três razões.

Primeira, como um lugar de repouso; segunda, como abrigo da chuva e da pesada estiagem; terceira, a fim de alimentar seus filhotes quando eles saem dos ovos. A ave choca sua cria sentando amavelmente em cima dos ovos. Quando os filhotes nascem, a mãe os provoca a voar de três formas. Primeira, pela distribuição da comida; segunda, por sua voz solícita; terceira, pelo exemplo do seu próprio voo. Como eles amam sua mãe, os filhotes, logo que se acostumam com a alimentação da mãe, primeiro se deslocam pouco a pouco para alem do ninho com sua mãe mostrando o caminho. Assim, vão mais adiante, conforme a força deles permite, até que se tornem perfeitos na habilidade de voar.

Esta ave representa Deus, que existe eternamente e nunca muda. Do ventre de sua divindade procedem todas as almas racionais. Um ninho de coisas usadas é preparado para cada alma, já que a alma é unida a um corpo da Terra, onde Deus a alimenta com comida de bons afetos, o defende contra as aves de maus pensamentos, e lhe dá descanso da chuva de más ações. Cada alma é unida ao corpo a fim de que ela possa controlar o corpo e, de modo algum, ser controlada por ele e assim poder estimular o corpo a se esforçar e a cuidar dela inteligentemente. Assim, como uma boa mãe, Deus ensina a alma a avançar para coisas melhores e a ensina a sair do seu confinamento para espaços mais amplos. Primeiro, ele a alimenta dando-lhe inteligência e razão, de acordo com a capacidade de cada uma, e mostrando para a mente o que ela deve escolher e o que ela deve evitar.

Assim como ums pega, primeiro leva seus filhotes para além do ninho, assim também o ser humano, primeiro aprende a pensar nas coisas do Céu, e também a pensar quão confinada e simples é o corpo do ninho, e como as coisas eternas são brilhantes e deleitosas. Deus também leva a alma para fora com sua voz quando chama: ‘Aquele que me segue terá vida; aquele que me ama não morrerá.’ Esta voz os leva ao Céu. Qualquer um que não a ouve é ou surdo ou ingrato ao amor de sua mãe.

Terceiro, Deus leva a alma para fora através de seu próprio voo, isto é, através do exemplo da sua natureza humana. Esta gloriosa natureza humana teve, com se fossem duas asas. Sua primeira asa foi aquela em que havia somente pureza, sem nenhuma contaminação; sua segunda asa foi ter feito bem todas as coisas. Com estas duas asas a natureza humana de Deus voou sobre o mundo. Por este motivo, a alma deve segui-lo tanto quanto puder, e se não puder fazê-lo por ações, deve, no mínimo, tentar fazê-lo na intenção.

Quando o jovem filhote está voando, ele deve tomar cuidado com três perigos. O primeiro são os animais selvagens. Ele não deve pousar próximo a eles no chão, porque o filhote não é tão forte como eles o são. Segundo, ele deve tomar cuidado com as aves de rapina, pois o filhote ainda não voa tão rapidamente quanto aquelas aves, motivo porque é mais seguro ficar em um esconderijo. Terceiro, ele deve tomar cuidado para não ser atraído por uma armadilha com isca. Os animais selvagens que mencionei são os prazeres e apetites mundanos. O jovem filhote deve tomar cuidado com eles, pois parecem bons de se conhecer, agradáveis de possuir, e belos de olhar. Mas quando ele pensa que conseguiu alcançá-los, eles rapidamente vão embora. Quando ele pensa que lhes dão prazer, eles o mordem sem misericórdia

Em segundo lugar, o filhote deve estar atento às aves de rapina. Estas representam o orgulho e a ambição. Estas são as aves que sempre querem subir mais e mais e estar à frente dos outros pássaros, e odeiam todos os outros atrás deles. O filhote deve prestar atenção nelas e deve querer permanecer em humilde esconderijo, para que não cresça orgulhoso da graça que recebeu ou despreze aqueles que estão atrás dele e têm menos graça, e não pense de si mesmo que é melhor que os outros. Terceiro, o filhote deve prestar atenção em ser atraído por uma armadilha iscada. Esta representa a alegria mundana. Pode parecer bom ter risos nos lábios e sensações agradáveis no corpo, mas há um espinho nestas coisas. Risos imoderados levam à alegria imoderada, e o prazer do corpo leva à inconstância da mente, o que aumenta a tristeza, ou na morte ou antes, junto com aflição. Então, minha filha, deves correr para deixar o ninho através do desejo do Céu! Fique atenta sobre as bestas do desejo e os pássaros do orgulho! Esteja alerta sobre o engodo da alegria vazia!

Então a Mãe falou à esposa dizendo: “Cuidado com a ave que está suja com piche, porque qualquer um que a toque, fica manchado. Isto representa a ambição mundana, instável como o ar, repulsiva em sua maneira de procurar favores, e ter más companhias. Não cuide de ter honras, não te perturbes com favores, não prestes atenção ao elogio ou à acusação. Destas coisas vêm a inconstância da alma e a diminuição do amor a Deus. Sejas decidida! Deus, que começou a te tirar do ninho, te alimentará até a morte. Após a morte, entretanto, não terás mais fome. Ele também te protegerá da tristeza e te defenderá na vida, e após a morte não terás nada a temer.”

A súplica da Mãe ao seu Filho por sua esposa e por outra santa pessoa; sobre como a súplica da Mãe é recebida por Cristo, e sobre a certeza a respeito da verdade ou falsidade em relação a santidade de uma pessoa nesta vida.

Livro 2 – Capítulo 30

Maria falou a seu Filho dizendo: “Meu Filho, conceda à sua nova esposa o presente de que seu preciosíssimo corpo possa se enraizar em seu coração, de forma que, ela mesma possa seja transformada em ti e ser preenchida com teu deleite!” Então ela disse: “Este santo homem, quando estava vivendo no tempo, foi tão firme na fé como uma montanha ilesa na adversidade, não distraído pelo prazer. Ele foi tão flexível à tua vontade quanto o ar que se move para onde a força do teu Espírito quer conduzi-lo. Ele foi tão ardente em teu amor quanto o fogo, aquecendo os crescidos no frio e atingindo os maus. Agora sua alma está contigo na glória, mas o vaso que usou está enterrado e descansa em um lugar mais humilde do que é digno. Portanto, meu Filho, eleve seu corpo para uma posição mais digna, faça essa honra, porque ele te honrou em seu próprio pequeno caminho, eleve-o, porque ele te elevou ao alto tanto quanto pôde por meio de seu trabalho!”

O Filho respondeu: “Abençoada és tu, que nada negligencias nos assuntos de seus amigos. Veja, Mãe, não é certo dar o bom alimento aos lobos. Não é correto enterrar na lama a safira que mantém todos os membros saudáveis e fortalece o fraco. Não é bom acender uma vela para um cego. De fato, este homem foi firme na fé e ardente na caridade, já que ele foi pronto para fazer minha vontade com a maior moderação. Portanto, ele tem sabor para mim como de alimento bom preparado pela paciência e pela tribulação, doce e bom na bondade de sua vontade e afeições, ainda melhor em seus viris esforços para melhorar, excelente e mais terno em seu louvável modo de terminar seus trabalhos. Portanto, não é correto para tal alimento ser exposto perante os lobos, cuja fala astuta é nociva para todos.

Ele parece a safira de um anel pelo brilho de sua vida e reputação, provando ele mesmo ser um noivo de sua igreja, um amigo de seu Senhor, um preservador da santa fé e um desprezador do mundo. Então, querida Mãe, não é certo para tal amante da virtude e tão puro noivo ser tocado pelas criaturas impuras, ou sendo um tão humilde amigo se relacionar com os amantes do mundo. Em terceiro lugar, pelo seu cumprimento de meus mandamentos e pelo ensino de uma vida boa, ele foi como uma lâmpada em uma luminária. Através dos seus ensinamentos, fortaleceu aqueles que estavam de pé para que não caíssem. Através de seu ensino ele levantou os que estavam caídos. Assim também, ofereceu inspiração àqueles que podiam vir a me procurar depois dele.

Os cegos pelo seu amor próprio são indignos de ver essa luz. Os que tem os olhos doentes de orgulho são incapazes de perceber essa luz. Pessoas com mãos infectadas não podem tocar esta luz. Esta luz é detestável para os gananciosos e para os que amam sua própria vontade. É por isso que, antes que alguem possa ser elevado a uma posição mais alta, a justiça requer que os que não estão limpos sejam purificados e os que estão cegos, iluminados.

De qualquer forma, com respeito a esse homem que as pessoas da Terra estão chamando um santo, três coisas mostram que ele não era santo. A primeira é que ele não imitou a vida dos santos antes de morrer; segunda, que ele não estava alegremente pronto para sofrer o martírio por causa de Deus; terceiro, que ele não teve uma caridade ardente e com discernimento como os santos. Três coisas fazem uma pessoa parecer santa para o povo. A primeira é a mentira de um homem enganador e insinuante; a segunda é a fácil credibilidade dos tolos; a terceira é a cobiça e indiferença de prelados e examinadores. Se ele está no inferno ou no purgatório não é permitido que saibas até que chegue o tempo para isso.”